Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
47 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59040 )

Cartas ( 21234)

Contos (13081)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9402)

Erótico (13483)

Frases (46385)

Humor (19249)

Infantil (4423)

Infanto Juvenil (3673)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138140)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1944)

Textos Religiosos/Sermões (5495)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->MOMENTO SERTANEJO -- 19/11/2008 - 08:45 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131197871183476800

MOMENTO SERTANEJO
Silva Filho


Foi ali, naquela casa de tabique
Escondida nas quebradas do sertão
Onde a serra se erguia como dique
Lá estava a casinha da paixão.
Para nós sempre foi um paraíso
Com magia que mantinha o sorriso
E movia nossa vida altaneira;
Poucas reses lá no pasto rarefeito
Um cenário que jamais teve defeito
Incluindo o cercado e a porteira.

Vida simples, sem maiores pretensões
Bem distante das façanhas do dinheiro
O luar também compunha as canções
Que à noite se cantavam no terreiro.
Sem horário pra dormir e acordar
O caboclo só consegue trabalhar
Porque tem bastante fé e persistência;
A dureza do sertão é conhecida
Mas não deixa sua gente esmorecida
Mesmo que se tome como penitência.

Uns porquinhos, alguns bodes e galinhas
(Quase tudo pra formar um patrimônio)
Sem faltar o jumento e carrocinha
Pra fechar o cabedal deste campônio.
Mas a vida se mostrou mui generosa
Permitindo encontrar um mar de rosas
Como hóspede da própria Natureza;
Privações jamais maculam o recanto
Pois mais forte se destaca o encanto
Que se pode traduzir como nobreza.

Tudo isso foi a vida lá na roça
Bem marcada com sua simplicidade
Ratifico os valores da palhoça
Sem espaço pra quem quer a vaidade.
O sertão tem heróis desconhecidos
E seus filhos vão ficando esquecidos
Pelos centros ditos metropolitanos;
O Brasil é mesmo assim desagregado
Com um povo que está desinformado
Nas esquinas dos sicranos e beltranos.

/aasf/

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 603 vezesFale com o autor