Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
37 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56725 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10005)
Crônicas (22134)
Discursos (3130)
Ensaios - (8936)
Erótico (13378)
Frases (43203)
Humor (18336)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2597)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137949)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2386)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4724)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->O orvalho vem caindo -- 06/11/2007 - 11:24 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O orvalho vem caindo

Por Olavo de Carvalho

http://www.dcomercio.com.br/noticias_online/931434.htm

Behrouz Mahri/AFP Presidente iraniano Ahmadinejad (à dir. e abaixo) e chanceler russo Mottaki: um ataque americano ao Irã será considerado um ataque à Rússia.


Segundo o Asia Times do dia 26, 'o ponto alto da visita do presidente russo Vladimir Putin a Teerã na semana passada foi o encontro com o supremo líder iraniano, aiatolá Ali Khamenei. Uma alta fonte diplomática em Teerã informou que no essencial Putin e Khamenei concordaram num plano destinado a esvaziar o incansável impulso da administração George Bush para um ataque preventivo, talvez mesmo tático-nuclear, contra o Irã. Um ataque ao Irã será visto por Moscou como um ataque à Rússia'.
Provavelmente o jornal tem razão. A ligação da Rússia com os radicais islâmicos é muito mais antiga e sólida do que a amizade fingida com os americanos. No mínimo, as principais lideranças revolucionárias muçulmanas não nasceram de nenhum espontaneísmo 'fundamentalista', mas de um longo esforço de preparação conduzido pela KGB através dos serviços de inteligência dos países satélites da União Soviética.

A KGB, hoje FSB, que desde o tempo de Lênin já mudou de nome uma dúzia de vezes mas jamais parou de crescer, é a maior, mais rica e mais poderosa organização de qualquer tipo que já existiu no mundo, e está capacitada para criar e implementar planos de longo prazo que ultrapassam o horizonte de visão da maioria dos analistas ocidentais, pelo menos os que escrevem na grande mídia. Estes tendem a explicar tudo em função de causas histórico-sociais anônimas, ignorando muitas vezes a ação de grupos e indivíduos de carne e osso por trás de tudo. A profusão desses diagnósticos pseudo-eruditos no que diz respeito ao terrorismo islâmico tem obscurecido por completo o único fator agente que tem importância efetiva: os planos de longo prazo da KGB para atacar os EUA com mão islâmica e ao mesmo tempo destruir a odiada 'civilização ocidental' através de uma guerra cultural empreendida habilissimamente, na qual o próprio horror causado pelas iniciativas bárbaras dos terroristas islâmicos treinados pela KGB é usado como pretexto para um ataque brutal às tradições religiosas em geral, sobretudo aquelas mesmas que são as maiores vítimas da violência 'islâmica', isto é, o cristianismo e o judaísmo.

