Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
47 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59138 )

Cartas ( 21236)

Contos (13105)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46521)

Humor (19282)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138241)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5526)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->CORDEL DA VISITA -- 20/12/2007 - 14:42 (Antonio Albino Pereira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. No Cordel do Milagre
Dona Márcia afiançou:
“Pit Toni fez cirurgia
Mas já quase se curou”.

Isto é certo, falta pouco,
Não podendo é caminhar
Pra ir à luta com os Pits
Nos botecos entornar.

Então, os bons amigos
Vieram me visitar,
Sexta-feira, sete horas,
Combinados de chegar.

Meus amigos, digo agora
O que na hora pensei,
Posso estar aqui enfermo
Mas ainda não quebrei.

Foi na hora, o que pensei,
Da chegada por chegada,
As mãos cheias dos amigos
Com as coisas da noitada.

Pit Roger, o primeiro,
Encostou o seu carrão,
Chaves de um lado
E cerveja noutra mão.

Perguntado sobre a esposa
Logo se justificou,
“Não tava passando bem
E em casa ela ficou”.

Pit Rei foi o segundo,
Duas viagens ele fez,
Tanta coisa que trazia,
Parecia compra do mês.

Um pacote de skolinha,
Dois peixes pra assar,
A salada variada,
Só faltou o caviar.

Pit Nelson e Dona Circe
Demoraram pra chegar,
Com cerveja e lazanha
E a sede de tomar.

A conversa rolou solta
Até a hora do jantar,
Dona Judy, Dona Circe
E Maria a assessorar.

Elas cuidaram da comida,
Taças cheias de vinho,
E quando puseram a mesa,
Tava tudo no jeitinho.

Lá fora se tomava
Eu,na água, a escutar
As balelas e chalaças,
Sem poder embebedar.

De viagem se falou
E até de peidorrão,
Da marca na cueca
Como freio de caminhão!

De viagem o que ficou
Foi um pit a lamentar:
-Pra Floripa não posso ir
Pit Roger não vai deixar!

Por que? Lhe perguntaram
Cheios de apreensão,
-Ele disse que não pode
Lá me dar toda atenção!

Pois com os sogros da Pat
Lá ele vai se encontrar,
Não tem tempo para o Rei
Que ficou a lamentar.

Pra festa ficar completa
As crianças foram então,
Clessius Nerby, já marrento,
Fica sério com o irmão.

Iago, magro e esticado,
Com KeKeyla foi brincar,
Mas antes sentou com os pits
Para uma piada contar.

Meus amigos e amigas
Quero aqui agradecer,
A visita que fizeram
Pra gente espairecer.

Dura tem sido a vida,
Mas a luta continua,
Um leão a cada dia,
A gente vai sentando a pua.

Mas com amigos desse naipe
Logo, logo estou sarado,
Aos pits, pitas e pitinhos
Vai o meu muito obrigado.

Só peço, que outra vez,
Me incluam na vaquinha,
Pois dura está a perna,
Ainda tenho uma graninha.



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui