Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
34 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56704 )
Cartas ( 21159)
Contos (12581)
Cordel (10002)
Crônicas (22133)
Discursos (3130)
Ensaios - (8932)
Erótico (13376)
Frases (43175)
Humor (18330)
Infantil (3738)
Infanto Juvenil (2590)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137936)
Redação (2914)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2386)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4708)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->A fantasia do general -- 24/09/2007 - 17:21 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A fantasia de General

Por Carlos Alberto Cordella

Apenas há poucas semanas à frente do Ministério da Defesa e o novo titular da pasta já se apresenta como o mais novo sátiro do picaresco governo protagonizado pelo Sr Lula da Silva.

Encontrava-me completamente absorto, em retiro espiritual, num Monastério Tibetano, onde buscava me restabelecer do impacto constante e progressivo de escândalos e corrupções envolvendo autoridades e membros da administração pública, políticos e magistrados, quando sou retirado de minhas meditações transcendentais por meu Guru, o Mestre Precioso Jacornélio, o grande Lama.

Viajava pelo mundo da metafísica onde já havia percorrido todos os caminhos de alfa a zem, quando abruptamente sou abstraído desse estado de catatonia profunda para voltar à realidade.

Foi um vôo rápido e sem escalas, de fazer inveja aos aeroportos brasileiros.

Minha primeira lambança, digo lembrança, foi Calheiros e, não sei porque, comecei a cantarolar a marchinha carnavalesca, daqui não saio daqui ninguém me tira. O réquiem do rabo preso.

Minha segunda lembrança foram os mensaleiros e deparei-me com a decisão do STF de indiciá-los e, mais uma vez abstraído em meus devaneios malignos, me perguntei quantos anos levará para que alguém vá para a cadeia, até que tudo caia no esquecimento. O caso de Ali Babá Lula, digo dos mensaleiros, me lembra a fábula do Rei, o Judeu e o Burro. Qualquer dia destes contarei esta fábula.

Evidentemente, que não acredito nessa hipótese e acho que tudo não passou de mais um teatrinho armado dentro do picadeiro Brasília.

Já começava a ficar excitado por voltar a minha meditação quando vejo aquela figura grotesca usurpando a farda de General de Exército. Era o novo bobo da corte do Rei Robalo.

Naquele momento passou-me pela cabeça que aquilo não estava acontecendo que deveria ser algum baile à fantasia patrocinado pelo presidente e sua primeira dama, na Granja do Torto.

Não sei também explicar porque ao vir a minha mente a palavra Palácio, a liguei a palhaço e comecei a rir compulsivamente.

Pensei estar ainda em zem, mas fui chamado à realidade pela fanfarronice do Sr Ministro da Defesa ao vociferar durante a noite de autógrafos do livro sobre a 'dita dura', patrocinado pelo governo federal, expondo apenas o lado da história contado por terroristas, que se houvesse qualquer reação dos militares a resposta seria dada.

Senhor Ministro Jobim, não sou uma figura alcoviteira como Vossa Excrescência e muito menos participei de alterações do texto da Constituição na calada da noite ou, ainda, que tenha defendido mensaleiros associados.

Sabedor que o senhor um gaúcho de nascimento, mas não na alma, vou dedicar-lhe algumas palavras:

'Índio véio, tu não estais a tratar com mangalaços. Tua fala de metido a arrebentar os mondongos é cousa de bagual parido as avessas. Teus métodos pouco ortodoxos só servem para bailar com os pés trocados. Teu palavreado é xucro. Esse negócio de três colhões e aporreado metido a macho é como nadar de poncho. Em mulher e cavalo novo não se mete a espora. Te abanques no más e vamos levar um palheiro que teu negócio está mais pra romance de pelego. Um velho amigo, analista em Bagé te recomendaria uma barranqueada a céu aberto. Te digo mais, pra ser um bom milico leva tempo e é por toda vida, pra ser Ministro dois segundos. Tu estás Ministro, nós, ao contrário, somos milicos até morrer. E morremos por convicção, não pelo ego ou notoriedade. Pare de bater matraca e provocar surungo. Não te fresqueia tchê, que somos pacatos mas fomos criados guachos. Pare de bufar e berrar e vá chinear um pouco, que tu não passas de um lasqueado acostumado a dar comício pra ginete. Toma um mate! E não esqueça que é pelo toque da gaita que se aprende a dançar. Não te fresqueia índio véio, que tu estais mais pra boi do que pra touro. Oigalê !'

Senhor Ministro Jobim, nesta vida, já servi de agulha para muita linha ordinária e o Sr com certeza encabeçaria a lista com méritos.


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui