Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
85 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54945 )
Cartas ( 21059)
Contos (12121)
Cordel (9542)
Crônicas (21131)
Discursos (3109)
Ensaios - (9910)
Erótico (13133)
Frases (39897)
Humor (17551)
Infantil (3560)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135650)
Redação (2874)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4195)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Uso de símbolos religiosos não fere laicidade do Estado -- 04/06/2007 - 12:06 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
CNJ: Uso de símbolos religiosos não fere laicidade do Estado

Matérias no blog http://familianazare.blogspot.com sobre a campanha anti-cristianismo (disfarçada de campanha pelo "Estado laico") promovida por ateístas, militantes gays, abortistas & cia.

Ver também o blog Observatório da Perseguição - http://defesadafe.blogspot.com

31 Maio 2007

CNJ: Uso de símbolos religiosos não fere laicidade do Estado

Em fevereiro deste ano, o blog Família de Nazaré trouxe para você uma matéria sobre a campanha para se retirar crucifixos e demais símbolos religiosos dos espaços públicos. Aqueles que pensam que têm o direito de decidir pela maioria (católica) do povo brasileiro haviam proposto pedidos de providência ao Conselho Nacional de Justiça, órgão do Poder Judiciário que controla a sua atuação administrativa e financeira, bem como o cumprimento dos deveres funcionais dos juízes.

Pois bem. Neste dia 29, foram julgados quatro pedidos de providência sobre o assunto dos símbolos religiosos. E o CNJ decidiu que tais símbolos não ferem a laicidade do Estado. Veja a notícia do site oficial do CNJ.

Embora ainda falte o voto do Relator, a decisão já está tomada porque o art. 24 do Regimento Interno do Conselho dispõe que suas decisões são tomadas pela maioria simples dos Conselheiros presentes, e todos os que votaram foram unânimes em afirmar a possibilidade do uso de símbolos religiosos nas repartições do Poder Judiciário.

O assunto também foi ventilado pelo importante jurista Ives Gandra Martins, em artigo publicado no JB On Line. Ele lembra que, no preâmbulo, a nossa Constituição invoca o nome de Deus, e arremata:

"Estado laico" não significa que aquele que não acredita em Deus tenha direito de impor sua maneira de ser, de opinar e de defender a democracia. Não significa, também, que a democracia só possa ser constituída por cidadãos agnósticos ou ateus. Não podem, ateus e agnósticos, defender a tese de que a verdade está com eles e, sempre que qualquer cidadão, que acredita em Deus, se manifeste sobre temas essenciais - como, por exemplo, direito à vida, eutanásia, família - sustentar que sua opinião não deve ser levada em conta, porque é inspirada por motivos religiosos. A recíproca, no mínimo, deveria ser também considerada, por tal lógica conveniente e conivente, e desqualificada a opinião de agentes ateus e agnósticos, precisamente porque seus argumentos são inspirados em sentimentos anti-Deus.

Numa democracia, todos têm o direito de opinar, os que acreditam em Deus e os que não acreditam. Mas, na democracia brasileira, foram os representantes do povo, reunidos numa Assembléia Constituinte considerada originária, que definiram que todo o ordenamento jurídico nacional, toda a Constituição, todas as leis brasileiras devem ser veiculadas "sob a proteção de Deus", não podendo, pois, violar princípios éticos da pessoa humana e da família.

Devemos, realmente, estar atentos a esses movimentos que negam que a religião (da imensa maioria do povo brasileiro) possa inspirar a vida pública.

E por falar nisso...

Continuo convidando os leitores a votarem no Cristo Redentor, para que haja a presença de um símbolo religioso entre as novas sete maravilhas do mundo. Sobre isso, leia essa outra matéria.

Postado por Danilo às 12:28 AM

http://familianazare.blogspot.com/2007/05/cnj-uso-de-smbolos-religiosos-no-fere.html


*

12 Fevereiro 2007

Campanha visa a banir crucifixos dos espaços públicos

Uma ameaça paira sobre os crucifixos colocados em espaço público. Veja a notícia que nos chegou, de autoria dos Cooperatores Veritatis. Parece-me importante como uma forma negar a cidadania a pessoas que têm religião, especialmente os cristãos. Para muitos, religião só pode ser coisa privada, mas sem o direito de expressar e plasmar o espaço público com os elementos cristãos. No final dessa postagem, há outros links relacionados com essa temática de impedir que católicos expressem publicamente a fé.

No dia 28 de julho [2006] a Folha Online noticiou que um promotor de Justiça exigiu da USP (Universidade de São Paulo) a retirada de um crucifixo de uma sala da Universidade. Conforme a notícia a exigência foi devida a “queixa de uma pessoa que alegou ter ficado incomodada com o objeto”.

