Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
129 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56399 )
Cartas ( 21119)
Contos (12484)
Cordel (9833)
Crônicas (21794)
Discursos (3122)
Ensaios - (9978)
Erótico (13197)
Frases (41439)
Humor (17685)
Infantil (3603)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5445)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136913)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4474)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Ainda Existem Os Restos -- 18/07/2002 - 02:08 (André Luiz Gonçalves da Rocha) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Benditos lixões dos centros urbanos,
Que salvam a vida dos que nada têm.
O critério para o que é desumano,
Numa terra que não é de ninguém.

Resquícios de vida a vegetar
São exemplos que pesam ao final.
O que de bom pode restar,
Se prevalece tudo que é mal?

Bendito viaduto úmido e mofado,
Que abriga ratos e seres “humanos”.
O critério que era usado no passado,
Hoje maltrata e iguala todos a “fulanos”.

O nojo não existe mais, não existe.
Existe a miséria que embaça a vista.
Não existe o que é alegre. E sim o triste.
Não existe mais ser que resista.

A fraqueza não é medo, é fome.
A pobreza não é opção, é o que resta.
A miséria não é somente um nome.
É a realidade que existe, e não se contesta.


Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui