Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
96 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54711 )
Cartas ( 21051)
Contos (12072)
Cordel (9440)
Crônicas (21012)
Discursos (3106)
Ensaios - (9889)
Erótico (13105)
Frases (39732)
Humor (17537)
Infantil (3557)
Infanto Juvenil (2306)
Letras de Música (5410)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135398)
Redação (2862)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4158)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Alguém pode segurar minha mão ? -- 09/01/2002 - 09:33 (Pedro Wilson Carrano Albuquerque) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
ALGUÉM PODE SEGURAR MINHA MÃO?

Naquela noite fatídica tornei-me um paraplégico.
Talvez tenha exagerado na bebida, influenciado pela beleza de morena de olhos verdes, irmã da dona da festa.
Só me lembro de uma ultrapassagem mal feita, o descontrole na direção de meu carro e um poste crescendo à minha frente. Não se completou a viagem de volta ao meu lar.
Recuperei os sentidos sem dores no corpo, o que me apavorou. Não sentia as pernas, não havia sinal de vida da cintura para baixo.
Deplorei, então, a ausência de minha mãe, sempre pronta a amparar-me nas horas difíceis, mesmo após meu ingresso na maturidade.
Desamparo total. Pessoas movimentavam-se à minha volta, mas nenhuma delas me dirigia a palavra. Corrijo, pois houve alguém que perguntou como eu me sentia, afastando-se quando respondi que me achava bem.
Aproximando-se uma militar, provavelmente enfermeira ou oficial da polícia ou do corpo de bombeiros, pedi-lhe segurasse minha mão. Resposta rápida: estava ali para trabalhar e não para perder tempo com bobagens.
Senti-me desamparado. Precisava, naquele momento, de alguém que prendesse minhas mãos entre as suas, afagasse meus cabelos e que me consolasse, dirigindo-me palavras de carinho e encorajamento.
Eu era apenas um número na estatística das vítimas de trânsito e nada mais. Um objeto qualquer a incomodar aqueles que, obedecendo ordens, saíram do hospital ou do quartel para o atendimento de pedido de socorro.
Estendi a mão direita para soldado que passava, pedindo-lhe que a tomasse. Sua reação foi instintiva: era "espada", não podia ficar segurando mão de homem.
Colocado na ambulância, um médico sentou-se ao meu lado. Ora me olhava desatentamente, ora mirava as ruas reveladas pelas janelas do veículo.
Sentindo-me abandonado, relegado ao esquecimento, quando minha vida ruía, roguei ao doutor que me desse a mão, solicitação não acolhida. Houve apenas uma recomendação para que eu ficasse quieto, relaxado.
Hoje, acostumado com cadeira de rodas, creio ter superado o trauma físico, embora sabendo de minhas limitações para algumas atividades.
Revolta-me, contudo, pensar que ninguém, num gesto simples e solidário, ofereceu-me a mão em momento de grande desamparo e aflição, quando uma demonstração de afeto, por menor que fosse, me teria tirado o peso da mágoa que carrego e, certamente, carregarei pelo resto de minha vida.

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui