Usina de Letras
Usina de Letras
120 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62161 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10449)

Cronicas (22530)

Discursos (3238)

Ensaios - (10347)

Erótico (13567)

Frases (50573)

Humor (20027)

Infantil (5422)

Infanto Juvenil (4752)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140790)

Redação (3302)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1959)

Textos Religiosos/Sermões (6182)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->PRÁ QUI SERVE A TÁ DE GUERRA? -- 28/08/2007 - 17:23 (ZÉ CEARÁ) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O povo já foi prá rua
Protestá im quantidade
Contra estes qui estão
Cum farta de caridade
O amô se acabou
Quando a guerra cumeçou
Por causa duma vaidade

Muito dinheiro foi gasto
Ispingarda e munição
Passarim feito de aço
Prá atirá nos irmão
Oh meu Deus quanta mardade
Desses qui se diz Cristão

Morre minino e muié
Jovi de todas idade
De tão novo alguns inté
Sem gozá da mocidade

Esses avião muderno
Equipado cum radá
É invenção do satã
Prá mió pudê matá
A vida que Jesus deu
E só Deus pode tirá

Ao invés de tanta bomba
Jogue um saco de comida
Ao invés da explosão
De uma corta margarida
Faça roncá um tratô
Prantando muita fulô
Prá torná bunita a vida

Ao invés de atirá
Cum fuzi no seu irmão
Compre duas tonelada
De arroz, milho e feijão
E vamo distribuír
Numa grande mutirão

Pricisamo é da guerra
De ajuda e caridade
Muito roçado prantado
Muito emprego na cidade

Pricisamo é de cisterna
No meu querido sertão
Barrêro cum muita água
Tanque, açude e cacimbão
Muita palma forrageira
Dinheiro prá fazer feira
Bode e Milho com feijão

Arroz, fava e macaxeira
Muita farinha e fubá
Doce, café e lingüiça
Bode no pé de juá
Laranja e goiaba china
Leite, ôvo e mungunzá

Pricisamo é de matá
A fome do nosso irmão
Pricisamo é de cumida
De arroz, feijão e pão
Ao invés dessa tal guerra
Precisamo é se juntá
Como numa multidão

Fazendo piquenas obra
Prá nóis tê irrigação
sem pricisá degradá
Prá cuidá da prantação

Vamo se juntá meu povo
Todos da humanidade
Numa corrente crescente
Sem aceitá a mardade

Tanta coisa prá fazê
Gente cum necessidade
E o homi só pensando
Im fazê a crueldade

Prá qui serve seu dotô
Tantos tanque cum canhão
Somente para dizê
Que derrotou seu irmão?

Querem dominá a terra
Dizê que só eles presta
Depois de mandá no mundo
Vão querê nossas floresta
Prá fazer remédio caro
Prá vendê pro nosso povo
Acabando cum qui resta

Os dotô qui são da morte
Que não são dotô da vida
Qui a vida só tem valô
Cum respeito ao criadô
E tudo que ele criou
Antes da sua partida
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui