Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
133 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56711 )
Cartas ( 21128)
Contos (12517)
Cordel (9864)
Crônicas (21892)
Discursos (3121)
Ensaios - (10000)
Erótico (13200)
Frases (41697)
Humor (17749)
Infantil (3605)
Infanto Juvenil (2334)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137072)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4520)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->VOSSA SENHORIA-O MENOR JORNAL DO MUNDO -- 04/04/2005 - 14:31 (Mário Ribeiro Martins) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
“VOSSA SENHORIA”-O MENOR JORNAL DO MUNDO.


Mário Ribeiro Martins*


Acabo de receber mais uma vez- edição de março de 2005- o menor jornal do mundo. Trata-se do VOSSA SENHORIA que tem uma longa e bela história. O exemplar que me chega às mãos, menor do que uma pequena caixa de fósforo, tem escrito: Ano LXX-Divinópolis, MG-Nº 553-A- Fundador: Leônidas Schwindt(1).

O VOSSA SENHORIA tem uma história edificante que merece ser divulgada. No dia 18.08.1935, na antiga Capital de Goiás, também chamada de Vila Boa, Goiás Velho ou Cidade de Goiás, começou a circular o pequeno jornal VOSSA SENHORIA.

Pode-se dizer que este jornal foi o embrião para o aparecimento do jornal O POPULAR, no dia 03.04.1938, pelos irmãos Câmara.

Na verdade, o pequeno jornal VOSSA SENHORIA foi fundado por Leônidas Schwindt, como “órgão oficial das oficinas gráficas POPULAR”. Tanto é que foi ele(Leônidas) o orador oficial da solenidade de lançamento em nome da classe dos gráficos, aliás, como se encontra na capa do primeiro número que teve tiragem de “50.000 exemplares” e a manchete “A grande festa dos gráficos”. Este número de exemplares(50.000), salvo melhor juízo, era grande demais para Goiás Velho, cuja população não tinha mais do que dez mil habitantes.

Leônidas, como se sabe, era funcionário da Gráfica Popular, até então pertencente a Jaime Câmara e a seu sócio Henrique Pinto Vieira, na antiga Vila Boa. Como o VOSSA SENHORIA incomodava, chegou a ser proibido. Jaime Câmara que tinha fundado o jornal A RAZÃO, de pouca duração, desfez a sociedade com Henrique Vieira e foi para Goiânia, onde fundou o jornal O POPULAR, em 03.04.1938.

Leônidas saiu de Goiás Velho, passou por Goiânia, Pirenópolis e Anápolis, de onde voltou para Minas Gerais. Dirigiu-se para Cambuquira, depois Curvelo e Pará de Minas. Nesta cidade, relançou o VOSSA SENHORIA, no dia 18.08.1946, sempre do tamanho de uma caixa de fósforo.

Mudou-se para Abaeté, em 1949, e lá continuou com o VOSSA SENHORIA. Transferiu-se para Belo Horizonte e deu continuidade ao menor jornal do mundo. Nos anos seguintes, foi para Pitangui e lá, além de dirigir o jornal local, continuou editando o VOSSA SENHORIA.

Em dezembro de 1956, mudou-se para Divinópolis e como fundou o jornal “DIÁRIO DO OESTE”, que dirigiu até a sua morte(09.11.1972), suspendeu a circulação do VOSSA SENHORIA.

Com a sua morte, seus filhos Lúcio Schwindt e Dolores Schwindt que continuaram a editar o “DIÁRIO DO OESTE”, em Divinópolis, voltaram também a publicar o VOSSA SENHORIA que hoje(2005) tem até endereço eletrônico: redacao@vossasenhoria.com.br

Com a morte do Lúcio em 04.05.2002, Dolores Schwindt continuou a publicar o VOSSA SENHORIA que tem endereço na Rua Minas Gerais, 1235, Divinópolis, MG, 35 500-007. Diante da importância do VOSSA SENHORIA é de se perguntar: QUEM FOI LEÔNIDAS SCHWINDT?

LEÔNIDAS SCHWINDT, de Uberlândia, Minas Gerais, 09.01.1906, fundou entre outros jornais, o VOSSA SENHORIA(1935), considerado o menor jornal do mundo, assim reconhecido pelo Guinness World Records, sendo destaque no GUINNESS BOOK.

Filho Pedro Schwindt e de Maria Rita Meirelles Schwindt. Era o quinto filho, de oito irmãos. Cursou até o segundo ano ginasial. Como a família não queria que ele se dedicasse ao Jornalismo, fugiu de casa. Saiu pelo Brasil, empregando-se em gráficas e trabalhando em Jornal. Passou por São Paulo, foi para o Rio de Janeiro e finalmente Goiás.

Na antiga Capital de Goiás- Vila Boa ou Goiás Velho(hoje Cidade de Goiás) fundou o jornal VOSSA SENHORIA, enquanto trabalhava como gráfico nas OFICINAS GRÁFICAS POPULAR, de Jaime Câmara.

Com a mudança da Capital para Goiânia, por volta de 1933, foi para a nova capital e lá ajudou a fundar o jornal POPULAR(03.04.1938). Deslocou-se para Pirenópolis e depois Anápolis, onde foi amigo do jornalista Antonio Gomes Pinto(A.G. Pinto) que tinha fundado o jornal A LUTA(1931) que durou até 1958.

Com o passar do tempo, Leônidas voltou a Minas Gerais, onde fez jornal nas cidades de Cambuquira, Curvelo, Pará de Minas, Abaeté, Belo Horizonte, Divinópolis e Pitangui (onde viveu com a família só do jornal VOSSA SENHORIA que parou de circular em agosto de 1956).

Na cidade de Pará de Minas ele re-editou o VOSSA SENHORIA iniciando nova numeração em 1946. Em Divinópolis fundou o Diário do Oeste, em 02.12.1956, o primeiro jornal diário da cidade e região. Este jornal era feito em tipos. Ele sustentou a família de seis filhos e mulher só do jornal.

Morreu em 09.11.1972, em Divinópolis, com 66 anos de idade. Seu amor pela profissão era tanta que morreu na redação do jornal após colocar mais uma edição do “Diário do Oeste” na rua.

Deixou a esposa Benedita Nunes de Sá e 7 filhos: Ana Maria, Dolores, Lucio, Olga, Dulce, Leonice e Leonilda (do primeiro casamento). Com seu falecimento repentino, Lucio Nunes Schwindt assumiu a direção do jornal e a irmã Dolores Nunes Schwindt a redação. Jornalista autodidata. Editava sozinho o “VOSSA SENHORIA”. Fazia de tudo: da redação à distribuição e ainda viajava divulgando-o e conseguindo verbas. Sempre trabalhou em gráficas onde fazia seu jornal.

Em 22.01.1956, enquanto perdurou o Estado de Sítio, suspendeu a circulação de seu “pequeno grande jornal” por não aceitar censura prévia. Foi um dos poucos jornais brasileiros a não se submeter a censura.

Ele foi um baluarte da imprensa interiorana. Dedicou sua vida inteira ao jornalismo. Muita coisa se perdeu de sua história, pois Leônidas pouco contava de sua vida e sobre o que havia feito, tanto que a família só veio a saber da existência do “VOSSA SENHORIA” depois de sua morte quando sua filha Dolores, em janeiro de 1985 resolveu reeditá-lo.

Muita gente viu na TV sua volta e enviou para a família jornais, livros e xerox do jornal da época de 35. Era um marido carinhoso e romântico, pai exemplar e um profissional ímpar. Ele ouvia pouco em conseqüência de seu amor pela natação tendo recebido, quando ainda jovem, vários títulos de campeão.

Seu filho Lúcio que tinha assumido a direção do jornal, faleceu ainda jovem, em 04.05.2002, ficando a responsabilidade sob os ombros de Dolores. A redação do VOSSA SENHORIA está na Rua Minas Gerais, 1235, Divinópolis, Minas Gerais, 35.500-007, tendo como e-mail: redacao@vossasenhoria.com.br

Sobre Leônidas, escreveu José Asmar, na página 247 do livro IMPRENSA GOIANA-DEPOIMENTOS PARA A SUA HISTÓRIA, dando outra versão: “Ainda em Anápolis, surgiu um dos menores jornais do mundo, sem exagero. Era VOSSA SENHORIA, formato 6x8 cms, fechado, composto em corpo seis e oito, por Leônidas Schwindt, excêntrico, pondo a imaginação adiante da surdez”. Como José Asmar, na época, tinha cerca de 14 anos de idade(nasceu em 1924), não atentou para o fato de que o VOSSA SENHORIA já vinha de Goiás Velho, tendo passado por Pirenópolis e Anápolis. Em ambas as cidades(Pirenópolis e Anápolis), Leônidas imprimiu o VOSSA SENHORIA. Em Anápolis, foi impresso no jornal A LUTA, de A. G. Pinto.

Apesar de sua importância, Leônidas Schwindt não é estudado no DICIONÁRIO DO ESCRITOR GOIANO, de José Mendonça Teles, não é referido no DICIONÁRIO ENCICLOPÉDICO DE GOIÁS, de Lisita Júnior, não é citado em GOIANOS ILUSTRES, de José Ferreira de Souza Lobo, ou na ENCICLOPÉDIA DE LITERATURA BRASILEIRA, de Afrânio Coutinho, edição do MEC, 1990, com revisão de Graça Coutinho e Rita Moutinho, em 2001, ou no “DICIONÁRIO HISTÓRICO-BIOGRÁFICO BRASILEIRO”, da Fundação Getúlio Vargas, publicado em 2002 e nem é convenientemente referido, em nenhuma das enciclopédias nacionais, Delta, Barsa, Larousse, Mirador, Abril, Koogan/Houaiss, Larousse Cultural, etc.

É verbete do DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO REGIONAL DO BRASIL, de Mário Ribeiro Martins, via INTERNET, dentro de ENSAIO, no site www.usinadeletras.com.br ou ainda www.mariomartins.com.br

(1) Sobre Leônidas, leia no DICIONÁRIO, no site:www.mariomartins.com.br

*Mário Ribeiro Martins
é escritor e Procurador de Justiça.
(mariormartins@hotmail.com.br)
Home Page: www.genetic.com.br/~mario
Caixa Postal, 90, Palmas, Tocantins, 77001-970.
Fone: (063) 215 44 96. Celular: (062) 99741906.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui