Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
37 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56726 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10005)
Crônicas (22134)
Discursos (3130)
Ensaios - (8936)
Erótico (13378)
Frases (43204)
Humor (18336)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2597)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137949)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2386)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4725)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->A multiplicação dos pães -- 17/05/2016 - 11:21 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

osQue os bens existentes nesse mundo destinam-se ao sustento de todos ninguém discute, mas nem só de pão vive o homem.

Dizer que cabe ao governo assegurar acesso aos bens é uma aberração anticristã.


O arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Scherer, em artigo publicado no Estadão, no sábado, fez a seguinte afirmação:

“Outro princípio importante que deve orientar a vida social e política é a “destinação universal dos bens”. Os bens existentes neste mundo destinam-se ao sustento de todos, “com o critério da equidade, tendo por guia a justiça e por companheira a caridade (Gaudium et spes, 69).

Ninguém deve ser excluído, a priori, do uso dos bens e nenhuma pessoa deveria ser privada do necessário para viver dignamente. Assegurar o acesso aos bens indispensáveis à vida digna para todos é uma das atribuições mais relevantes da política e de quem governa".

Nessa visão distorcida é que consiste toda a penetração do marxismo na forma de pensar a economia na alta hierarquia eclesiástica, e é por onde ela mobiliza palavras de ordem para alinhar a igreja com o esquerdismo, no plano mundial. Que os bens existentes nesse mundo destinam-se ao sustento de todos ninguém discute, mas nem só de pão vive o homem, mas de uma série variada de bens tangíveis e intangíveis que precisam ser produzidos. Maná não cai mais do céu.

Na sociedade aberta ninguém é excluído do necessário para viver, desde que trabalhe e faça a sua parte. A ínfima minoria – aqui me refiro especialmente aos EUA – que não consegue, ou por doença ou outro tipo de infortúnio, é protegida pela caridade. Não há fome nesse tipo de sociedade. Dizer que cabe ao governo assegurar acesso aos bens é uma aberração anticristã. Cristo foi enfático ao dizer que seu reino não era desse mundo e não reconheceu como legítimo nenhum dos tribunais a que foi submetido. Cristo e o Estado, melhor dizendo, Cristo e Belzebu não podem conviver no mesmo espaço.

O arcebispo aqui oferece aos fiéis a mesma proposta que foi feita ao Cristo no deserto enquanto jejuava, oferecendo comida farta e fácil a eles. É tentação demoníaca querer fazer do Estado o neoprodutor de maná. É pilhéria satânica, é descaminho. Cabe a cada um prover-se a si mesmo e aos seus. A vida comunitária é desejável, mas restrita. A vida geral, para persistir, tem que cultivar o mercado. Antes da multiplicação dos pães os apóstolos queriam comprar de quem os tinha, mas aí o Cristo produziu o milagre. O mesmo acontece nos dias de hoje, mas o Cristo não está mais aqui.

Será que o arcebispo gosta de Coca-Cola e sanduíche do Mcdonald’s? Se ele fosse a uma das lojas veria o espetáculo da distribuição dos pães via mercado. E da bebida também. As duas gigantes distribuem seus produtos a preço de pechincha, alimentam e saciam a sede das multidões. As empresas só conseguem fazer isso porque procuram fazer o bem sem saber a quem, isto é, vendem seus produtos para quem os desejar, na quantidade que requerer.

Sem a livre iniciativa e a sociedade aberta, o livre processo de trocas e a propriedade privada, sem a responsabilidade de cada um por si mesmo, esse milagre da multiplicação dos pães via mercado não poderia acontecer e o padrão de vida geral cairia para níveis medievais. Foi isso que aconteceu em todas as sociedades comunistas modernas, que excluíram o mercado. Explicar isso de forma mais didática eu não consigo, mas duvido que um socialista convicto como o arcebispo queira ver além da sua doutrina torta.


www.nivaldocordeiro.net

 

Leia os textos de Félix Maier acessando:


1) Mídia Sem Máscara
http://www.midiasemmascara.org/colunistas/10217-felix-maier.html


2) Piracema II - Nadando contra a corrente
http://felixmaier1950.blogspot.com.br/

Conheça a história do terrorismo no Brasil acessando:
Wikipédia do Terrorismo no Brasil
http://wikiterrorismobrasil.blogspot.com.br/

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Uma seleção de artigos. Imperdível!
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=12991&cat=Ensaios  e
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=13208&cat=Ensaios&vinda=S



Acesse as últimas postagens de Félix Maier clicando em


1) Usina de Letras
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.php?user=FSFVIGHM


2) Facebook
https://www.facebook.com/felixmaier1950


3) Twitter
https://twitter.com/fmaier50

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 489Exibido 133 vezesFale com o autor