Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
98 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56828 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10014)
Crônicas (22151)
Discursos (3133)
Ensaios - (8956)
Erótico (13388)
Frases (43354)
Humor (18383)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138027)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4770)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Pertinho do céu... -- 26/10/2013 - 07:07 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Não havia essa coisa de menino ficar beirando meninas.



Mas pros mais pequenos, fazia-se exceção. E essa atitude



não chegava a ser deferência, era no máximo tolerância.



Desde que os pimpolhos se comportassem.



E foi assim na barra das saias das manas Totóia e Bebel,



que eu pude ouvir embasbacado - e comportado - aquele



relato fabuloso das meninas novas que haviam vindo



parar na nossa rua. Nossa rua era até bem plana e, por



ser a última no topo do povoado, acabava dando numa



porteira, que era o limite de um pasto, atrás do qual



vinham várzeas e um horizonte delineado pelo costado de



uma serra.



Pois essas novas meninas vieram dizendo, cheias de



convicção, que costumavam apanhar lenha bem pra lá do



pasto, e que um dia, quando tinham mais tempo, foram



subindo aquela serra - para a qual apontavam - e que



subiram tanto que chegaram ao ponto em que a terra e o



céu quase se encontravam.



Gesticulando duas delas pelo menos, as maiorezinhas,



elevaram os braços e disseram que, na pontinha dos pés,



haviam apalpado a pontinha do céu. E que era tudo tão



macio e bonito, mas que tiveram muito cuidado para não



cair no despenhadeiro - diziam pirambeira - do outro lado



da serra.



E eu em tudo que ouvi, cri. Mas hesitei em certificar com



as manas a procedência do relato. Achei que elas podiam



estragar meus devaneios.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 119 vezesFale com o autor