Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
33 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56704 )
Cartas ( 21159)
Contos (12581)
Cordel (10002)
Crônicas (22133)
Discursos (3130)
Ensaios - (8932)
Erótico (13376)
Frases (43175)
Humor (18330)
Infantil (3738)
Infanto Juvenil (2590)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137936)
Redação (2914)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2386)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4707)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->Os viciados argumentos pró-drogas -- 25/11/2009 - 08:55 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Os viciados argumentos pró-drogas

por Gerson Faria em 3 de novembro de 2009 Opinião - Cultura
http://www.midiaamais.com.br/cultura/1664-os-viciados-argumentos-pro-drogas

George Soros: bilionário é um dos pilares da elite internacionalista que pretende a liberalização das drogas

Adominação elitista das democracias contemporâneas surge do fato de que elites transnacionais e domésticas são capazes de bloquear a responsabilização por seus atos [accountability]. Elites transnacionais buscam influência sobre parlamentos, mídia e academia em conjunto com elementos domésticos, desejando libertar-se da responsabilização. Essas elites estão confortavelmente instaladas em capitais financeiros que se evadem dos controles dos estados-nação. Às vezes denominadas “o mundo superior” [overworld], tais elites, fora do controle de estados individuais, vêem-se como gerentes da economia global e influenciadoras de atitudes em âmbito mundial.

O trecho acima foi traduzido do livro Drug Politics, Dirty Money and Democracies, de David C. Jordan, 1999, pp 46 e 47. O autor dá uma explicação sucinta de um imenso esquema de poder, observado no mundo inteiro, que tem substituído os mecanismos de controle democráticos. O parágrafo abaixo, extraído do artigo de Rachel Ehrenfeld, ObamaCare’s Medical Marijuana, traz um exemplo de uma famosa organização desse tipo, em plena atividade há mais de uma década:

Até o início dos anos 1990, as vozes da legalização das drogas ainda não estavam sincronizadas. Isso mudou quando da primeira aventura de George Soros na política doméstica dos EUA, em 1992-1993. Soros declarou: “A guerra das drogas está causando mais danos à nossa sociedade do que o próprio abuso de drogas” e continuou protagonizando [na política de legalização das drogas], com seu talão de cheques, por meio de seu Open Society Institute (OSI), efetuando doações em torno de US$15 milhões para estabelecer e financiar várias organizações de legalização de drogas. A partir daí, ele e amigos de mesmo pensamento despejaram milhões em diferentes programas com vistas à legalização das drogas.

Fernando Henrique Cardoso, 78, que segundo a Wikipédia possui apenas seis livros publicados em cinco ou mais décadas de vida produtiva, ao menos dois deles autobiográficos e nenhum de teoria sociológica considerada séria, tem feito o papel de “elemento doméstico” da descrição acima.

Bolsista da Fundação Ford dos tempos de Cepal, hoje é ativista cuja ONG de onde é estrela é financiada pelo especulador bilionário George Soros. FHC tem repetido aqui a catilinária do financiador, o Open Society Institute, no afã de legalizar, inicialmente, a maconha. Reconhecido como intelectual, talvez seja lícito perguntar quantos livros escreveu sobre o assunto das drogas. Aparentemente nenhum. E quantos já leu? Pelo tom de propaganda do senso comum pró-liberação, não-teórico e ativista que vem apresentando, talvez alguns livretos do próprio OSI e assemelhados. Que fique claro: ele não está representando o desejo político do povo brasileiro, está representando o de George Soros e talvez o seu próprio.

E o que ele tem afirmado aqui e lá fora?

A guerra às drogas fracassou, ao menos da forma como tem sido travada até agora. (…) Milhares de pessoas perderam suas vidas em violência associada às drogas (…)

Essencialmente, o discurso de Soros de há quinze anos. Nem muito mais, nem muito menos. Sem números, sem argumentos. Como estão divididas essas `pessoas` não sabemos. “É o que o mundo está fazendo” é sua resposta padrão para calar a nós, tímidos pagadores de impostos e politicamente subdesenvolvidos. Fórmulas prontas, decadentes e escravizantes sendo propagandeadas por grupos ativistas bilionários e seus pseudo-intelectuais de aluguel, em busca de respaldo político e mercados consumidores de atitudes.

Embora aparentemente chamando a um debate público, as soluções já chegam prontas e seus defensores já pagos. Em nenhum momento a possibilidade de convocação de um plebiscito sobre a legalização das drogas é cogitado. Isso tem se tornado muito comum no processo de elitização crescente, na acepção descrita acima, pelo qual passa o Brasil. Vítima contumaz de policymakers em todas as áreas públicas, nossa capacidade decisória de povo soberano é solapada a olhos vistos.

Fernando Henrique e seu grupo defendem a legalização das drogas seguida de uma ampla campanha de conscientização dos males das mesmas, nessa ordem. Campanha de conscientização sobre os danos, uma vez que o estado está amparando o uso de drogas, isto é, “distribuindo de forma controlada visando à redução de danos”, tal como o governo Obama tem feito, é demagogia em seu estado de arte.

Nos EUA, a administração Obama já está dando os últimos passos para isso, como se pode observar pela licitação on-line, convocando:

(…) empresas de plantio em larga escala, com capacidade de preparar cigarros de maconha e produtos relacionados, distribuir maconha, cigarros de maconha e canabinóides” não somente para pesquisa, mas também para “outros usos governamentais”(…)

Já a empresa MedicalMarijuana Inc. que oferece soluções para os governos e distribuidores, afirma:

(…) os pedidos de maconha medicinal estão crescendo aceleradamente. Proprietários de dispensadores [os distribuidores] relataram um aumento significativo de pedidos desde a posse de Obama. O número de dependentes procurando maconha medicinal para aliviar seus sintomas teve um pico em 2009, afirmaram os proprietários dos estabelecimentos em alguns dos 13 estados onde o uso é legal. Requisições aumentaram de 50 a 300%, afirmam, desde a posse de Obama (…)

Big business, big government.

Eletroeletrônicos, DVDs, calçados, automóveis etc são todos produtos de comércio legal; nem por isso o contrabando deixou de existir e as máfias pararam de atuar, antes o contrário. A questão parece ser de outra natureza: quem irá ser o parceiro nos riscos de um mercado cada vez maior, o de entorpecentes? Veremos isso nas partes seguintes desse artigo.


Obs.: Infelizmente, até FHCannabis embarcou nessa onda de apoio à descriminalização das drogas. Será que, ultimamente, FHCannabis anda tragando? (F. Maier)



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui