Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
45 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59138 )

Cartas ( 21236)

Contos (13105)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46521)

Humor (19282)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138241)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5526)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Teses_Monologos-->É A VIDA -- 03/02/2003 - 16:04 (Antonio Albino Pereira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. Brilha o sol. Queima corpos, bronzeia. Banho de piscina. Água azul, fresca, gostosa. A Água molha os corpos, alivia a mente, suaviza a dor.

E a vida segue seu rumo. Pessoas vivem, se banham. Pessoas se amam, deixam marcas de amor nas águas. Pessoas que amam sofrem.

É sempre bom banhar o corpo, molhar a ilusão, mergulhar na sedução. A água limpa a pele, mas não lava o coração.

Mesmo assim, a água alivia a dor, mesmo que momentaneamente. Dá vitalidade, energia e desenvoltura, instiga a fome de viver e de sonhar. A água lava a alma, mas não expurga as feridas do coração.

É bom sonhar. Num sonho tudo pode se passar de forma diferente, pura. Uma meretriz pode ser princesa, uma borboleta pode ser rainha e uma aranha pode ser estrela. Tudo é possível. O sonho, às vezes, pode ser angustiante, triste, escuro. Pesadelo.

Gosto do dia. A luz do dia é clara, clareia e não deixa que as trevas invadam nossos olhos. Vejo tudo. Todos vêem. Quase todos vêem. O mundo é assim. Mata a vida do mesmo modo que a fez nascer. Não quero morrer.

Tenho medo que a morte me derrube e me envie a um jardim desconhecido, com flores vermelhas desabrochando, exalando um triste aroma. Pobre de mim que não sei nada sobre as flores, só sei da água. Da água que rega a flor e a faz desabrochar. Da água que lava o corpo e o faz ficar podre, com o tempo.

O sol está brilhando, cozendo as mentes, esquentando os corpos e secando as almas. Um pesadelo. Não quero dormir, pois meus sonhos não são lindos assim. Meus sonhos são aterrorizantes, escabrosos, impuros e pecadores. São sonhos horripilantes nas minhas noites quentes de verão. O inverno já vem vindo.

Enquanto o inverno não vem fico aqui, na solidão. Acho que a solidão foi feita pra mim. Me molho na água e me queimo no sol. Sonho acordado com algo melhor, um amor, quem sabe. Agora estou só. São coisas da vida.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui