Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
99 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55060 )
Cartas ( 21063)
Contos (12134)
Cordel (9568)
Crônicas (21229)
Discursos (3108)
Ensaios - (9913)
Erótico (13135)
Frases (39989)
Humor (17551)
Infantil (3562)
Infanto Juvenil (2309)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135730)
Redação (2875)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4205)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->O heróico soldado Kozel Filho -- 24/10/2008 - 18:30 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O heróico Soldado Mário Kosel Filho

Por Cel Eng R/1 Hiram Reis e Silva (*), Porto Alegre, RS, 24 de Outubro de 2008

“On n`a pas à se repentir.
Qu`on reconnaisse des faits précis et ponctuels, oui, mais en prenant garde à ne pas généraliser.
Pour ma part, je ne me repens pas." (Jacques Massú)


- O terrorismo e a Batalha de Argel (1.957/58)

O general francês Jacques Massú, em seu livro ‘A Batalha de Argel’, fez a apologia da ‘tortura funcional, que poupa a vida da vítima, mas obtém a informação necessária’. Defendeu a violação da ‘Convenção de Genebra’ na Argélia, argumentando que os combatentes argelinos não eram soldados regulares e, por isso, não teriam direito à proteção dada ao prisioneiro comum. Os alvos dos terroristas nem sempre são representantes da máquina de segurança estatal. Suas ações contra estabelecimentos civis, locais públicos ou veículos de passageiros matam ou mutilam cidadãos comuns, mulheres e crianças.

‘Não há do que se arrepender. Que se reconheça alguns fatos precisos e pontuais, sim, mas tome-se em guarda em não generalizar-se. Da minha parte eu não me arrependo’ - afirmou o condecorado General Frances em entrevista ao jornal Le Monde em 2000.


- Brigadas Vermelhas (1.978)

O grupo terrorista italiano ‘Brigadas Vermelhas’, em 16 de Março de 1978, seqüestrou o ex-primeiro-ministro Aldo Moro, dirigente da Democracia Cristã italiana. Com a prisão de um dos seqüestradores, foi sugerido ao General Alberto Della Chiesa que o preso fosse torturado para extrair informações que podiam salvar Moro. Chiesa respondeu: ‘a democracia italiana pode sobreviver à perda de Aldo Moro, mas não sobreviverá à introdução da tortura’.

Mantido 55 dias em cativeiro num apartamento de Roma, o corpo de Aldo Moro é encontrado, a 9 de Maio, no porta-malas de um carro abandonado.


- As Torturas de Abu Ghraib e Guantánamo

‘É essencial fazer o processo de interrogatórios funcionar. A guerra contra o terrorismo não será decidida pelo poderio da mão-de-obra ou da artilharia, como na 2ª Guerra Mundial, mas localizando os terroristas e sabendo quando e onde os ataques futuros poderão acontecer. Esta é uma guerra na qual a Inteligência é tudo. Vencer ou perder depende de informações de Inteligência’.
(A Guerra de Bush do 11 de setembro às Torturas de Abu Ghraib, Seymor Hersh)

Uma pesquisa divulgada, no dia 24 de Junho de 2008, em Nova York revelou que o recurso da tortura contra suspeitos de terrorismo é aceito por quase a metade da população americana. Podemos entender este tipo de aprovação por aqueles que estão vivenciando, no momento atual, ações terroristas, contra o seu território e contra seus concidadãos. Tentando, com isso, encontrar uma pronta resposta, ainda que fazendo uso de meios ‘não ortodoxos’, para a obtenção de informações, em tempo hábil visando a preservação de vidas humanas.

Deixando a polêmica questão da tortura à parte e vamos aos fatos.


- Mário Kosel Filho um herói anônimo

Mário Kosel Filho nasceu no dia 6 de julho de 1949, em São Paulo. Filho de Mário Kosel, gerente da Fiação Campo Belo e Therezinha Vera Kosel. O Kuka, como era conhecido, cursava o antigo colegial, à noite, e fazia parte Grupo Juventude, Amor, Fraternidade, da Paróquia Nossa Senhora da Aparecida, em Indianópolis, que tinha como símbolo uma rosa e um violão e havia sido idealizado pelo Kuka.

- Serviço Militar

Aos 18 anos ingressou no Exército sendo designado para o 4º Regimento de Infantaria, Regimento Raposo Tavares, em Quitaúna, sendo considerado pelos seus superiores como um Soldado exemplar. Na madrugada fria e de pouca visibilidade do dia 26 de junho de 1968, no Quartel General do II Exército, as guaritas estavam guarnecidas por jovens soldados que prestavam o serviço militar obrigatório, entre eles, Mário Kosel Filho, que, como todos os outros tinha apenas seis meses de instrução e de serviço nas fileiras do Exército. Tinham sido alertados a respeito da situação de insegurança que o país atravessava e que os quartéis eram alvos preferenciais de ações terroristas. Foram igualmente informados do assalto ao Hospital Militar, poucos dias antes, em que foram vítimas seus colegas do Regimento.

Um grupo de dez terroristas, da VPR, carregando dinamite em uma camionete Chevrolet, se deslocou em direção ao Quartel General (QG) com a missão de infringir o maior número de vítimas e danos materiais ao QG. Uma das sentinelas, atenta, dispara contra o veículo que se aproximava aceleradamente do portão do Quartel. O soldado Rufino dispara 6 tiros contra o mesmo que se choca contra a parede externa do quartel.

Kozel sai do seu posto e corre em direção ao carro para ver se há alguém ferido no seu interior. A carga com 50 quilos de dinamite explode dilacerando seu corpo e espalhando a destruição e morte num raio de 300 metros. Seis militares ficaram feridos: o Coronel Eldes de Souza Guedes e os soldados João Fernandes de Souza, Luiz Roberto Juliano, Edson Roberto Rufino, Henrique Chaicowski e Ricardo Charbeau.


- Diógenes - herói da esquerda escocesa

Diógenes José Carvalho de Oliveira um dos 10 terroristas que mataram o soldado Mário Kosel Filho recebeu uma indenização de R$ 400.337,73 e mais uma pensão mensal vitalícia, livre de imposto de renda. Por ter assassinado o soldado Mário Kosel Filho e outros tantos crimes, a Comissão de Anistia e o Ministro da ‘Injustiça’, Tarso Genro, resolveram premiá-lo.

- O facínora Diógenes (Currículo vitae)

- 20/03/1968 - construiu a bomba que explodiu uma na biblioteca da USIS, consulado dos EUA. Três estudantes foram feridos: Edmundo Ribeiro de Mendonça Neto, Vitor Fernando Sicurella Varella e Orlando Lovecchio Filho, que perdeu o terço inferior da perna esquerda;

- 20/04/1968 - preparou a bomba, que foi lançada contra o jornal ‘O Estado de São Paulo’, ferindo três inocentes;

- 22/06/1968 - participou do assalto ao Hospital do Exército em São Paulo;

- 26/06/1968 - lançou um carro-bomba contra o Quartel General do II Exército, matando o soldado Mario Kosel Filho, e ferindo mais quinze militares;

- 01/08/1968 - participou do assalto ao Banco Mercantil de São Paulo;

- 20/09/1968 - participou do assalto ao quartel da Força Pública, quando foi morto, a tiros, o sentinela soldado Antonio Carlos Jeffery;

- 12/10/1968 - às 8hs e 15min, Diógenes se aproximou do capitão Chandler, do Exército dos EUA, que retirava seu carro da garagem e na frente da mulher e dos seus filhos Luane e Todd de 3 anos, Jeffrey com 4 e Darryl com 9, o assassinou com seis tiros;

- 27/10/1968 - participou do atentado à bomba contra a loja Sears da Água Branca;

- 06/12/1968 - participou do assalto ao Banco do Estado de São Paulo ferindo, a coronhadas, o civil José Bonifácio Guercio;

- 11/12/1968 - assalto à Casa de Armas Diana onde foi ferido a tiros o civil Bonifácio Signori;

- 24/01/1969 - coordenou o assalto ao 4º RI, em Quitaúna, com o roubo de grande quantidade de armas e munições;

- 02/03/1969 - Diógenes e Onofre Pinto foram presos na Praça da Árvore, em Vila Mariana;

- 14/03/1970 - foi um dos cinco militantes comunistas banidos para o México, em troca da vida do cônsul do Japão em São Paulo.

- 1986 - era o assessor do vereador do PDT Valneri Neves Antunes, antigo comparsa da VPR e, ironicamente, fazia parte do movimento ‘Tortura Nunca Mais’;

- Na década de 90 - ingressou nos quadros do PT/RS, sempre assessorando seus líderes mais influentes.

