Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
54 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54786 )
Cartas ( 21052)
Contos (12082)
Cordel (9480)
Crônicas (21040)
Discursos (3104)
Ensaios - (9893)
Erótico (13117)
Frases (39763)
Humor (17540)
Infantil (3558)
Infanto Juvenil (2307)
Letras de Música (5410)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135496)
Redação (2869)
Roteiro de Filme ou Novela (1034)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4164)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Improvável -- 04/12/2003 - 16:01 (Sidnei Olivio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Improvável

Você abriu a porta de repente e entrou, como se tivesse saído instantes antes e percebido que havia esquecido alguma coisa, coisa que sempre acontece. Mas não, você chegou tarde e abriu a porta de repente, como se tivesse estabelecido a hora exata, como se segundos fora pudessem testemunhar prós e contras à sua chegada. Você abriu a porta de repente e entrou, e quando olhou para mim despencou-se a razão junto ao susto quando, tão de repente quanto à abertura da porta, nossos olhos cruzaram um limite indelével num caminho improvável. Você abriu a porta de repente e entrou e me assustou, como se eu não tivesse ouvido o barulho do motor do carro, da porta do carro, dos seus passos nos degraus da escada, da chave rodando no tambor da fechadura e da maçaneta, feito um gatilho, abrindo a porta de repente como um tiro, como se você não soubesse que eu estaria lá, alvo fixo na alça de mira, lá, estirado no sofá, insone, em profundo desagrado comigo mesmo por não ter ido, por nunca ir, pela fidelidade aos fantasmas que sempre me evocam e se tornaram meus amantes. Os fantasmas... Mas você abriu a porta de repente e entrou e também se assustou, fruto dessa maldita culpa que carregamos, impingida há séculos, uma herança tão bem forjada que, por mais que a contemos, escapa pelos poros e os olhos denunciam...

Sidnei Olivio
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui