Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
88 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56831 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10014)
Crônicas (22152)
Discursos (3133)
Ensaios - (8956)
Erótico (13388)
Frases (43357)
Humor (18384)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138031)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4770)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Evangelina Angélica e seu guarda-chuva -- 30/10/2013 - 05:55 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
estória já existe, há muitos anos. Deve ter até entrado para a história, ou pelo menos era assim naquele livro escolar "As mais belas histórias", quarto ano primário, autores vários:



Evangelina e sua irmã haviam sido convidadas para uma festa, daquelas em que se serviam bolachas, biscoitos, pastéis, caramelos, e até balas de anéis. Contavam os dias, as horas e os minutos para lá estarem com a meninada. Mas a maçada foi que no dia da festa, ora esta!, a irmãzinha de Evangelina, cadê o nome pra menina, de cama caiu e de sair a zelosa mamãe a proibiu!



Tava pra morrer de tristeza, mas de repente, numa surpresa, a pobre doente, teve idéia genial, que passou pra boa Evangelina, e coisa e tal.



E eis Evangelina na festinha provando de tanta guloseima gostosinha, mas lembrando-se da irmãzinha, ia botando cada metade na sombrinha!



Quando chegou o fim da festa todo mundo tava satisfeito, mas como ia chuviscando, voltar pra casa, de que jeito?



Evangelina, com o guarda-chuva sob o braço, e já um certo cansaço, ia saindo já de mansinho quando a dona da casa chegou bem pertinho e foi logo falando, a medida



que seu guarda-chuva ia tomando: menina, pode lhe fazer mal essa chuvinha, por quê



não abre logo a sombrinha? Quando a sombrinha a dona abriu, tanto biscoito que caiu, todo mundo riu e de Evangelina o mundo caiu.



Mas não foi em vão: a dona dela se compadeceu, seu gesto brusco reconheceu, levou a menina para dentro, confortou-a como pode e antes que acabe a estória, belo embrulho lhe fez, pediu desculpas outra vez e desejou melhoras à mana Inez...
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 355 vezesFale com o autor