Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
39 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56725 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10005)
Crônicas (22134)
Discursos (3130)
Ensaios - (8936)
Erótico (13378)
Frases (43203)
Humor (18336)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2597)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137949)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2386)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4724)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->Marxismo: a burrice vermelha -- 23/04/2007 - 10:25 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Enviando artigo recebido , cujo conteúdo é irretorquível. O pior de tudo é que a burrice vermelha se transforma em cínica esperteza quando se trata da autolocupletação. Além disso, o culto ao materialismo marxista é substituído pela adoração burguesa ao capital, isto é, ao dinheiro. Salvo melhor juízo, a luta pelo poder dessa camarilha, nada mais é do que a busca do dinheiro.

Jagulha


***

MARXISMO - A BURRICE VERMELHA

Huascar Terra do Valle - Advogado e Escritor

Por incrível que pareça, existem, principalmente em universidades, milhares de intelectuais que se confessam marxistas. Ou seja, eles interpretam o mundo e a história sob a ótica de um demente paranóico com uma incrível capacidade de distorcer os fatos e apresentar as maiores bobagens, disfarçadas em profundas verdades.
Os postulados de Marx, apesar de exibirem o pomposo nome de 'materialismo histórico', são tão ingênuos e absurdos que só podem ser entendidos como um efeito da fé, ou seja, de uma religião secular, pois, quando alguém começa a crer, pára de pensar.

Por exemplo, a badalada 'luta de classes'. Marx afirma, solenemente que, por toda história, houve conflitos de classes, o que não passa de uma obviedade infantil. No entanto, desta premissa simplória ele conclui que os maiores males da humanidade advêm da 'luta' entre empresários e empregados e que o caminho para uma 'sociedade justa e solidária' seria os operários cortarem a garganta dos patrões e assumirem a direção das empresas. Ora, no século passado esta 'solução' foi tentada dezenas de vezes e nunca deu certo. Para que insistir?

O grande erro de Marx é que, historicamente, a luta de classes mais importante tem sido entre cobradores e pagadores de impostos. No Brasil, por exemplo, a quadrilha dominante surrupia quase metade do que produzem os cidadãos e o fruto desta roubalheira é principalmente distribuída entre as elites do poder, sob a forma de altos proventos, sem falar na corrupção que, aqui, atinge proporções ciclópicas. Suspeita-se do comércio de liminares e sentenças, até em tribunais superiores (quando os culpados são 'punidos' com aposentadorias milionárias).

Chamar de exploradores aos empresários é de uma burrice assustadora. São eles que criam riqueza, que é distribuída por toda a sociedade, inclusive por meio de salários pagos aos empregados. São eles também que pagam os impostos que sustentam o governo. Afirmar, como fazem os comunistas/marxistas, que o empregado se apropria da 'mais valia' de empregado é outra idiotice. É mais lógico supor que são os empregados que se beneficiam da criatividade e da coragem de assumir riscos dos empresários. Tanto assim que países, como a URSS, que tentaram acabar com os empresários, só conseguiram fazer com que os operários trabalhassem instituindo regimes de terror e campos de trabalhos forçados (gulags). No capitalismo, ao contrário, vigora o regime de recompensa, com melhores resultados e sem necessidade de exterminar milhões de cidadãos, como ocorreu nos países comunistas.

Outra sandice comunista é o uso da palavra 'imperialismo'. Os Estados Unidos venceram duas guerras mundiais e não se apropriaram de nem um metro quadrado de território, enquanto a URSS, após a II Guerra Mundial, anexou dezenas de países e os manteve subjugados a poder de fuzis e tanques, como Hungria, Checoslováquia e Alemanha Oriental. No entanto, comunas de todo o mundo referem-se aos Estados Unidos como país imperialista e esquecem-se da URSS, esta sim, a nação mais imperialista de todos os tempos, que chegou a atingir 21 milhões de quilômetros quadrados. Nota-se que os comunas vivem no mundo da lua e não cultivam o menor compromisso com a realidade e muito menos com a coerência. De fato, eles só desejam o poder, para usar e abusar.

Outra mega-burrice vermelha consiste em não tirar proveito das lições da História. A experiência comunista, em essência, a concentração de poderes em um grupo dirigente (exatamente o contrário da democracia) sempre colheu resultados pavorosos, como a criação de uma nova aristocracia privilegiada (Nomenklatura); o genocídio de milhões de pessoas inocentes; a instituição de regimes policiais que usam o terror como instrumento social e político; o espírito bélico que resulta sempre em guerras, com milhões do mortos e destruição de cidades inteiras; o fracasso econômico, chegando a causar mortes aos milhões, por fome. Na Coréia do Norte o governo chegou a estimular a população a comer capim (apesar de substancial ajuda financeira da China ex-comunista, hoje praticando o capitalismo selvagem e a pirataria econômica, além de verdadeiro regime de escravidão - operários trabalhando quinze horas por dia, sem domingos nem feriados).

Em Cuba ocorrem muitas mortes por inanição, pois as rações fornecidas pelo governo são ridículas. No entanto, é proibido aos médicos diagnosticar 'inanição', sob pena de irem parar nas quase mil penitenciárias existentes. Antes do comunismo, o ditador Fulgêncio Baptista mantinha apenas seis penitenciárias, sem as horrorosas merdácias de hoje, onde certos presos são punidos com banhos diários de excrementos humanos. Mesmo assim, comunistas disfarçados de petistas nutrem o sonho de transformar o Brasil em uma gigantesca Cuba. Um comunista fanático como Oscar Niemeyer declarou que 'o regime cubano é o que serve ao Brasil'. Como não podemos considerar burro o grande arquiteto, temos que admitir que sofre de demência parcial, quando se trata de assuntos políticos. O comunismo, uma verdadeira religião, baseada na fé, paralisa a razão, até mesmo de sumidades como Niemeyer.

A verdade é que comunistas sabem do fracasso do comunismo, no entanto eles sempre se imaginam fazendo parte da Nomenklatura privilegiada. Ninguém quer ser operário em países comunistas, onde, para começar, sindicatos são proibidos.

Em regimes coletivistas, como no comunismo, sempre existe a busca do comunista perfeito. No Camboja, Pol Pot , à procura do comunista perfeito (ignorante e obediente) exterminou cerca de um terço da população, em seus campos de reeducação política. Enquanto isso, fez uma gigantesca coleção de crânios. O caso do Camboja lembra a Inquisição, que também torturou e matou barbaramente milhões de supostos hereges ou bruxas, em busca do católico perfeito. Os expurgos de Stálin vitimaram cerca de 60 milhões de soviéticos. O holocausto nazista é outro exemplo de busca da purificação da raça. Todos os regimes coletivistas, de concentração do poder, sempre levam a um tipo qualquer de genocídio. Os comunas sabem disto, no entanto, desejam ardentemente o genocídio e a tortura, pois o comunismo é uma religião do mal, derivado do satanismo praticado por Marx e Engels, alunos do satanista Moses Hess.

Como declarou o pastor Wurmbrand, o comunismo não passa de uma fachada para o satanismo, onde o ideal não é o bem, mas o mal. Não à toa comunistas adoram badernas, 'justiçamentos', seqüestros, assaltos, guerrilhas, invasões, revoluções e guerras. Sempre pregam a violência como arma política. Em Belo Horizonte o prefeito comunista até erigiu um altar a Satan, com uma estátua do demo, em plena via pública, sugerindo a existência de algum pacto demoníaco.

Triste é constatar que, no Brasil, que tem um presidente comunista, que tem Cuba como modelo ideal, consideráveis avanços têm sido feitos no sentido da comunização do País, sem que a grande maioria da população, e também a mídia, percebam este desastre. O MST (terroristas rurais protegidos pelo Governo) é um bom exemplo. Como disse John Philpot Curran: 'O preço da liberdade é a eterna vigilância'.

Além de burros, os comuno-petistas-socialistas-social-democratas são também absolutamente cretinos. Para constatar basta ver a propaganda do PcdoB, do PPS, do PSOL, do PSD, et caterva. Com a maior cara-de-pau seduzem o eleitorado prometendo 'liberdade' e 'democracia', quando intenção deles é instaurar a tirania e o Estado policial-terrorista, conforme fizeram em todos os países. Ou alguém acredita que eles vão mudar? Hugo Chávez que o diga!




Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 489Exibido 617 vezesFale com o autor