- Diógenes do PT

Diógenes José Carvalho de Oliveira foi também conhecido pelos codinomes de ‘Leandro’, ‘Leonardo’, ‘Luiz’ e ‘Pedro’. Durante a CPI da Segurança Pública, no RS, ganhou destaque na mídia uma gravação em que ele dizia estar falando em nome do governador do Rio Grande do Sul, Olívio Dutra, e solicitava que o então chefe da Polícia Civil, delegado Luiz Fernando Tubino, ‘aliviasse’ a repressão aos bicheiros. Diógenes era o presidente do Clube de Seguros da Cidadania, uma organização criada para arrecadar fundos para o PT.


- Vítimas dos ‘heróis’ da esquerda escocesa

As famílias dos patriotas abaixo, ao contrário dos celerados membros da camarilha ‘companheira’ não receberam, até hoje, nenhuma indenização por parte da Comissão de Anistia e do Ministro da ‘Injustiça’, Tarso Genro.

12/11/64 - Paulo (Vigia - Rj)

27/03/65 - Carlos Argemiro (Sargento do Exército - Pr)

25/07/66 - Edson Régis De (Jornalista - Pe)

25/07/66 - Nelson Gomes (Almirante - Pe)

28/09/66 - Raimundo De Carvalho (Cabo Pm - Go)

24/11/67 - José Gonçalves Conceição (Fazendeiro - Sp)

07/11/68 - Estanislau Ignácio (Civil - Sp)

15/12/67 - Osíris Motta (Bancário - Sp)

10/01/68 - Agostinho F. Lima - (Marinha Mercante - Am)

31/05/68 - Ailton De (Guarda Penitenciário - Rj)

26/06/68 - Mário Kozel (Soldado Do Exército - Sp)

27/06/68 - Nelson (Sargento PM - Rj)

27/06/68 - Noel De Oliveira (Civil - Rj)

01/07/68 - Von Westernhagen (Major Ex. Alemão - Rj)

07/09/68 - Eduardo Custódio (Soldado PM - Sp)

20/09/68 - Antônio Carlos (Soldado PM - Sp)

12/10/68 - Charles Rodney (Capitão do Ex. Usa - Sp)

12/10/68 - Luiz Carlos (Civil - Rj)

25/10/68 - Wenceslau Ramalho (Civil - Rj)

07/01/69 - Alzira B. De Almeida - (Dona de Casa - Rj)

11/01/69 - Edmundo Janot (Lavrador - Rj)

29/01/69 - Cecildes M. de Faria (Inspetor de Pol. - Mg)

29/01/69 - José Antunes Ferreira (Guarda Civil - Mg)

14/04/69 - Francisco Bento (Motorista - Sp)

14/04/69 - Luiz Francisco (Guarda Bancário - Sp)

08/05/69 - José (Investigador De Polícia - Sp)

09/05/69 - Orlando Pinto (Guarda Civil - Sp)

27/05/69 - Naul José (Soldado Pm - Sp)

04/06/69 - Boaventura Rodrigues (Soldado PM - Sp)

22/06/69 - Guido - Natalino A. T. (Soldados PM - Sp)

11/07/69 - Cidelino Palmeiras (Motorista de Táxi - Rj)

24/07/69 - Aparecido dos Santos (Soldado PM - Sp)

20/08/69 - José Santa (Gerente De Banco - Rj)

25/08/69 - Sulamita Campos (Dona De Casa - Pa)

31/08/69 - Mauro Celso (Soldado PM - Ma)

03/09/69 - José Getúlio - João G. (Soldados da PM)

20/09/69 - Samuel (Cobrador de Ônibus - Sp)

22/09/69 - Kurt (Comerciante - Sp)

30/09/69 - Cláudio Ernesto (Agente da PF - Sp)

04/10/69 - Euclídes de Paiva (Guarda Particular - Rj)

06/10/69 - Abelardo Rosa (Soldado PM - Sp)

07/10/69 - Romildo (Soldado PM - Sp)

31/10/69 - Nilson José de Azevedo (Civil - Pe)

04/11/69 - Estela Borges (Investigadora do Dops - Sp)

04/11/69 - Friederich Adolf (Protético - Sp)

07/11/69 - Mauro Celso (Soldado PM - Ma)

14/11/69 - Orlando (Bancário - Sp)

17/11/69 - Joel (Sub-Tenente PM - Rj)

17/12/69 - Joel (Sargento - PM - Rj)

18/12/69 - Elias (Soldado do Exército - Rj)

17/01/70 - José Geraldo Alves Cursino (Sgt PM - Sp)

20/02/70 - Antônio A. Posso Nogueró (Sgt PM - Sp)

11/03/70 - Newton de Oliveira Nascimento

31/03/70 - Joaquim (Investigador de Polícia - Pe)

02/05/70 - João Batista (Guarda de Segurança - Sp)

10/05/70 - Alberto Mendes (1º Tenente PM - Sp)

11/06/70 - Irlando de Moura (Agente da PF - Rj)

15/07/70 - Isidoro (Guarda de Segurança - Sp)

12/08/70 - Benedito (Capitão do Exército - Sp)

19/08/70 - Vagner L. Vitorino (Guarda de Seg. - Rj)

29/08/70 - José Armando (Comerciante - Ce)

14/09/70 - Bertolino Ferreira (Guarda de Seg. - Sp)

21/09/70 - Célio (Soldado PM - Sp)

22/09/70 - Autair (Guarda de Segurança - Rj)

27/10/70 - Walder X. (Sargento da Aeronáutica - Ba)

10/11/70 - José Marques (Civil - Sp)

10/11/70 - Garibaldo (Soldado PM - Sp)

10/12/70 - Hélio de Carvalho (Agente da PF - Rj)

07/01/71 - Marcelo Costa Tavares (Estudante - MG)

12/02/71 - Américo (Soldado PM - Sp)

20/02/71 - Fernando (Comerciário - Rj )

08/03/71 - Djalma Pelucci (Soldado PM - Rj)

24/03/71 - Mateus Levino (Tenente da Fab - Pe)

04/04/71 - José Júlio Toja (Major do Exército - Rj)

07/04/71 - Maria Alice (Empregada Doméstica - Rj)

15/04/71 - Henning Albert (Industrial - Sp)

10/05/71 - Manoel Silva (Soldado PM - Sp)

14/05/71 - Adilson (Artesão - Rj)

09/06/71 - Antônio Lisboa Ceres (Civil - Rj)

01/07/71 - Jaime Pereira (Civil - Rj)

02/09/71 - Gentil Procópio (Motorista de Praça - Pe)

02/09/71 - Gaudêncio - Demerval (Guardas Seg. - Rj)

--/10/71 - Alberto Da Silva (Civil - Rj)

22/10/71 - José (Sub-Oficial da Marinha - Rj)

01/11/71 - Nelson Martinez (Cabo PM - Sp)

10/11/71 - João (Cabo PM - Sp)

22/11/71 - José Amaral (Guarda De Segurança - Rj)

27/11/71 - Eduardo Timóteo (Soldado PM - Rj)

13/12/71 - Hélio F. (G.Seg. - Rj) - Manoel da Silva (Com.) - Francisco B. (Mot.)

18/01/72 - Tomaz P. de Almeida (Sargento PM - Sp)

20/01/72 - Sylas Bispo Feche (Cabo PM - Sp)

25/01/72 - Elzo Ito (Estudante - Sp)

01/02/72 - Iris (Civil - Rio De Janeiro)

05/02/72 - David A. (Marinheiro Inglês - Rj)

15/02/72 - Luzimar Machado De (Soldado PM - Go)

27/02/72 - Napoleão Felipe Bertolane (Civil - Sp)

06/03/72 - Walter César (Comerciante - Sp)

12/03/72 - Manoel (Guarda de Segurança - Sp)

12/03/72 - Aníbal F. de A. (Coronel Exército - Sp)

12/03/73 - Pedro (Capataz da Fazenda Capingo)

08/05/72 - Odilon Cruz (Cabo do Exército - Pa)

02/06/72 - (Sargento PM - Sp)

29/06/72 - João (Mateiro da Região do Araguaia - Pa)

Set/72 - Osmar (Posseiro - Pa)

09/09/72 - Mário Domingos (Detetive Polícia Civil - Rj)

23/09/72 - Mário Abraim Da (2º Sgt do Exército - Pa)

27/09/72 - Sílvio Nunes (Bancário - Rj)

01/10/72 - Luiz Honório (Civil - Rj)

06/10/72 - Severino F. - José I. (Civis - Pe)

21/02/73 - Manoel Henrique (Comerciante - Sp)

22/02/73 - Pedro Américo Mota (Civil - Rio De Janeiro)

25/02/73 - Octávio Gonçalves Moreira (Del. de Pol - Sp)

.../06/73 - Francisco Valdir (Soldado do Exército - Pa)

10/04/74 - Geraldo José (Soldado PM - Sp)



Solicito publicação


(*) Coronel de Engenharia Hiram Reis e Silva
Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA)
Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil (AHIMTB)
Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS)


Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 566Exibido 1301 vezesFale com o autor