Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
119 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56894 )
Cartas ( 21134)
Contos (12535)
Cordel (9881)
Crônicas (21940)
Discursos (3123)
Ensaios - (10027)
Erótico (13216)
Frases (41930)
Humor (17822)
Infantil (3614)
Infanto Juvenil (2347)
Letras de Música (5450)
Peça de Teatro (1313)
Poesias (137238)
Redação (2891)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2382)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4538)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->O TREM SUMIU... -- 08/01/2019 - 07:47 (GERMANO CORREIA DA SILVA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


O TREM SUMIU...


Sou de uma época em que o transporte ferroviário existia em abundância e se sobrepunha ao transporte rodoviário em algumas partes do nosso país.

As estações de trem eram pontos de encontro de pessoas de diferentes classes sociais, que viajavam em vagões diversificados, conforme o poder aquisitivo de cada uma.

Cheguei a conhecer a “Maria Fumaça” que era uma espécie de locomotiva, propulsionada por um motor a vapor, composto de três partes principais: a caldeira, produzindo o vapor, usando a energia do combustível, a máquina térmica, transformando a energia do vapor em trabalho mecânico e a carroçaria, carregando a construção.

Vale aqui salientar que o vagão-reboque de uma locomotiva a vapor transportava o combustível e a água necessários para a alimentação da máquina.

Hoje, nesses tempos modernos, as linhas férreas que transportavam as riquezas e as produções nacionais foram sucateadas e consequentemente desativadas. Surgiram as linhas férreas urbanas, mais sofisticadas exclusivamente para o transporte de passageiros, que receberam o nome de metrô, monotrilhos, aero trens, trens metropolitanos, etc., enquanto isso o povo é que paga a alta conta desse transporte “aceitando” as tarifas exorbitantes impostas pelos governantes.

Ainda não consegui entender a razão do sumiço das locomotivas mistas interioranas que “lentamente” estão deixando de circular. As estações de ferro viraram casas abandonadas e foram aos pouco se deteriorando; os trilhos, por sua vez, foram saqueados pelos malfeitores revendedores de sucatas. O pouco que sobrou continua perdido ao longo das inúmeras ferrovias e essa atitude governamental acabou torrando sem dó e sem piedade, o dinheiro público.

Em alguns momentos, cheguei a pensar que foi por causa da falta de lenha para alimentar as caldeiras. Mais tarde, mesmo com a aposentadoria da “Maria Fumaça”, chegaram as locomotivas mais modernas, que utilizavam as linhas férreas alimentadas que o eram pela energia elétrica, e aí eu entendi que tudo seria mais fácil, não fosse o descaso do governo federal em deixar de subsidiar parte dos gastos para investir de forma maciça na indústria petroleira.

Por conta desse e de outros descasos, o transporte de cargas do nosso país está prestes a descambar por um caminho sem volta, sendo que a alta do preço do combustível é o mais grave deles, que encarece o valor do frete recebido por quem transporta a carga, sem contar ainda com os gastos necessários que são feitos com a manutenção dos veículos.

Não obstante os protestos ocorridos tempos atrás por parte da classe trabalhadora das estradas, mais conhecida como a classe dos caminhoneiros, a situação está caminhando para a “chegada” de um colapso sem precedentes.

Muitos caminhões integrantes da frota que está em circulação não são modernos, assim como grande parte das estradas brasileiras carecem de manutenção/conservação urgente, mas em compensação a grande maioria das praças de pedágios existente ela é bem recente.

Pobre rico Brasil! Tem como caminhar “progressivamente”, carregando o montante de sua carga se utilizando das próprias pernas, mas prefere andar em círculos, e o pior de tudo é que está andando de muletas.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 20Exibido 19 vezesFale com o autor