Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
81 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56427 )
Cartas ( 21156)
Contos (12574)
Cordel (9961)
Crônicas (22082)
Discursos (3130)
Ensaios - (8871)
Erótico (13328)
Frases (42863)
Humor (18224)
Infantil (3700)
Infanto Juvenil (2514)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137722)
Redação (2905)
Roteiro de Filme ou Novela (1051)
Teses / Monologos (2384)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4608)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->Cena de barbearia -- 18/05/2019 - 11:22 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Um sujeito bem arrumado, visivelmente um forasteiro, chega à barbearia e saudando os dois irmãos profissionais já há mais de 30 anos e uns três ou quatro circunstantes, dando a indicação de querer puxar assunto, vai logo dizendo...:

 - Pois é, senhores, que beleza o outono, não?

Ao que o mais jovem dos barbeiros, o João, ladino que só ele, aproveita o gancho, e dá tratos à bola, enquanto escanhoa o queixo de um Aleixo, e baixando o volume do rádio, que estava sintonizado na pregação do padre Manzotti, faz questão de se posicionar:

 - Uai, sô, eu tamém sô otono. Disconto pra dois salaro. E já tô quais gozano esse binifiço...já o mano Doca, qui num quis me iscuitá...
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 17 vezesFale com o autor