Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
91 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54856 )
Cartas ( 21056)
Contos (12110)
Cordel (9512)
Crônicas (21088)
Discursos (3105)
Ensaios - (9906)
Erótico (13127)
Frases (39810)
Humor (17550)
Infantil (3558)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5411)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135538)
Redação (2869)
Roteiro de Filme ou Novela (1034)
Teses / Monologos (2372)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4175)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias -->E tu, que já não és? -- 29/05/2002 - 19:46 (Clarissa Borba Batista Macedo de Azevedo) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Tu é tão chato!
Te odeio!
Mas porque tanto desenfreio
ao imaginar-me no teu tato?

Tens nos lábios a mentira,
És metido – a dar-me ira,
Mas enlevo-me a olhar-te
és para mim a pura arte!

Corres olhares lancinantes,
teu sarcasmo é assassino,
Mas em meu peito, nunca, antes
houve sonho tão ladino!

És tu o mais cobiçado,
entre todos, mais falado,
Por isso, já não te quero!
tu és mais do que tolero!

É perfeito –
aos vazios
Para mim, tu és o eleito
entre os frios!

Tu és pouco
para o muito que mereço.;
Poderias ter sido tudo –
não foste nem o começo.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui