Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
125 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56399 )
Cartas ( 21119)
Contos (12484)
Cordel (9833)
Crônicas (21794)
Discursos (3122)
Ensaios - (9978)
Erótico (13197)
Frases (41439)
Humor (17685)
Infantil (3603)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5445)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136913)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4474)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Vazios espaços -- 08/07/2004 - 20:00 (MARIA PETRONILHO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos








tristes pétalas esvoaçam

de minha alma desfolhada

por suspeições lacerada



onde o jardim que floria?

o lago que me banhava?

a ponte que nos unia

em deleitosa harmonia?



abriram os cadeados

ataram-nos em madeiros

separados

minha mágoa guardo em chaga

a alma ardendo em chispa

coberta agora de cinza

petrificada na areia



derivo sem âncora alguma

sem um cais onde me acolha

sou tão só a peregrina

sem vereda

que a sua cruz carrega

num deserto deambula



desgarrado no restolho

jaze o meu caule tombado



o fogo devora a palha


Lisboa, 8/7/2004




Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui