Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
32 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56410 )
Cartas ( 21156)
Contos (12572)
Cordel (9941)
Crônicas (22079)
Discursos (3130)
Ensaios - (9116)
Erótico (13328)
Frases (42852)
Humor (18217)
Infantil (3699)
Infanto Juvenil (2511)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137703)
Redação (2905)
Roteiro de Filme ou Novela (1051)
Teses / Monologos (2384)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4608)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Infanto_Juvenil-->Dingo ou bingo? -- 27/09/2013 - 09:47 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Eu tinha onze anos. E meio. Apenas concluíra o primário, e estava ali, naquela

janela de fim-de-ano, empenhado em preparar minha admissão ao ginásio,

frequentando curso noturno, no próprio prédio do ginásio municipal, na companhia

de gente grande.

Entrava pras aulas ainda no cair da tardinha e de lá saía de noitão. Já ia jantado e

desobrigado de lavar as vasilhas. Seria por ali, o caminho da alforria?

Era variada a turma, muita gente grande, já adolescente ou daí pra frente, e uns

tantos molecotes. No entanto, só a mim era reservada a distinção de ir de calças

curtas. O que já me dava certo desconforto, mas logo logo, eu me esperançava, iria

fazer jus às longas, pois o uniforme de ginasiano, feito soldadinhos de brim cáqui

não dava essas liberalidades...

Éramos instruídos em quatro matérias: Português, Matemática, Geografia e

História, por experientes professores que, aparentemente ganhavam algum

estipêndio para estenderem suas horas de magistério. Ou será que o faziam por

mero e vero diletantismo?

E foi numa aula de Português, ensinada pelo respeitável e severo professor

Newton, severo até em suas brincadeiras, que botei o dingo em uma de minhas

composições. Ele conhecia, vai ver também que andara lendo a mesma edição

do Readers´ Digest onde achei o meu dingo e me encantei com a história. Que

creio, era o relato do desaparecimento de uma criancinha de um acampamento na

Austrália. E a suspeita recaía sobre algum dingo, cuja fome não fazia distinções.

O professor não chegou a me elogiar pelo texto. Era fraco, longo e um tanto

impreciso. Mas ressaltou o dingo diante dos olhos estatelados de alguns dos

colegas, pro meu embevecimento. Que aliás durou um piscar de olhos. Em seguida

o professor Newton me chamava a atenção por ter mudado o nome da jovem

personagem da estória. Iniciava Suzana, virava Regina no final. Que aquilo?

Não revelei. E tampouco me decidi até hoje qual das duas a favorita dos meus

devaneios nos bancos do primário. Mas vamos em frente, não vou revelar, nem

relevar, tou louco pra usar as calças compridas.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 227 vezesFale com o autor