Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
35 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56734 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10005)
Crônicas (22134)
Discursos (3130)
Ensaios - (8936)
Erótico (13379)
Frases (43210)
Humor (18337)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2599)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137959)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2387)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4727)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->1964 - A sindicância nas Forças Armadas -- 02/04/2014 - 09:04 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

1964 – A sindicância das Forças Armadas e algumas verdades inconvenientes

Como faltam informações, então tomem letras garrafais: “Forças Armadas vão investigar torturas em centros militares” — e variantes disso. Mais ou menos. As Três Forças decidiram abrir sindicância para a eventual coleta de dados que confirmem práticas irregulares em sete dependências militares, a saber:

No Rio de Janeiro:
- Destacamento de Operações de Informações do I Exército (DOI/I Ex);
- 1ª Companhia de Polícia do Exército da Vila Militar;
- Base Naval da Ilha das Flores;
- Base Aérea do Galeão;

Em São Paulo:
- Destacamento de Operações de Informações do II Exército (DOI/II Ex);

No Recife:
- Destacamento de Operações de Informações do IV Exército (DOI/IV Ex);

Em Belo Horizonte:
-Quartel do 12º Regimento de Infantaria do Exército.

A decisão atende a um pedido feito pela Comissão Nacional da Verdade, aquele grupo interessado em destacar os aspectos moralmente superiores e martirizados de um dos lados e os moralmente inferiores e perversos do outro. É aquela comissão que transforma um Marighella em herói e que, se pudesse, mandaria para a cadeia o sargento da esquina. Que se chamasse “Comissão Nacional da Revisão da História”, vá lá. Não seria mentirosa ao menos no nome.

Só para registro: já houve outras comissões e sindicâncias antes. Como não chegaram a resposta pretendida, vai-se tentar mais uma vez. É o esforço permanente para que o mundo dos mortos possa dar uma forcinha ao mundo dos muito vivos.

Gente como Franklin Martins ou Carlos Eugênio da Paz, por exemplo, não precisam explicar nada. Basta correr para o abraço. Não adianta a grita. Não mudo de ideia, não! Se é para contar a verdade, então que se conte a… verdade!

Li em algum lugar que punir os torturadores, mas não o terroristas, faz sentido porque estes já triam sido processados e punidos pelo regime. Uma ova! Peguemos o mais influente deles hoje em dia: Franklin Martins. Ele ficou preso, sim, por menos de três meses em 1968, mas quem disse que respondeu pelos crimes que praticou — sequestro inclusive? Não respondeu, não! E nem defendo que seja submetido agora a processo. Por isso houve a Lei da Anistia: para ele, para outros como ele, mas também para o “outro lado”.

“Ah, mas quem disse que são faces opostas de uma mesma narrativa?” São, sim! É Franklin que não me deixa mentir. É ele quem confessa que teria, sim, executado o embaixador sequestrado. Alguns dirão: “A questão é política, não pessoal!” Sem dúvida! Ele estava certo de que aquilo era parte da revolução. E os torturadores estavam certos de que estavam a combater o comunismo. Quem é mais moral? Ninguém. São amoralidades opostos e complementares.

De resto, admita-se: a esquerda sempre foi muito mais eficiente como máquina de matar. Todo o aparato repressivo no Brasil fez 424 cadáveres. Meia-dúzia de terroristas armados mataram, no mínimo, 120 pessoas — muitas delas nem estavam na luta política ou só cumpriam ordens.

Por Reinaldo Azevedo

 

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

 

Uma seleção de artigos. Imperdível!

 

http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=12991&cat=Ensaios

 

 

Faça download do livro de Tuma Jr., ASSASSINATO DE REPUTAÇÕES - UM CRIME DE ESTADO, clicando em

http://liciomaciel.wordpress.com/2014/01/15/tuma-jr-livro-download

A transcrição do livro de Tuminha pode ser vista em http://pt.slideshare.net/CelsoDaviRodrigues/livro-assassinato-de-reputaoes-tuma-junior

 

Leia os textos de Félix Maier acessando:

1) Mídia Sem Máscara

http://www.midiasemmascara.org/colunistas/10217-felix-maier.html

2) Piracema - Nadando contra a corrente (textos mais antigos)

http://felixmaier.blogspot.com/

 

3) Piracema II – Nadando contra a corrente (textos mais recentes)

 

http://felixmaier1950.blogspot.com/

 

 

Leia as últimas postagens de Félix Maier em Usina de Letras clicando em

http://www.usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.php?user=FSFVIGHM

 

 

Para conhecer a história do terrorismo no Brasil, acesse:

http://wikiterrorismobrasil.blogspot.com.br/

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 489Exibido 102 vezesFale com o autor