Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
89 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54856 )
Cartas ( 21056)
Contos (12110)
Cordel (9512)
Crônicas (21088)
Discursos (3105)
Ensaios - (9906)
Erótico (13127)
Frases (39810)
Humor (17550)
Infantil (3558)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5411)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135538)
Redação (2869)
Roteiro de Filme ou Novela (1034)
Teses / Monologos (2372)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4175)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias -->Janela da Manhã -- 05/11/2003 - 01:24 (Clarissa Borba Batista Macedo de Azevedo) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Na janela da manhã se abre
Coisa que em mim não cabe
Sabe
Tem vezes que não sei dizer.

Há coisas que não entendo
E não sei se alcanço
A extensão,
Não compreendo.
Não.

Mas mesmo assim
Descortina-se em mim
Aquilo a que não sei nomear
E o furacão se faz toar.

Ocorre que na janela da manhã
Nem sempre é manhã em mim
E essa necessidade incessante
De saber por quê

Onde está a luz
Da janela da manhã?
Fugiu de mim
E não sei encontrar.

Na janela da manhã
Passam poucos
E são muitos os sentimentos
E já não sei participar.

Amanhã
Haverá nova janela
Cuja manhã, claro, é bela
Mas não visível a quem quiser vê-la.

Na janela da manhã
Na minha janela
Da minha manhã
Há cortinas

Mas eu queria tanto enxergar.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui