Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
58 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59013 )

Cartas ( 21233)

Contos (13072)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9398)

Erótico (13482)

Frases (46351)

Humor (19239)

Infantil (4419)

Infanto Juvenil (3662)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138121)

Redação (3046)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1943)

Textos Religiosos/Sermões (5487)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->EM TOM DE DESAFIO -- 12/11/2008 - 22:36 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131151910225108400

EM TOM DE DESAFIO
Silva Filho




O Cordel está no ringue
Pra fazer demonstração
Da sua forma e força
E também da dimensão
Como parte da cultura
Ou mesmo arte mais pura
Que tem a população.

Como bom desafiante
Vou pegando a esgrima
O mundo dá muitas voltas
Eu dou a volta na rima
Tenho plano bem traçado
Pra dominar o estrado
E dar a volta por cima.

Vamos logo ao embate
No formato do Repente
A viola quase chora
Com o poema plangente
Mas não tem choro nem vela
Quando o bardo duela
Para ser sobrevivente.

Já rimei pra Senador
Já rimei pra Deputado
E até pra Presidente
Em assunto delicado
Pro Presidente do Vasco
Com o time no fiasco
E o torcedor revoltado.

Mas aqui é desafio
Que está em outro clima
Somente a força do verso
Vem aqui e legitima
Não tenho medo do tema
Pois o meu estratagema
É tudo que me anima.

Já entortei muitos versos
Com golpes mirabolantes
Deixei palavras sem pernas
E muitas letras errantes
Deixei trovador em caco
Com a viola no saco
E seus versos dissonantes.

Vamos ao primeiro round
Porque o povo reclama
O verso com anemia
Logo eu mando pra cama
Bater no pobre coitado
É um gesto comparado
Com quem bate numa dama.

Felizmente no cordel
O vate não sai ferido
Pode até sofrer tontura
Com o ataque sofrido
Porque o soco do verso
Mesmo sem ser perverso
Tem fama de atrevido.

/aasf/


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 553 vezesFale com o autor