Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
164 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56923 )
Cartas ( 21164)
Contos (12585)
Cordel (10043)
Crônicas (22162)
Discursos (3133)
Ensaios - (8974)
Erótico (13389)
Frases (43449)
Humor (18412)
Infantil (3758)
Infanto Juvenil (2646)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138083)
Redação (2919)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2399)
Textos Jurídicos (1924)
Textos Religiosos/Sermões (4809)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Monogamia e o sexo como ponto central: um erro grave -- 13/07/2019 - 21:20 (Lorde Kalidus) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Uma coisa que a vida me ensinou; desejo não é algo que se deixa controlar por códigos de ética, crenças religiosas ou convenções humanas como o casamento. Ele é um jogador que muda as regras quando e como quer, independente do jogo estar ou não razoavelmente favorável simplesmente porque lhe deu vontade de fazer isso. E por que ele o faz? Porque vivemos em prol de nossas necessidades e vontades e, independente do que é moral e eticamente correto diante do que nos foi ensinado em algum momento da vida ou algo que achamos interessante o bastante para acreditar, fazemos o que podemos e o que não podemos para saciar nosso desejo, que anda de mãos dadas com a necessidade e que reza de acordo com sua cartilha de forma que não se sabe dizer ao certo quem é um e quem outro.

Os relacionamentos monogâmicos são, provavelmente, a melhor forma de mostrar isso. Quem acredita que os sagrados votos do matrimônio significam algo perante o desejo e que no meio do caminho não se vá trombar com alguém que vá nos fazer olhar para o lado, seja apenas na prática ou na teoria, acredita em Papai Noel, até porque não se pode domesticar sentimentos como se fossem algo estático e que nunca vai mudar, já que essas mudanças fazem parte da natureza humana. Você está contente com seu salário até a hora em que começar a ganhar dez vezes mais, com a direção mecânica até o dia em que dirigir um carro com direção hidráulica, e o mesmo vale para os parceiros sexuais, que não são necessariamente as pessoas com quem nos relacionamos e a quem juramos fidelidade eterna, que nada mais é que uma estória da carochinha. Se achássemos que não, o divórcio não existiria e tudo que se conecta aos relacionamentos seria lindo e maravilhoso, mas quem se aventura no mundo nada encantado das relações monogâmicas sabe que não é bem assim. Somos fiéis apenas a nós mesmos, mesmo quando damos a vida por quem mais amamos, até porque, se fazemos isso, é porque a própria vida não teria significado, dependendo do quanto aquela pessoa é importante. Sendo assim, quando nos sacrificamos, de certa forma o fazemos mais por nós mesmos e o que isso gera de bom para a outra pessoa é apenas consequência.

Mulher, quando está do lado, não se sabe o que pensa; quando está longe, não se sabe o que faz, sabe-se apenas o que disse que ia estar fazendo, que pode estar onde disse que estaria, mas não necessariamente o que está acontecendo por lá. Ela vai atender o celular, não vai estar necessariamente ofegante, o que não significa que não vai ter o telefone na mão e um membro masculino em outra, ou mesmo que não vai tê-lo na boca quando estiver ouvindo o corno falar. Vai estar no trabalho, o que não significa necessariamente que o patrão ou algum colega de trabalho (caso seja apenas um) não está fazendo com ela tudo o que bem entender. O mesmo podendo ocorrer em várias outras circunstâncias, como consultas médicas, chás de bebê, idas ao shopping, ao supermercado, ocasiões em que ela não vai necessariamente voltar pra casa dando qualquer sinal de que passou na mão de um outro homem que, em algum momento, acabou despertando sua curiosidade o bastante pra que ela arriscasse passar algumas horas com ele entre as pernas e com quem aceitou se encontrar de novo em outras ocasiões por ter se divertido muito todas as vezes em que se encontraram. No caso do homem ocorre algo parecido, com a diferença de que eles traem por natureza, só não o fazendo quando têm que agradecer por terem conseguido arrumar alguém e que não teriam essa sorte de novo se perdessem a que têm, enquanto a mulher trai porque a ocasião pareceu propícia e, em alguns casos, embora mantenha a postura de mãe e esposa pela estabilidade da casa, sempre guarda um lugar especial pro outro cara e reserva um tempo especial na semana pra se realizar na vara do dito cujo.

Pensando em tudo isso, só me resta chegar a conclusão de que ver no sexo um ponto central para os relacionamentos entre duas pessoas nada mais é que uma grande armadilha que transforma o que deveria ser amor num inferno constante, uma cruz que se carrega diariamente, e que termina por envenenar a alma e fazer com que o próprio convívio se torne insuportável com o tempo. Toda a vaidade envolvida nisso tudo, as eternas cobranças em torno da sexualidade, como as possibilidades de traição se um não satisfizer o outro, a fina linha que logo é atravessada para que o que já foi prazer acabe se transformando em obrigação, e a própria supervalorização do ato sexual como se ele não fosse simplesmente uma necessidade física e normal como respirar, comer e dormir, me levam a pensar se a grande maioria não tem uma atitude errada, pra não dizer suicida, no que diz respeito ao sexo.

Confiança, sem dúvida, é o alicerce de qualquer relacionamento, ao menos o mínimo que se pode obter, já que a mente humana não é só a moeda mais fungível que existe como também a que mais se desvaloriza. Pode-se construir uma vida com alguém, adquirir-se patrimônio, ter uma relação de amizade, carinho, convivência, não se tem tudo isso com qualquer um. Por outro lado, da mesma forma que não se precisa saber necessariamente quem serve sua bebida em um bar, não é necessário conhecer totalmente ou mesmo saber o nome de quem se leva pra cama em algumas ocasiões, pelo menos não a ponto de se achar que o sexo feito ocasionalmente é motivo pra que o desejo da outra pessoa se torne uma propriedade. Tanto isso é verdade que a prostituição e a indústria de filmes pornográficos, a quem se apela em certos momentos, são industrias milionárias. Embora sejamos condicionados desde tenra idade a acreditar ou mesmo ter certeza de que tornar nosso desejo propriedade de alguém é um fardo do qual não se possa escapar, nem de longe é assim que tudo funciona ou tem que funcionar. É possível pensar por si mesmo e não necessariamente tornar-se mais uma engrenagem de um sistema moral torturante e falido, cujas falhas só se tornam visíveis, muitas vezes, quando já é tarde demais e já estamos no final, incapazes física e psicologicamente de procurar algo que nos faça felizes.

 

 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 25 vezesFale com o autor