Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
45 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56715 )
Cartas ( 21159)
Contos (12581)
Cordel (10002)
Crônicas (22133)
Discursos (3130)
Ensaios - (8933)
Erótico (13377)
Frases (43184)
Humor (18330)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2591)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137941)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2386)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4715)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Queirós escreve: -- 14/05/2019 - 03:46 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Queirós escreve:

Meu caro filho,

Espero que esta carta vá encontrar você e toda a sua família gozando de saúde e felicidade. Sempre penso em vocês e peço a Deus que derrame suas bênçãos em todos dessa casa.

Recebi a ambrosia e o doce de mangaba em calda que a sua mãe tanto gosta. Chegaram junto com a sua carta, que muito agradeço. Não respondi na hora porque o portador tinha pressa. Quanto às crianças, neste tempo de manga, fruta muito rançosa, são comuns os furúnculos e as cabeças de prego. É bom dar um laxativo de sal de Glauber e passar pomada de basilicão para furar mais depressa. É preciso espremer até sair o  carnegão. É dor forte, mas passageira.

Mas a minha carta é para lhe dizer que a sua mãe não está bem de saúde. Há muito vem se queixando. Agora, está com os pés muito inchados e febre alta, que não cede. Está acamada e ainda não acertou com os medicamentos. Sei que ela gostaria de receber a sua visita, pois sempre fala em você e todos de sua família, com muito carinho.

Receba a bênção de seus pais e dê recomendações a todos.

Seu pai, Joaquim.


PS: A correspondência transcrita acima é de Joaquim Queirós, avô de Bartolomeu Campos Queirós, a quem conheci no final da década dos anos cinquenta, possivelmente já setentão, em conversa de fundo de quintal, com os meus pais. Olhos verdes, (ou azuis...?) atracado, calvo até a nuca, fala espirituosa, cronicava nas paredes de sua casa fatos marcantes da vida de sua família e da cidade de Pitangui, consoante narrado pelo neto Bartolomeu, em sua obra: Por parte de Pai.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 57 vezesFale com o autor