Este fato motivou a criação de um site que visa auxiliar os internautas para que repitam o mesmo procedimento do queixoso paulista, com o intuito de sumirem com os crucifixos de todas as repartições públicas do Brasil.

A campanha pela retirada dos crucifixos, dos espaços públicos no Brasil, ganhou força ano passado pela iniciativa de um juiz gaúcho. Roberto Arriada Lorea lançou a proposta no Congresso de Magistrados Estaduais, em Santana do Livramento (RS). A idéia da retirada dos crucifixos, apresentada por um colega, pois Lorea estava em viajem, foi amplamente divulgada na mídia. O que a mesma mídia não deu muita atenção foi à decisão dos Magistrados gaúchos: em votação, a maioria dos participantes do Congresso decidiu pela manutenção dos crucifixos nas salas de audiência (conforme notícia do Espaço Vital).

O pressuposto teórico

A recente campanha lançada na internet, para banir os crucifixos dos espaços públicos, se baseia na falsa idéia de que um Estado Laico deve ignorar tudo o que é religioso. Confundem a laicidade do Estado com o laicismo. Conforme explicou o Papa João Paulo II em 12/01/2004:

“Evoca-se com freqüência o princípio da laicidade, em si mesma legítima, quando é compreendida como distinção entre a comunidade política e as religiões (cf. Gaudium et spes, 76). Todavia, distinção não quer dizer ignorância! Laicidade não é laicismo! Ela não é senão o respeito por todos os credos por parte do Estado, que assegura o livre exercício das atividades espirituais, culturais e caritativas das comunidades dos crentes”.

O objetivo

Conforme explicamos, o objetivo da campanha é sumir com os crucifixos dos espaços públicos. Nas palavras dos propositores da idéia: “A única maneira de deixar as repartições públicas neutras em relação à religião é remover os símbolos religiosos, sem exceção”.

Falam, na maioria das vezes, em símbolos religiosos, sem especificação. Mas na seção de Perguntas e Respostas do site da campanha fica bem claro o alvo. Podemos ler: “Quais símbolos religiosos devem ser retirados? Todos. Os mais comuns são crucifixos (esculturas de Jesus na cruz), cruzes, santuários, nichos e imagens religiosas”.

Plano de ação

Para concretizar a idéia o site incita as pessoas a queixarem-se junto ao Ministério Público: “para fazer a sua parte, cada cidadão pode enviar uma ou mais representações ao Ministério Público informando-o dos símbolos religiosos do seu conhecimento e pedindo providências”.

Para facilitar o trabalho de quem aderir à idéia há no site um modelo pronto de representação junto ao MP. Pedem ainda que o requerente envie uma foto do crucifixo que supostamente o constrangeu.

O texto do Modelo cria a situação para o queixoso:

“Comparecendo à sede da Secretaria Municipal de Saúde de São Longuinho, o representante deparou-se com um crucifixo afixado no hall de entrada do edifício (fotografia anexa), forma de manifestação religiosa que ofende o princípio da laicidade estatal, materializado no artigo 19, inciso I, da Constituição Federal”.

E como não podia deixar de ser o mentor da idéia aparece no texto do Modelo: “Analisando o crescimento de abusos desta natureza, o juiz Roberto Lorea, do Rio Grande do Sul, propôs a retirada dos crucifixos dos fóruns e tribunais gaúchos (...)”

“Se você é católico, nada”

O mais incrível desta iniciativa anti-católica é que ela sugere o que deverá fazer o católico que não concorde com a retirada dos crucifixos.

A penúltima pergunta da seção Perguntas e Respostas do site é a seguinte: “Eu acho que as repartições públicas devem, sim, ter símbolos religiosos. O que devo fazer?” A resposta: “Se você é católico, nada”. E justificam: “Os símbolos católicos estão em praticamente todas as repartições públicas do país, e em muitas instituições privadas também”.

E a resposta a mesma pergunta segue “Se você não é católico, pode entrar na justiça pedindo que também seja incluído algum símbolo da sua religião, qualquer que seja ela”. Parece que esqueceram que nas respostas anteriores haviam proposto a retirada de todos os símbolos religiosos.


Veja também essas matérias, todas do Observatório da Perseguição


Escola inglesa proíbe que aluna católica use crucifixo

Natal sem Jesus provoca polêmica na Grã-Bretanha

Elton John: A religião deveria ser proibida

British Airways proíbe funcionária de usar crucifixo

Querem proibir padres de condenar o aborto

Postado por Danilo às 1:39 PM


http://familianazare.blogspot.com/2006/12/campanha-visa-banir-crucifixos-dos.html


http://familianazare.blogspot.com



Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui