Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
40 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56742 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10007)
Crônicas (22136)
Discursos (3131)
Ensaios - (8937)
Erótico (13379)
Frases (43219)
Humor (18341)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2602)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137961)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2388)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4729)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->Tensão Pré-Mensalão: Ainda já juízes em Brasília? -- 07/08/2012 - 16:55 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

 
 

AINDA HÁ JUÍZES EM BRASÍLIA?

 

Com este título, sem interrogação, recebi comentário de um leitor furibundo porque chamei o julgamento em curso no STF de circo. O sujeitinho que se assina como Doutor (fulano),de quem nunca ouvi falar, demonstrou total desconhecimento da História quando colocou esta frase na República de Weimar como um episódio envolvendo os nazistas e algum eventual Juiz.

Na realidade o episódio teria ocorrido no século XVIII  entre Frederico II, “o Grande”, rei da Prússia, e um moleiro que se recusava a ceder seu moinho para o Rei construir um Castelo e ganhou na Justiça. Passou para a história como um símbolo da independência possível e desejável da Justiça.

Mas, tomemos em consideração a ficção inventada pelo tal Doutor e imaginemos tal episódio na Berlim dos anos 30.

1. Se Hitler estava no poder, já não havia Weimar. Esta faleceu na fatídica manhã do dia 30 de janeiro de 1933, embora o atestado de óbito tenha sido assinado em 2 de agosto do ano seguinte, quando assumiu formalmente o título de Führer com a morte do Presidente Hindenburg. Ora, antes de assumir, Hitler não tinha nenhum poder, depois é dubitável que algum Juiz, por mais corajoso que fosse, ousasse enfrentá-lo e, se algum o fez, não sobreviveu para contar a história.

2. A cena ridícula e estúpida como a ocorrida no primeiro embate entre dois gladiadores, o Gigante Núbio X o Leão Eslavo, jamais teriam ocorrido em Weimar ou em qualquer Corte que respeite a si mesma – caso houvesse em público, na Suprema Corte americana, acabava o País! – mas aqui alguns até a tomam a sério! My God, suprema palhaçada para iniciar os Ludi!

3. A situação do Brasil não pode ser comparada com a de Weimar, alguns aspectos do nosso judiciário são muito piores do que lá. Vejamos:

a. O Poder Judiciário em Weimar, recém saído do jugo Imperial, jamais foi acusado, como aqui de “bandidos embaixo das togas”, isto pela Juíza Corregedora, ninguém menos, raro exemplo de integridade neste poder, conhecido por muitos, há muito tempo, como o mais corrupto do País, o “câncer da Nação”. Sentenças nada têm a ver com a Lei e a Justiça, mas antes com o valor econômico que as partes estão dispostas a pagar.

b. Além da histórica corrupção o condomínio de gangsteres tucano-petistas que tomou conta do País em 1994 já vinha trabalhando todos os setores do País, baseando-se em Gramsci e na Escola de Frankfurt há mais de 30 anos preparando a Gleichshaltung que Hitler só começou a promover após tomar o poder. Em nosso infausto País tucanos e petistas tiveram rara oportunidade de criar o “direito alternativo” que ora nos rege e nomear todos os “mini-stros” (mini, mesmo!) do STF e das demais “côrtes”.

c. Se a Corregedora tiver razão estamos assistindo a bandidos julgando bandidos, um julgamento digno do filme M de Fritz Lang, como já denunciei há quase sete anos em Julgamentos de Düsseldorf, que vou republicar porque não perdeu a atualidade.

Concluindo: não passa mesmo de um grande circo, onde os votos já estão previamente definidos e, obviamente, muito bem pagos! Procurem na Suíça, nas Caymans, em Liechtenstein, ou outros paraísos fiscais! Procurai e achareis!!!

 

Mensalão no STF: Faltam Lula, Lulinha e o BMG

Imagens de O Chefe Lula

 

Provas do envolvimento de Lula, Lulinha e o BMG no Mensalão:

 

O Chefe, de Ivo Patarra

Planalto fez gestão para poupar Lulinha

Lula, o BMG e o tenebroso decreto de sexta-feira, 13

Advogado de Jefferson diz que Lula era o chefe do mensalão

Procurador gaúcho responsabiliza Lula por mensalão

Nervos demais, Lula de menos no mensalão

MPF acusa Lula de improbidade por favorecer BMG

Ministério Público Federal entra com ação contra Lula

Lula e ex-ministro são acusados de favorecer Banco BMG

MPF/DF PEDE CONDENAÇÃO DO EX-PRESIDENTE LULA

 

Tags

América Latina Argentina Bolívia Brasil Castro Che Guevara Chávez Colômbia Colômbia. Farc Cuba Dilma Rousseff Direito Estados Unidos Europa FARC FHC Farc Fidel Castro Folha de S. Paulo Foro de S. Paulo Foro de São Paulo Hitler Honduras Hugo Chávez Igreja Católica Islamismo Israel Jihad Lula MST Marx O Estado de São Paulo O Globo ONU Obama Oriente Médio Rede Globo Venezuela aborto ahmadinejad ambientalismo antissemitismo brasil capitalismo cinema ciência comunismo conservadorismo cristianismo cultura cultural denúncia desinformação direito ditadura doutrinação economia editorial educação eleições esquerdismo globalismo governo do PT história holocausto homeschooling ideologia islamismo liberalismo marxismo media watch movimento gay movimento revolucionário nazismo notícias falantes notícias faltantes oriente médio perseguição anticristã politicamente correto racismo religião revolução socialismo terrorismo tortura totalitarismo 2012

 

Leia os textos de Félix Maier acessando os blogs e sites abaixo:

PIRACEMA - Nadando contra a corrente

Mídia Sem Máscara

Usina de Letras

Wikipédia do Terrorismo no Brasil

 

 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 489Exibido 215 vezesFale com o autor