Entre os maiores ex-oficiais de inteligência soviéticos que desertaram para o Ocidente, é unânime a afirmação de que todo o radicalismo islâmico nada tem de islâmico e é, de alto a baixo, uma criação da KGB. Um desses oficiais, Ion Mihai Pacepa (Red Horizons. Chronicles of a Communist Spy Chief, Washington, Regnery, 1987), relata ter sido um dos orientadores de Yasser Arafat, formado pela KGB para servir de testa-de-ferro num ataque indireto a Israel e EUA. O general Jan Sejna, membro do Comitê Central do Partido Comunista da Tchecoslováquia, testemunhou a articulação de terrorismo e narcotráfico que, preparada pelos soviéticos desde os anos 50, veio a criar todo o cenário de caos e terror em que o mundo vive hoje (v. seu depoimento em Joseph D. Douglas, Red Cocaine. The Drugging of America and the West, London, Harle, 2nd. ed., 1999). Anatoliy Golitsyn, ex-chefe da contra-espionagem antiamericana da KGB, antecipou, com base em informações de primeira mão, todos os passos estratégicos da Rússia nas últimas duas décadas, acertando, segundo aferições recentes, em 96 por cento de suas previsões, que incluíam o desmantelamento aparente do Estado soviético e ao mesmo tempo a expansão ilimitada das ações da KGB no mundo através do terrorismo islâmico, do narcotráfico, da ocupação de espaços nos organismos internacionais e da penetração maciça na mídia européia de modo a torná-la um poderoso instrumento para campanhas antiamericanas (v. New Lies for Old, New York, Dodd, Mead & Co, 1980). Suas análises são convergentes com algumas de Ladislav Bittman, ex-chefe do Departamento de Desinformação do serviço de inteligência tcheco (com missões inclusive no Brasil, onde foi um dos criadores da lenda da participação americana no planejamento do golpe de 1964: v. The KGB and Soviet Disinformation, Washington, Pergamon-Brassey`s, 1985), e também são coerentes com os fatos colhidos por Vassili Mitrokhin, alto funcionário que durante dez anos copiou em segredo arquivos da KGB e depois os transportou ao Ocidente, onde foram divulgados com a ajuda do historiador britânico Christopher Andrew em dois livros monumentais (The Sword and the Shield. The Mitrokhin Archive and the Secret History of the KGB, New York, Basic Books, 1999, e sobretudo The World Was Going Our Way. The KGB and the Battle for the Third World, id., ibid., 2005). No mesmo sentido vêm os depoimentos e análises do coronel Stanislav Lunev, ex-membro do Diretório de Inteligência do Estado-Maior russo: 'Não tenho dúvidas de que a Rússia esteve por trás de muitos desses grupos terroristas, financiando-os e equipando-os' (v. Through the Eyes of the Enemy: The Autobiography of Stanislav Lunev, Washington, Regnery, 1998). Que a Rússia, em tudo isso, opera em estreita colaboração com a China, é algo de que não se pode duvidar desde as análises do prof. Alexandr Nemets, ex-membro da Academia de Ciências da URSS (v. 'Chinese-Russian Alliance', http://archive.newsmax.com/archives/articles/2003/9/23/171350.shtml) e sobretudo desde o projeto russo de uma nova estrutura de poder militar mundial a ter como centro de comando a Organização de Cooperação de Shangai, que reúne Rússia, China, Cazaquistão, Quirziguistão, Tajiquistão e Uzbequistão (v. http://www.olavodecarvalho.org/semana/060130dc.htm). Outro refugiado russo, o filósofo Lev Navrozov, decerto uma das mentes mais brilhantes do universo, vem advertindo repetidamente quanto à acumulação chinesa de armas nanotecnológicas, instrumentos por excelência da guerra pós-nuclear, capazes de destruir em poucas horas as principais cidades americanas sem qualquer estado de guerra explícito (v. The Education of Lev Navrozov, New York, Harper`s, 1975, assim como a infinidade de artigos publicados em http://www.newsmax.com/pundits/Navrozov.shtml e em www.levnavrozov.com). Mas talvez o documento mais eloqüente de todos seja o livro em que dois oficiais chineses, com antecedência de dois anos, traçam planos meticulosos para a destruição do World Trade Center por meio do choque de dois aviões e ainda sugerem, como executor preferencial do plano, o nome de Osama Bin Laden (v. Qiao Liang and Wang Xiangsui, Unrestricted Warfare, Beijing, PLA Literature and Arts Publishing House, 1999).

É absolutamente impossível que os tagarelas pomposos da mídia ocidental, com suas especulações sobre 'fanatismo religioso', 'populismo' e outras desconversas, entendam melhor o fenômeno do terrorismo internacional do que essas testemunhas diretas que o viram nascer na própria fonte.

Infelizmente, no Brasil, como já tenho assinalado repetidas vezes, a mídia popular tornou-se a fornecedora predominante ou única de informações para as classes cultas, ditas 'dominantes', que outrora tinham pelo menos a sabedoria de rir da opinião dos jornais (com exceção talvez dos consistentes editoriais do velho Estadão, que tinha a seu serviço estudiosos do porte de um Nicolas Boer) e buscar alimento em fontes mais sérias. Graças a esse fenômeno deprimente, a simples sugestão de que os bons e velhos comunistas soviéticos e chineses estão por trás do terrorismo islâmico soará naturalmente como pura fantasia direitista, talvez até 'macartista'. Na mente nacional, mesmo 'de direita', chavões esquerdistas idiotas, incorporados à linguagem usual da mídia, são mais convincentes do que qualquer quantidade de conhecimentos e provas. Comparando a total ignorância aí vigente com a pletora de material bibliográfico existente nos EUA sobre o assunto deste artigo, torna-se claro que o Brasil, de uma vez por todas, desistiu de entender o mundo real e consentiu em deixar-se guiar por um grupo de revolucionários cegos e loucos, nos quais confia como se fossem enviados do Senhor ou no mínimo idealistas inofensivos.

O fato é que Putin, ao visitar a Inglaterra em 2000, advertiu que o Ocidente dificilmente escaparia de uma guerra com o Islã. Só não informou de que lado a Rússia estaria nesta guerra. Todo mundo, então, entendeu suas palavras como se viessem da boca de um aliado dos EUA. Mas o sentido invertido da declaração torna-se retroativamente patente quando lembramos que, na mesma entrevista, o ditador então em germe associou a tragédia do 11 de setembro aos atentados chechenos em Moscou, como se dissesse: 'O terrorismo ameaça a todos nós.' Hoje sabemos, acima de qualquer possibilidade de dúvida, que os atentados em Moscou foram uma operação da própria KGB, destinada a aumentar formidavelmente o poder do governo central russo, que enquanto isso fornecia todo tipo de armas aos terroristas islâmicos contra os quais ele mesmo advertia. Com uma mesma frase, Putin diz uma coisa para a platéia, outra para os iniciados. É típico da linguagem comunista.

Para quem estuda o assunto, não há mais como duvidar de que o terrorismo internacional, com seu irmão siamês, o narcotráfico, não é senão a realização tardia da opção feita em 1967 pela KGB, quando um dos seus comandantes, o general Aleksandr Sakharovski, definiu o novo rumo a ser seguido pelo comunismo internacional: 'No mundo de hoje, quando as armas nucleares tornaram obsoleta a força militar, a nossa principal arma deve ser o terrorismo.'

Se há indícios eloqüentes de que os EUA já estão preparando o bombardeio do Irã (v. http://www.newsmax.com/insidecover/bunker_buster_iran/2007/10/29/44803.html?s>al&promo_code>3C1B-1), há provas ainda mais abundantes e convincentes de que algo de muito maior e mais letal vem sendo preparado contra os EUA pela Rússia e pela China. Se os americanos continuam tratando essas duas ditaduras como se fossem suas aliadas confiáveis, isso só se explica pela tirada inesquecível do falecido Nikita Kruschev: 'Nós cuspimos na cara deles, e eles acham que é orvalho caindo'.


Revolução capitalista na Bruzundanga

Jamais duvidei da capacidade e idoneidade de Armínio Fraga, mas quando, com base em puros sinais da Bolsa de Valores, ele sai proclamando que “o Brasil vive uma revolução capitalista”, a palavra mais doce que me ocorre é: “Estupidez.” Não se avalia o curso das coisas num país só pela economia, muito menos por um de seus aspectos isolados. Como se pode falar de revolução capitalista quando um pool onipotente de partidos de esquerda já anuncia abertamente o ingresso próximo do país no socialismo, a propaganda comunista se tornou praticamente a única atividade cultural visível, as crianças são educadas desde a escola primária para odiar o capitalismo, a quase totalidade dos estudantes universitários sonha com um emprego público, as Farc já mandam e desmandam no nosso território, a atividade econômica privada se tornou uma concessão estatal altamente policiada, o socialismo light já é a forma extrema de conservadorismo admissível entre pessoas decentes e o único partido “de direita” que existe (aliás envergonhadíssimo desse rótulo) professa modelar-se pelo exemplo dos democratas americanos, tradicionalmente intervencionistas em economia, politicamente corretíssimos em educação, cultura e ecologia e há mais de trinta anos fanaticamente pró-comunistas em política externa?

É verdade que há pessoas e grupos ganhando dinheiro como nunca, mas isso só confirma o diagnóstico de Lênin sobre os burgueses: “Dêem-lhes uma gorjeta e eles nos entregarão alegremente o poder.” Quanto mais acreditam que seu enriquecimento prova a revolução capitalista, mais cegos se tornam diante do esquema socialista que vai dominando tudo à sua volta.

Já cheguei à conclusão de que neste país os economistas vivem num mundo paralelo, feito só de números, sem gente nem ação humana dentro, sem conspirações nem espionagem, sem grupos ativistas, sem revoluções nem guerras, sem movimentos de massa, sem mitos culturais, sem nada do que compõe a trama substantiva da História. E o pior é que o restante da nação, intoxicada de um espécie de marxismo capitalista, uma obsessão dinheirista como nunca se viu no mundo, os ouve como se fossem porta-vozes supremos do mundo dos fatos, primores de maturidade e realismo. O argumento final em todas as discussões é Nasdaq dixit.

O mais patético em tudo isso é que praticamente todas as grandes previsões políticas feitas na base dos índices econômicos, desde o início do século XX até agora, falharam miseravelmente.

Pelo critério bolsístico, a Rússia de Lênin, em 1920, estava em vias de tornar-se uma democracia capitalista. Pelo mesmo critério, o livre mercado estava morto e enterrado por volta de 1938: o triunfo do estatismo alemão era a última palavra no mundo da indústria. Em 1987, três anos antes do desmantelamento da URSS, o maior best seller nos meios empresariais era Ascensão e Queda das Grandes Potências, de Paul Kennedy, que, com base na comparação entre orçamentos nacionais e despesas militares, anunciava para a década seguinte a derrocada americana e o sucesso retumbante da economia soviética. Diante da queda da URSS, os tagarelas não se deram por achados: improvisaram explicações econômicas sapientíssimas e proclamaram que em poucos anos o movimento esquerdista no mundo seria coisa do passado. Uma década depois, a esquerda havia se tornado a única força política internacional significativa, e Jean-François Revel estava escrevendo La Grande Parade para explicar como isso podia ter acontecido contra todas as previsões bem-pensantes. No início da mesma década, os idiotas que haviam aplaudido o livro de Kennedy como o nec plus ultra da historiografia já estavam alardeando que uma injeção de investimentos capitalistas na China acabaria por dissolver o poder dos generais chineses. Os generais estão mais fortes e autoritários do que nunca.

Não, a economia não rege o curso dos fatos, ela nem é sequer o fator principal “em última instância”, como pretendia o charlataníssimo Karl Marx. A economia é apenas a condensação quantitativa e temporária de milhões de decisões humanas nascidas de fatores psicológicos, culturais, religiosos, militares e políticos. Nada é mais instável, mais sujeito a mudanças súbitas, do que a economia, enquanto os outros fatores se movem muito mais lentamente, com mais peso, sendo por isso mais determinantes. Prever o curso das coisas com base na economia é prever o movimento das camadas geológicas com base na direção do vento.

Previsões efetivas, realistas, nascem de um complexo raciocínio interdisciplinar, auxiliado por uma espécie de sexto sentido que se pode aprender, mas não ensinar. Digo isso com a autoridade de quem há duas décadas não erra uma. Mas digo-o também com a irritação de quem, há duas décadas, vê o erro crasso ser mais respeitado e aplaudido do que os acertos mais precisos, mais fundamentados, mais meticulosos.

As classes ditas superiores, neste país, já perderam há muito tempo aquele senso natural da verdade, que nasce - e morre - com o instinto de sobrevivência.



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 489Exibido 599 vezesFale com o autor