Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
64 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56823 )
Cartas ( 21161)
Contos (12583)
Cordel (10010)
Crônicas (22151)
Discursos (3132)
Ensaios - (8952)
Erótico (13387)
Frases (43336)
Humor (18382)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138021)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4764)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Guerino, padre -- 13/11/2013 - 13:09 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Guerino Valentino Pontello. Ecce Homo. Vigário de Pitangui, MG, por décadas a fio.



Ordenado em 1939, cruzou o Rubicão de tantas e tantas bodas sacerdotais. Sessenta e três



vezes - e fração.



Assim, naquela cidadezinha altaneira, e cheia de tradições, muitas sem ainda tradução, não



há, houve ou haverá quem não conhecesse esse virtuoso pároco. Mas, afinal, pároco, ou



vigário? Vou ter que recorrer aos cânones eclesiásticos para saber. E não há de ser agora,



pois que a hora é de homenagem e lembrança.



No nome está toda uma sequência de homenagens e não é a toa que era filho de Dona Italia,



numa família que consagrou tantos rebentos à vida religiosa. E se se pronunciava Güerino



ou Guerino, uma só idéia me ocorre do Valentino: teria a ver com o ídolo das telas dos anos



pioneiros do cinema? Essa pergunta nunca lhe fiz, acólito, pupilo, ou seminarista. Mas tava



tanto na cara - e até nos modos daquele fogoso pároco que tanto era capaz de juntar-se ao



futebol da rapaziada (bastando-lhe arregaçar a batina), como de fazer um sermão na matriz



e ser ouvido a meia légua de distância (sem usar microfone), ou escamuçar vendilhões do



templo. Pároco pra toda obra. E que foi vasta e rica.



Não chegava a ser um modelo de cordura, tal o ímpeto de muitas de suas ações, mas foi um



homem justo, severo e que até ensaiou umas escritas no jornal da terra. Causos vividos e



testemunhados.



Terá feito milhares de batismos, casamentos e encomendas. Assim como missas, sermões e



confissões.



Tinha algo de admirável sobre esse homem que, talvez comuns pecadores não tenhamos



absorvido na íntegra. Mas muitos de seu círculo mais próximo, e mais beato, hão de me



contestar, cobrando-me mais profundidade. Mas quem sou eu, que fui aluno seu, e que



tanto sorvi aqueles belos ensinamentos de história viva, interpretada, sobre os sofrimentos



do Cardeal Mindzenty, sob as garras do totalitarismo na Hungria do pós-guerra, sobre a luta



dos zelotes para se libertarem (dois milênios antes de George)do jugo de Roma; e enfim



até sobre a crucifixão, detalhes técnicos que tanto diferem daquela clássica imagem do



Cristo carregando a cruz, quando na verdade teria carregado tão-somente o travessão que se



coloca sobre a haste. Ainda assim, um peso brutal.



Mas agora tudo é insustentável leveza, nos esplendores perpétuos. Ave, Guerino.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 132 vezesFale com o autor