Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
80 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55221 )
Cartas ( 21066)
Contos (12156)
Cordel (9592)
Crônicas (21295)
Discursos (3112)
Ensaios - (9914)
Erótico (13140)
Frases (40122)
Humor (17564)
Infantil (3566)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5416)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135853)
Redação (2879)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4226)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Um velho texto (acrescentei algumas lágrimas...) -- 18/11/2002 - 21:18 (Sidnei Olivio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Um velho texto (acrescentei algumas lágrimas...)



Não pretendo dizer nada de novo. Você sabe de tudo o que direi. Resolvi apenas repetir para registrar não só o que já disse, mas a minha humildade em dizer de novo. E devo dizer, devo registrar, para também atestar toda admiração que tenho por você. Admiração essa que, ultrapassando o princípio, se transformou num amor puro, sincero e profundo. Um amor enjaulado nos séculos que nem Platão poderia prevê-lo.
Confirmo a você esse amor novamente através das palavras, pois sempre será assim, através das palavras transformadas em emoção. Palavras que ganham significados e poder. Que ganham asas e voam à altitudes nunca vistas. Que ganham formas, cristalizadas, possibilitando o tato. Assim as palavras tocam, acariciam, unem corpos jamais dimensionados pela visão, senão a dos sonhos.
Não saberia dizer mais nada nem explicar de outro jeito. E, também, não acredito que alguém, que não tenha vivido semelhante relacionamento, pudesse entender, compreender como, aprisionados numa grande paixão, pudéssemos nos resignar desse desencontro físico e aceitar a enorme realidade. E, mais que aceitar, alimentar esse sentimento que é pura unção, prazer supremo e redenção sem limites.
Assim somos nós, à margem do mundo, à margem de qualquer paradigma. Assim somos nós, unidos pela poesia, cujo fruto proibido é o poema em versos unificados.
Assim somos nós, amantes da ilusão, cuja realidade já foi promulgada num sentimento sem posse, sem face, sem regras e fronteiras.
Nada mais que possamos fazer, não há início nem fim num gesto como esse. Nada que ninguém possa fazer, não há razão comum que a crença admita.
Despeço-me então beijando as suas mãos que constroem versos com a clareza, o perfume e a esperança de cada amanhecer.

s.olivio
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui