Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
52 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56823 )
Cartas ( 21161)
Contos (12583)
Cordel (10010)
Crônicas (22151)
Discursos (3132)
Ensaios - (8952)
Erótico (13387)
Frases (43337)
Humor (18382)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138021)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4764)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Cú com acento? -- 05/10/2013 - 05:43 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Cheguei a conhecer uns poucos deles, vetustos muros aqueles, 


 


tão reles, de adobe de minha terra. Mais encorpados que os 


 


muros de tijolos e, logo a seguir, os pre-fabricados, eles vinham 


 


perdendo espaço numa rapidez alarmante. 


 


Geralmente estavam associados aos casarões estilo colonial e 


 


vinham compartilhando o mesmo desafortunado destino


 


daqueles sobrados: o desmanche pra construção de prédios mais 


 


modernos, mais leves. E de lambuja, o aproveitamento da 


 


madeira que algum excêntrico da capital ou de capital mesmo 


 


construir ou ornamentar sua mansão, seu sítio, que situação. 


 


Uma particularidade sobre esses muros de adobe é que eram 


 


chapelados, cobertos de telhas portuguesas, que além de enfeitá-


 


los lhes ajudavam a preservar a própria integridade, pois a 


 


chuva e a umidade não se lhes penetravam a ponto de os ir 


 


dissolvendo gradativamente. 


 


Papai explicou-me como se fazia o adobe - e até hoje não quis 


 


ao dicionário para confirmar, estudar-a etimologia da palavra 


 


adobe - pois o "velho" entende bem que duro com duro não faz 


 


bom muro e já deu seus murros e fez seus muros na vida. 


 


No meu caminho para o grupo escolar passava pelo menos por 


 


meia dúzia deles, ou de seções que vinham resistindo ao 


 


desbravamento desse brave new world - que teimosamente, ia 


 


chegando à minha pequena Velha Serrana, já não mais tão 


 


serena. 


 


Como o grupo em que estudei era um sobrado colonial 


 


majestoso, ainda existente, a que teria sido a casa de uma 


 


famosa potentada do lugar, uma Dona Maria Tangará, os muros 


 


que o cercavam ainda formavam parte daquele harmonioso 


 


conjunto. E bem altos adicionavam imponência ao então 


 


estabelecimento de ensino, Grupo Escolar Professor José 


 


Valadares. Pena é que a meninada de outros grupos vendo 


 


nossas iniciais bordadas nas camisas J. V. não perdoava: éramos 


 


todos josé viado. E como se odiava aquele antigo e desprevenido 


 


professor! 


 


Mas a garotada, independentemente do grupo a que pertencia, 


 


agitava e agia. Com pedaços de giz apropriados na surdina, ou 


 


mesmo com pedaços de carvão, de caco de telhas não deixavam 


 


os muros em paz, grafiteiros assaz e contumazes que já se 


 


mostravam os mais salientes. E a palavra preferida, 


 


monossilábica, começava por c e terminava por u. E lascavam 


 


um acento grave nesse u, apesar da reforma ortográfica e das 


 


admoestações das mestras. 


 


Quiçá, por algum temor reverencial de um pretérito muito 


 


menos que perfeito, poupavam, geralmente os muros de adobe 


 


dessa infame inscrição. Mas não os salvaram não.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 130 vezesFale com o autor