Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
87 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57095 )
Cartas ( 21170)
Contos (12595)
Cordel (10090)
Crônicas (22210)
Discursos (3136)
Ensaios - (9014)
Erótico (13401)
Frases (43742)
Humor (18481)
Infantil (3788)
Infanto Juvenil (2712)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138305)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4887)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->OBSERVATÓRIO POÉTICO -- 27/05/2005 - 12:30 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos




OBSERVATÓRIO POÉTICO





Jan Muá





Na calçada passam trôpegos como no tempo de Jesus

Velhos sem disfarce

Crianças soltas nos andrajos da cara esfomeada

Doentes de espinha derreada

Gulosos de sorvete na mão

Barrigas avantajadas envoltas em roupas coloridas

Estilos de boutique em corpos falsos

Óculos escuros em pose clandestina

Figuras brancas de enfermeiras

Carrinhos puxados por garis laranjas

Bebês meigos ao colo de mamães cansadas

E adeptos do Flamengo encamisados.

Segue o flash da sessentona austera de roupa sob medida

O grupo chamativo de jovens rainhas de beleza

De roupas longas pretas de cabelos arrufados saídas da passarela

Os obsessivos vestidos de carnaval levando fantasia à praça

Dois adolescentes misturando sorvete e bicicleta

Madames vestidas a rigor

Executivos de passo cadenciado e pasta preta sob o braço

Peitudas avantajadas

Namorados de mãos dadas

Portadoras de vestido longo com racha ao meio da perna em pleno sol

A sambista da Mangueira que não vota no FHC

O policial conduzindo discretamente dois pivetes para a delegacia

Uma dona colossal de peso pesado

Transpirando o espírito da globalização

No círculo do monóculo poético desfilam exagerados de calças folgadas

Poupanças exóticas

Blusões estofados

Bonés avançados e hippies de pála para trás

Pés se movimentando recobertos de tênis botina ou chinelo

Sacolões importados à tiracolo a caminho da boca do metrô

Doses de bijuterias saídas das galerias e dos shoppings

Bolsas carregando notas de banco

Figuras repetitivas bonitas e feias

Resumindo a realidade do quotidiano pouco interessante

E cansativo afrontando a fantasia criadora



Finalmente, na sombra do verdejante parque

Espectros de figuras urbanas descarnadas

Repetindo a sós a abstrata vida que se movimenta e sofre

Nas esquinas da urbe apinhada

Com vontade silenciosa de serem o que ainda não são.



Rio de Janeiro

Largo de Machado

30 de julho de 1997



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 74Exibido 411 vezesFale com o autor