Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
39 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56451 )
Cartas ( 21157)
Contos (12576)
Cordel (9977)
Crônicas (22086)
Discursos (3130)
Ensaios - (8877)
Erótico (13329)
Frases (42884)
Humor (18233)
Infantil (3705)
Infanto Juvenil (2521)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137744)
Redação (2907)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2385)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4619)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->O escovão -- 11/10/2013 - 15:46 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Com a troca do piso de lajotas por tacos, os globos de teto daquele verde suave,



combinando com a delicadeza ainda maior e mais verde do abajur, o sinal era de que



estávamos melhorando de vida. E foi ali que entrou o escovão. A melhora não dava



ainda para a compra de uma enceradeira, e o escovão com suas cerdas pretas e seu peso



férreo, e cabo de vassoura reforçado, sentiu-se titular absoluto. E não tava nem ali para as



vassouras, cujo trabalho inspecionava, sisudão, até chegar sua vez de operar.



Ficamos encantados com a nova aquisição, tão logo chegou em casa, trazido pela mão



de papai. Era só espalhar a cera parquetina e passar aquele trator por cima. Ia ficar um



lustre...



E nos metemos à obra com aquela disposição que só a novidade conhece. Que brilho



aquele piso ia conhecer - e resplandecer!



Mas não é que a minutos tantos, mal acostumados braços se rendem ao cansaço com a



monotonia dos movimentos e, mais ainda, o peso da geringonça, que parecia crescer - e



neca do esperado brilho aparecer.



Recorremos aos menorezinhos, com a oferta de um passeio sentadinho no carro-escovão



para ver se com o maior peso, ao menos, o brilho aparecia. Mas neca. E a tarde de



sábado já ia acabando. O jeito foi fazer cera, enquanto se sonhava com a enceradeira - e se



dormia, pois não, com o escovão.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui