Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
36 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56716 )
Cartas ( 21159)
Contos (12581)
Cordel (10002)
Crônicas (22134)
Discursos (3130)
Ensaios - (8934)
Erótico (13377)
Frases (43184)
Humor (18330)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2592)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137942)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2386)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4715)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->Reverendo Moon, o messias da desgraça -- 05/09/2012 - 15:36 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Messias da desgraça: Como o líder dos moonies passou de simples camponês para um bilionário liderando uma seita que fez lavagem cerebral em milhões… até que o jornal Daily Mail o desmascarou como fraude

Tom Rawstorne
Já estão em andamento os preparativos para o funeral de Sun Myung Moon, o líder dos moonies que se autoproclamava “messias”.
Na sede da igreja, cercada de montanhas, em Gapyeong, a leste de Seoul, trabalhadores estão ocupados fazendo uma estrada de duas pistas de quase um quilometro.
Enquanto isso, dentro de um enorme ginásio de esportes, obras estão em andamento para a construção de um altar especial em que os visitantes poderão rezar e se lembrar do líder da Igreja da Unificação, que morreu aos 92 anos.
O falecido Reverendo Sun-Myung Moon acumulou uma fortuna de bilhões de dólares desde que fundou sua polêmica Igreja da Unificação em 1954
Assessores se gabam de que dezenas de milhares de membros da igreja viajarão para a Coreia do Sul para o funeral em 11 dias. “Convidamos o maior número de convidados do Japão, cerca de 30.000 pessoas”, disse um deles.
Quantos realmente estarão presentes é uma estória totalmente diferente, pois embora a igreja alegue ter no mundo inteiro cerca de três milhões de pessoas, a verdade é que sua popularidade chegou ao ponto máximo na década de 1980. Hoje, especialistas estimam que os números minguaram para apenas 100.000.
É claro que, qualquer que seja o número, o fato é que quaisquer lágrimas derramadas em memória de Moon serão apenas uma gota em comparação com o rio de sofrimento e desgraça que sua seita pervertida infligiu.
Ele estabeleceu sua igreja — formalmente conhecida como a Federação da Família para a Paz e Unificação Mundial — em 1954.
Embora tivesse ficado famoso por celebrar casamentos em massa em que milhares de estranhos vestidos com roupas idênticas se casavam uns com os outros em cerimônias realizadas em estádios enormes, o que serve de memória para Moon são suas atividades nas décadas de 1960 e 1970.
Então, à medida que sua rede de missionários se espalhou pelo mundo inteiro, começaram a surgir relatos de rapazes e moças facilmente influenciáveis virando alvos.
Recebendo lavagem cerebral com técnicas como privação do sono e “bombardeios de amor” — adulando e bajulando potenciais novos recrutas — eles seriam separados de suas famílias e escondidos em lugares secretos.
Aí, eles começariam a fazer o trabalho da igreja, vendendo quadros ou flores de porta em porta para levantar dinheiro para os líderes.
Parentes cujos amados haviam sido seduzidos a se tornarem membros da seita falaram de como sua perda foi tão súbita e completa como se o parente tivesse morrido.
A Inglaterra conseguiu escapar das piores consequências do império de Moon em grande parte graças à campanha jornalística do Daily Mail.
Em 1978, este jornal publicou uma matéria devastadora desmascarando as atividades dos moonies sob a manchete “A igreja que separa as famílias”. A igreja processou, mas a audiência resultante do Supremo Tribunal durou 100 dias e finalmente terminou em vitória para o Daily Mail.
60.000 membros da Igreja da Unificação do mundo inteiro participam de uma cerimônia de casamento em massa de Moon no Estádio Olímpico Chamsil em Seoul em 2000
Quase metade dos membros na Inglaterra fugiu para os Estados Unidos, onde a igreja passou a construir uma considerável base de poder — e continuou enchendo os bolsos de Moon.
Além de possuir propriedades luxuosas nos EUA, Moon fundou o jornal Washington Times e se tornou dono de empresas no mundo inteiro que incluíam um resort de ski, um curso de golfe, vários hotéis e uma companhia de balé.
Não é surpresa alguma que os críticos continuem a questionar os motivos dele. “Ele (Deus) vive em mim e eu sou a encarnação dEle”, disse ele certa vez. “O mundo todo está na minha mão”.
Para um menino que nasceu numa família de camponeses coreanos na província de Pyongan, no que hoje é a Coreia do Norte, é uma declaração muito forte. Mas quando tinha 16 anos, Moon afirmou que Jesus havia aparecido para ele e lhe pedido que estabelecesse o reino de Deus na Terra.
Tendo sobrevivido à Guerra da Coreia, em 1954 ele estabeleceu sua igreja, pregando novas interpretações de lições da Bíblia e produzindo seu próprio manifesto. Nele, ele argumentou que tivesse Jesus vivido, ele teria se casado com a esposa ideal e gerado a perfeita família “pura”. Moon jurou que ele mesmo completaria a missão.
Ele rapidamente atraiu seguidores jovens com seu sistema de valores orientado para a família e liderou seu primeiro casamento em massa em Seoul no início da década de 1960.
As “cerimônias de bênção” cresceram em escala durante as duas décadas seguintes, envolvendo no final milhares de casais de uma vez. “As pessoas tinham de casar ultrapassando fronteiras nacionais e culturais de países que elas consideravam seus inimigos, de modo que o mundo de paz chegasse mais rapidamente”, Moon disse numa autobiografia em 2009.
Reverendo Moon e sua esposa abençoam as noivas e os noivos numa cerimônia de casamento em massa em Seoul
Aqueles que ele casava muitas vezes nunca tinham visto um ao outro antes, com Moon unindo indivíduos a partir de fotos. Língua e cultura eram consideradas irrelevantes — um fato que a união de um arcebispo católico africano de 71 anos e uma acupunturista coreana de 43 anos deu testemunho em 2001.
Mas foi a propagação agressiva da seita, primeiro nos EUA, para onde Moon se mudou em 1971, e então na Europa que acabaria envolvendo-a na maior polêmica.
Bispo Manoel Ferreira, da Assembleia de Deus de Madureira, na Coreia do Sul abençoando casamento em massa do Rev. Moon
Rapazes e moças eram persuadidos a aceitar Moon e sua esposa como seus “verdadeiros pais”, e entregar suas posses terrenas à igreja. Eles então rejeitariam seus pais biológicos, recusando todo contato. Para algumas famílias, a única esperança de localizar os filhos “capturados” pelos moonies era estudando as fotos dos casamentos em massa.
Qualquer um que desafiasse o que a igreja fazia acabava sofrendo ações legais de uma organização que estava preparada para processar para proteger sua reputação.
Foi em meio a essas ameaças que em 1978 o Daily Mail publicou uma investigação sobre as atividades dos moonies. A investigação foi feita pelo jornalista Brian Park.
A reportagem revelou que a seita captava potenciais jovens convertidos facilmente influenciáveis, fazia lavagem cerebral neles e então os tirava de suas famílias, impedindo-os de fazer contato e escondendo-os em lugares secretos.
Sir David English, então editor do jornal, havia aprovado a investigação depois de testemunhar pessoalmente a força da seita. Embora estivesse trabalhando nos EUA, o filho de um vizinho havia sido atraído à órbita da seita, cortando todo contato com sua família desolada.
Mais tarde, ele viu uma família britânica passar pela mesma experiência, e se comprometeu a agir depois de receber cartas de leitores implorando que o Daily Mail os ajudasse e ter seus filhos de volta. Assim começou a matéria “A igreja que separa as famílias” do Daily Mail desmascarando a seita.
Desde o início, nossos advogados sabiam que os moonies quase que certamente entrariam com processo de difamação, afirmando que seus seguidores entraram na seita voluntariamente.
Apesar do risco de pagar milhões em despesas legais, a decisão foi publicar. O caso que resultou durou mais do que qualquer outro caso legal por difamação na Inglaterra: mais de 100 dias. O resultado foi triunfo para o Daily Mail.
Em 1 de abril de 1981, o júri deu o veredicto que inocentou o jornal. No ano seguinte, o Tribunal de Apelação sustentou a decisão.
“Os moonies são uma seita maligna”, dizia um líder num artigo no jornal no dia seguinte. “Eles trazem sofrimento para as famílias. Eles alienam filhos de seus pais. Eles fazem lavagem cerebral em rapazes e moças que estão na fase mais vulnerável e influenciável de suas vidas…”
Embora a vitória sufocasse as atividades da seita na Inglaterra, estava longe de ser o fim para Moon. Durante os anos, suas atividades se tornariam cada vez mais comerciais.
Embora tivesse desenvolvido um bom relacionamento com líderes conservadores americanos, inclusive o presidente Nixon, ao qual ele defendeu no escândalo Watergate, ele cumpriu 13 meses de prisão numa penitenciária federal dos EUA entre 1984 e 1985 por evasão de impostos.
Ele também fomentou boas relações com Kim Il Sung, o falecido ditador da Coreia do Norte, em Pyongyang. Depois da morte de Kim em 1994, Moon afirmou que em seu leito de morte o ditador o havia escolhido como o único homem com capacidade de reunificar as duas Coreias.
À medida que foi envelhecendo, Moon discretamente entregou o controle diário de seu império religioso e empresarial de vários bilhões de dólares a seus filhos, dos quais há pelo menos dez.
Sem dúvida, eles estarão entre os enlutados que farão a viagem na nova estrada de Gapyeong para prestar homenagem a seu pai.
Desde que sucumbiu à pneumonia, o corpo dele está deitado com grande pompa numa estrutura de mármore branco numa colina com vista direta para o complexo de prédios de sua seita.
Ao redor do corpo, dizem as autoridades, colocaram em ordem muitos dos presentes que ele recebeu em sua vida, para lembrar o fato, diriam seus críticos, de que Moon era mais materialista do que era um messias.


As tolices de Manoel Ferreira com um anticristo

Para seguir Julio Severo no Facebook e Twitter:

http://twitter.com/juliosevero

Facebook (perfil II): http://www.facebook.com/profile.php?id=100003992149042

 

 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui