Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
91 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56831 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10014)
Crônicas (22151)
Discursos (3133)
Ensaios - (8956)
Erótico (13388)
Frases (43357)
Humor (18383)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138029)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4770)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Infantil-->Arapuca -- 21/09/2013 - 07:35 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Me dava gosto espiar papai fazendo a limpeza do quintal. Desbastado o cipoal à foice,

a hora era da enxada capinar e revirar a terra que libertava aquele cheirinho de mato e

umidade na humildade escondida, que liberta, ganhava sob as narinas nova vida.

Mas quando ele investiu de facão naquele arvoredo de assa-peixe - sapêche, a gente dizia -

eu não imaginava o que viria. Dos galhinhos taludos, verdes e roliços, papai resolveu fazer

uma arapuca, coisa que eu ouvira, mas só na cuca.

E na destreza com o cordão, ou cipó mesmo que uniu os dois pauzinhos da base piramidal,

foi subindo, subindo, sempre alternando os lados com gravetos mais finos até chegar ao

topo. E ficou tesa, uma beleza, feito uma casinha. Armou-a, mostrando-me a complexidade

daquele artefato e algum grão há de ter espalhado ali, antes que o cair da tarde nos fizesse

retornar pra casa.

Sei que dormi mal na noite que sobreveio. A ansiedade em saber que ía ter um pássaro na

mão é que esvoaçava o tempo todo na minha cachola. Seria um sanhaço, um sabiá, um

fogo-apagou, um anu, ou um beija-flor? E se fosse um tiziu, um tesoureiro? Ou um canário,

cantador e palreiro?

Mas não deu pra voltar lá no fundo do quintal sozinho no dia seguinte. Nem nos imediatos.

Algo me imobilizava. Até que achei um dia, vai ver que na companhia do mano Beu. E eis

que reencontro arapuca - desarmada! Só que dentro dela, nada! Papai filosofou: a madeira

verde, ao secar, afrouxou, e o passarinho que aí entrou, bateu asas e voou. Sem passarinho

na mão, ficou o consolo de que pras arapucas da vida, com paciência, há saída.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 194 vezesFale com o autor