Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
53 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56311 )
Cartas ( 21150)
Contos (12562)
Cordel (9931)
Crônicas (22048)
Discursos (3130)
Ensaios - (9090)
Erótico (13315)
Frases (42739)
Humor (18166)
Infantil (3686)
Infanto Juvenil (2482)
Letras de Música (5460)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137620)
Redação (2901)
Roteiro de Filme ou Novela (1050)
Teses / Monologos (2384)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4589)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Infantil-->Cintura fina -- 15/04/2019 - 05:04 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


A estória é bem antiga e tem até ilustração. E eu era bem menino para nela acreditar consoante ma leu, grave e judiciosa, a mana Vitória do alto de sua sapiência como aluna de Dona Gilda, de 1954 a 1957, nas Escolas Reunidas José Lima Guimarães, do povoado de São Gonçalo do Brumado.

O livro de leituras de então era o As mais belas histórias, volume da quarta série, compilado, se não lhes engano, por Lúcia Monteiro Casassanta. E embora nele predominassem as lendas, havia também alguma poesia, alguma ficção e um sentimento comum de que ao fim e ao cabo, o bem deveria prevalecer.

No caso da silhueta das formigas, a estória começa com uma formiga que ganha a vida na costura e que perde um tempo enorme na tentativa de convencer a filha a não usar suas pinças-tesoura em todo molde ou tela que lhe apareça à frente.

E diante da voracidade incontida da filhinha, a mãe não tem outra solução senão amarrá-lo por uma corda ao pé da mesa, para poder sair sem aquele embaraço certo. E amarra a filhotinha pela cintura.

E ao longo de sua solidão a jovenzinha se debate tanto, mas tanto, e tanto querendo fugir que quando a mãe retorna, espanta-se com o que vê: sua cinturinha se afinara de tal modo que não tinha mais retorno, e assim foi com todas as outras formigas que vieram desde então.

O que me faltou perguntar à mana Vitória foi o óbvio: afinal, se pirralhinha é mesmo do boró encerado para usar suas pinças, por quê não o experimentou na corda que a prendia à mesa...?

E LaToya que sempre teve resposta pronta pra tudo, e até para o que não lhe era perguntado, será que me responderia agora?
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 28 vezesFale com o autor