Usina de Letras
Usina de Letras
Usina de Letras
32 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54174 )
Cartas ( 21645)
Contos (12901)
Cordel (9365)
Crônicas (20734)
Discursos (3159)
Ensaios - (10372)
Erótico (21504)
Frases (44636)
Humor (22100)
Infantil (4581)
Infanto Juvenil (3274)
Letras de Música (5707)
Peça de Teatro (1372)
Poesias (140751)
Redação (2975)
Roteiro de Filme ou Novela (1096)
Teses / Monologos (2645)
Textos Jurídicos (2144)
Textos Religiosos/Sermões (4154)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->BVP - Anton Tchekhov ( biografia do autor ) -- 22/06/2005 - 18:45 (CARLOS CUNHA / o poeta sem limites) Siga o Autor Patrocine o autor Patrocine o Texto Envie Outros Textos











Biblioteca Virtual do Poeta Sem Limites



Biografia do Autor / Anton Tchekhov ( 1860 - 1904 )

Anton Pavlovitch Tchékhov, em alfabeto cirílico Анто́н Па́влович Че́хов, foi um importante escritor e dramaturgo russo, considerado um dos mestres do conto moderno. Era também médico, exercendo a Medicina durante o dia e frequentemente escrevendo à noite.
Era filho de Pavel Egorovic Tchekhov e de Evgenija Jakovlevna. Teve quatro irmãos, Aleksandr (1855), Nikolaj (1858), mais velhos, Ivan (1861), Michail (1865) e uma irmã, Marija (1863). Uma segunda irmã nascida em 1869, Evgenija morreu com dois anos de idade.
As origens da família são humildes. O avô de Tchekhov , Egor Tchekhov , foi um servo que comprou a sua liberdade do Kreopostnoje Pravo. Pavel tinha então dezesseis anos.
Pavel Tchekhov fez um estágio de três anos num comerciante. Tornou-se depois servente e contabilista. Em 1857 tornou-se dono de uma mercearia. Comprou por um bom preço mas num momento inoportuno. A Guerra da Criméia tinha sido perdida e como consequência tinha sido imposta a desmilitarização do Mar Negro, pelo que os marinheiros e militares que tinham sido os principais clientes até então, tinham deixado estas paragens.
A mercearia do pai tinha um pequeno bar, tolerado pelas autoridades.
Numa carta de 1889 ao seu irmão Aleksandr, Anton Tchekhov resume a sua infância na seguinte frase, plena de ironia: "Filho de um servo, ... servente de loja, cantor na igreja, estudante do liceu e da Universidade, educado para a reverência de superiores e para beijos de mão, para se curvar perante os pensamentos alheios, para a gratidão por qualquer pequeno pedaço de pão, muitas vezes sovado, indo à escola sem galochas".
O pai, marcado pelo estigma de um ex-servo, educou os filhos de forma autocrática, habituando-os a obedecer. Deu-lhes no entanto o acesso à educação. Possibilitou aos filhos a frequência de um dos melhores liceus da cidade. Tiveram aulas de música e francês.
Anton foi acólito. No entanto, pouco lhe ficou da inspiração religiosa (que a propósito era muito marcante no pai, dirigente do coro da Igreja). Como Anton disse a este respeito: "o coração está como que varrido".
Na escola, Cechov não foi um bom aluno. Chegou a reprovar. Um padre que lhe deu aulas de religião chamava-o com menosprezo de "Cech" onte (cech significa servo). A mensagem: tu não passas de filho de servo. Mais tarde, quando publicava os primeiros contos em jornais, Tchekhov usou o pseudónimo "Antosa Cechonte" com ironia.
A partir dos seus treze anos, ficou fascinado pelo teatro da cidade, que dado o pouco dinheiro que tinha não frequentava tantas vezes como queria. Como era proibida a entrada a crianças não acompanhadas de adultos e sem a autorização do liceu, chegou a "disfarçar-se" de adulto, usando uma barba postiça.




Obras completas de Anton Tchekhov

O INIMIGO

A MULHER DO FARMACÊUTICO















Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui