Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
34 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56726 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10005)
Crônicas (22134)
Discursos (3130)
Ensaios - (8936)
Erótico (13378)
Frases (43204)
Humor (18336)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2597)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137950)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2386)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4725)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->Pax islâmica -- 17/12/2010 - 08:00 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Pax islâmica

Heitor De Paola 15 Dezembro 2010

Artigos - Religião

http://www.midiasemmascara.org/artigos/religiao/11687-pax-islamica.html

Nunca haverá paz entre muçulmanos e infiéis, somente hudna, a trégua temporária até que os fiés se reagrupem e se rearmem.

Terminei meu artigo Por que a paz? mostrando que os ocidentais e alguns judeus `concedem de forma abjeta uma superioridade 'cultural' a estes povos incultos sob domínio instintivo e deixando-se julgar por eles, por seus padrões primitivos de pensamento e conduta e sentindo-se culpados por possuírem padrões mais elevados`.

Uma cena constrangedora diz muito: a Rainha Elizabeth, em visita a uma mesquita em Dubai tirou os sapatos e cobriu sua cabeça com um manto. Compare-se com a visita oficial de muçulmanos às igrejas dos países ocidentais: jamais retiram seus mantos e descobrem a cabeça em respeito à tradição cristã. Indo mais fundo: o Ocidente está cada vez mais coalhado de mesquitas, mas igrejas cristãs ou sinagogas não são permitidas nos países que seguem estritamente a shari`a (lei islâmica). Esta diferença de comportamento não pode ser vista somente de forma superficial, pois implica numa influência cultural pela qual o Islam conseguiu impor sua `superioridade` e submeter os ocidentais à crença na inferioridade de suas tradições e cultura.
Além da guerra declarada e do terrorismo, a hostilidade do Islam se manifesta desta forma sutil de deformação cultural dos inimigos, osdhimmi, secularmente vistos como seres inferiores que devem ser submetidos (islam) pela conversão ou pela força.

A visão islâmica divide o mundo em Dar AL-Islam, Casa da Submissão (Islam) - às leis corânicas e nas quais a religião pode ser praticada livremente. Dois requisitos são fundamentais: os fiéis devem gozar de paz - por isto também é chamada Dar AL-Salam (Casa da Paz) - e segurança em seus domínios e ter fronteiras comuns com outros países islâmicos - e Dar AL-Harb (Terra da Guerra) ou Dar AL-Garb, (Terra do Ocidente), onde a lei islâmica não é obrigatória, mas respeitada, junto com as demais religiões. Também é chamada Dar AL-Kufr (Casa ou Domínios dos infiéis), termo primeiramente usado por Maomé para se referir à comunidade Coraixita de Meca que não aceitou a conversão e o expulsou, até seu retorno triunfal de Medina e reconquista. Geralmente são territórios visados para dominação.

Na Dar Al-Islam está a Ummah, palavra árabe que significa comunidade ou nação, comumente usada no contexto islâmico para indicar a `comunidade dos crentes`: ummat al-mu`minin, todo o mundo muçulmano incluindo a diáspora. O Corão usa Ummah Wahida para se referir ao mundo islâmico unificado. A Sura 3:110 diz: `Vocês (os crentes) constituem a melhor nação criada para (o benefício do) o homem, vocês impõem o certo e proíbem o errado e acreditam em Allah e se os seguidores do Livro (Judeus e Cristãos) tivessem (também) acreditado teria sido melhor para eles entre eles (alguns) são crentes, mas a maioria são transgressores`. Estes são os Dhimmi (`protegidos`), as minorias não-islâmicas vivendo na Ummah submetidas à shari`a e pagando impostos elevados. Originalmente foi usado para os Povos do Livro conquistados. Um precedente clássico foi o acordo feito entre Maomé com os judeus de Khaybar, um oásis perto de Medina. Quando eles se renderam, depois de prolongado cerco, o Profeta permitiu que eles permanecessem desde que pagassem como tributo a metade de sua produção anual. A justificativa corânica está em 9:29:

`Combatam aqueles que não acreditam em Allah, nem no Dia do Juízo, nem proíbem o que Allah e seu Mensageiro proibiram, nem seguem a religião da verdade, mesmo que eles sejam Povos do Livro, até que eles paguem a Jizya (imposto por cabeça) em reconhecimento da superioridade (do Islam), e se submetam`.

Embora a palavra paz em árabe, salam, e hebraico, shalom, tenham raízes comuns, seus significados diferem profundamente: como a religião judaica não é proselitista Shalom é um conceito civil entre pessoas, comunidades ou países de várias crenças, tradições e conceitos morais. Salam, por sua vez, implica necessariamente uma situação exclusiva entre fiéis do Islam, não admitindo infiéis, pois estes existem para serem conquistados e convertidos. Nunca haverá paz entre muçulmanos e infiéis, somente hudna, a trégua temporária até que os fiés se reagrupem e se rearmem. Voltando ao artigo citado: `Esta é a única paz que, sentindo-se superiores, eles nos permitem: a paz da submissão e dos cemitérios. É por este caminho que o Islam vai conquistando a Europa e o Mundo`.

Artigo publicado no Jornal Visão Judaica, de Curitiba.


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 489Exibido 266 vezesFale com o autor