Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
21 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57164 )
Cartas ( 21140)
Contos (12558)
Cordel (9907)
Crônicas (21997)
Discursos (3126)
Ensaios - (10095)
Erótico (13282)
Frases (42398)
Humor (18011)
Infantil (3659)
Infanto Juvenil (2421)
Letras de Música (5457)
Peça de Teatro (1313)
Poesias (137461)
Redação (2895)
Roteiro de Filme ou Novela (1050)
Teses / Monologos (2384)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4564)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->Décima Espinela -- 10/02/2003 - 22:52 (Athos Ronaldo Miralha da Cunha) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Décima Espinela

A origem da pajada é desconhecida, mas suas regras de métrica e rima se repetem nos antigos gregos e nos cantadores anglo-saxões, quanto em artistas viajantes árabes e hindus, aparecendo em manifestações na Península Ibérica. Alguns repentistas nordestinos, como Patativa do Assaré e o alagoano Chico Nunes improvisam de forma semelhante à dos pajadores. Em todas essas culturas, se repete um modelo definido como Décima Espinela. A chamada décima é a estrofe de 10 versos que obedece a estrutura de rimas ABBAACCDDC. Cada verso deve ter sete sílabas. Foi registrada, pela primeira vez, no livro Diversas Rimas, em 1951, pelo poeta Vicente Espinel, na Espanha.
Pajada e trova são diferentes. Enquanto a pajada se estrutura em 10 versos e quatro rimas, a torva tem seis versos e apenas uma rima. Enquanto a primeira é declamada com acompanhamento de violão, a segunda tem fundo de gaita. Na pajada não se admitem versos que depreciem o outro pajador. Os desafios são na forma de meia-letra. Cada pajador faz uma estrofe em resposta a outra. Se forem mais de dois pajadores, cada um faz dois versos até chegar aos 10. Como na poesia abaixo.
A pajada é mais difícil que a trova, e por muito tempo havia o preconceito de que era castelhana.

Pajador A
Eu tenho a alma campeira
E o verso chucro na mente

Pajador B
Nasci pra fazer repente
Pajadora brasileira

Pajador A
Seja bem-vinda parceira
Com teus imensos valores

Pajador B
Quero andar com os senhores
Sob o pó da mesma estrada

Pajador A
Tu és flor da pajada
No jardim dos pajadores


Fonte Zero Hora
30.01.2003-02-10


Duas pajadas
Meu coração é vermelho
Um cordel pela paz

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui