Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
120 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56953 )
Cartas ( 21165)
Contos (12585)
Cordel (10049)
Crônicas (22174)
Discursos (3133)
Ensaios - (8976)
Erótico (13390)
Frases (43476)
Humor (18423)
Infantil (3758)
Infanto Juvenil (2652)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138142)
Redação (2919)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1924)
Textos Religiosos/Sermões (4819)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Erótico-->O Nefilim - Capítulo 1 -- 08/08/2019 - 20:33 (Lorde Kalidus) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Rafael estava com quinze anos, mas, apesar da pouca idade, possuía o porte de um rapaz mais maduro. O corpo desenvolvido passava a impressão de que tinha entre dezoito ou vinte anos, fato que a altura ajudava a enfatizar ainda mais. Havia começado a fazer academia há três meses, mas, mesmo antes disso, já mostrava um físico invejável, o que chegava a gerar questionamentos a respeito de sua genética. Não sabia de qualquer anomalia presente nos genes de seus ascendentes, fosse por parte de pai ou de mãe. Não importa. A vida o havia presenteado com uma ótima aparência e uma atitude que lhe garantia estar sempre rodeado pelas mulheres que viesse a desejar, independentemente da idade ou, muitas vezes, até mesmo de seu estado civil. A fama que possuía era extremamente favorável nesses quesitos, embora muitas vezes acabasse por leva-lo a conquistar desafetos na mesma proporção.

Durante o treino levanta uma quantidade de peso considerável, que muitas vezes chama a atenção dos outros colegas de academia. Não conversava muito, levando alguns a acreditar que era antissocial e não gostava de companhia. E realmente ela não lhe fazia falta, ao menos quando se exercitava e preferia estar concentrado no que fazia. Entretanto, vez ou outra alguma frequentadora chamava sua atenção e ele não resistia, tendo de se aproximar e buscar fazer-se aceito ou ao menos sentir se isso viria a ocorrer. Tudo dependia de quem ele se aproximava e do quanto se sentia atraído pela mulher, eram esses os fatores que determinariam sua objetividade e seu empenho. Felizmente, devido a fatores que nem ele sabe explicar, na maioria das vezes conseguia o que queria, muitas vezes tendo trabalho para afastar aquelas por quem não se interessava mais. Mas mesmo estas acabavam sendo ótimas colaboradoras com aquelas que ele iria conhecer em seguida, haja visto que um segredo compartilhado por mulheres logo deixa de ser segredo, e os detalhes de suas tardes passadas com as amantes acabavam por despertar muito a curiosidade das próximas parceiras.

Algo parecido aconteceu com Audrey, a garota da classe com quem vai se encontrar logo após o treino. Quando as séries de exercícios chegam ao final ele se sente ligeiramente aliviado e desce para o vestiário para se preparar para o encontro, sempre de olho no relógio. Uma dose de proteína é tudo que usa para se alimentar, haja visto que tem o hábito de não se alimentar com nada calórico após a academia. Acredita que seja este o segredo de ter o corpo que tem, associado aos pesados exercícios.

Durante o banho nota um disfarçado constrangimento entre os demais ocupantes do vestiário, para não citar olhares rápidos e tão discretos quanto possível em direção a seu membro cavalar, um dos grandes responsáveis pela fama que acabou adquirindo com as mulheres, seja na escola ou na academia, e que faz com que sua cama esteja constantemente ocupada por elas ou que ele esteja visitando seus quartos. A situação é engraçada, mas ele não esboça qualquer reação, seja esta violenta ou sarcástica, haja visto que não é viável arrumar qualquer atrito em um local frequentado com assiduidade, pelo menos não num momento em que ele está com tanta pressa.

Audrey é uma colega de classe que se encaixa em uma das situações citadas acima. Namora um infeliz que estudava em outro colégio, mas isso não impediu que numa determinada situação os dois viessem a se conhecer em uma rodinha de amigos e, durante uma dessas muitas conversas, acabassem se aproximando, algumas carícias surgissem entre os beijos e estas a levassem a confirmar as informações passadas por Marcela, outra colega que já havia usufruído dos favores de Rafael. Ao confirmar a estória da amiga, ela olhou nos olhos do amante com uma expressão de espanto e alegria e, dali em diante, aguardaram pela ocasião atual, uma semana depois de ficarem íntimos pela primeira vez.

Saindo da academia, ele caminha em direção à casa da colega, a duas quadras dali. Segundo Audrey, só vê o namorado à noite, uma vez que o mesmo estuda no período da tarde. Some-se isso aos pais trabalhando e o irmão mais novo na escola e ela tem a casa toda as tardes apenas para si. Rafael se delicia ao lembrar-se disso e das coxas grossas da amiga, de seu quadril largo e nádegas avantajadas. Rosto de anjo, acentuado por olhos azuis e o cabelo loiro natural, mas deixava claro que na cama saberia se comportar como uma vadia, exatamente como ele gostaria que fosse.

Ao chegar ao local ele vê Audrey do lado de fora conversando com Vanessa e Paula, duas colegas da classe ao lado. Assim que avista Rafael ela sorri disfarçadamente e as amigas, ao vê-lo, se aproximam para dizer algo e as três riem em seguida. O rapaz a cumprimenta com um beijo e Audrey não demora a se despedir, levando-o para dentro da casa. “Não vai convidar a gente pra entrar”, diz uma das garotas, enquanto se retiram, já demonstrando saber a causa da visita de Rafael, que provavelmente iria chegar aos ouvidos dos outros na escola e se espalhar pelo bairro até chegar aos ouvidos do namorado de Audrey. Não que Rafael ou mesmo a garota se importassem...

- Tava na academia, ela pergunta, estando os dois já na sala de estar.

-Isso. Bom dar uma treinada antes, né, pra vir te ver com tudo bombando. – ela para de caminhar e joga a mão para trás, tocando a virilha de Rafael, descendo vagarosamente através de sua coxa, não olhando para ele mas esboçando um sorriso malicioso:

- É, tô sentindo, tá bombando mesmo... Ainda bem que você veio logo e só vai ter gente aqui no final da tarde. O boi eu só vejo de noite, então vai dar pra brincar bastante. – Agora frente a frente, os dois se beijam demoradamente, ele sentindo os seios fartos da amante de encontro ao peito enquanto roça o membro já duro em sua coxa e desce as mãos das costas até as nádegas, enchendo uma com cada polpa. Ela, não querendo desperdiçar qualquer minuto, puxa Rafael pela mão e os dois caminham em direção ao seu quarto.

- Vem...

Rafael tira a camiseta, o tênis e logo em seguida deixa a bermuda cair. Ele não dá tempo de Audrey tirar a sua, passando a tirá-la e a beijar seu pescoço, sua nuca e a segurar seio com cada mão. Acaricia os mamilos enquanto roça seu membro contra a bunda da amante, que a mexe vagarosamente enquanto ele desce as mãos dos seios até a barriga, logo chegando à cintura, começando a baixar o short de lycra apertado da parceira. Enquanto o tira, ele beija seu flanco, as nádegas e a coxa, subindo novamente e acariciando as coxas, a barriga e voltando aos seios, virando-a de frente e tirando o sutiã, mamando um por um.

Audrey começa a ofegar enquanto sente a língua de Rafael em um mamilo por vez e as mãos grandes dele em cada uma das nádegas. As pernas tremem e ela se solta cada vez mais, tornando-se logo uma fêmea tarada e sedenta por sexo. Soltando uma das bandas da bunda ele passa a bater com dois dedos contra sua vagina por cima da roupa de baixo, sem ainda tirá-la, sentindo a umidade na área ser cada vez maior. Depois de um tempo ali ele volta para trás da parceira e abaixa a calcinha, puxando-a enquanto novamente acaricia a bunda grande e branca. Decidida então a tomar a iniciativa ela se ajoelha diante dele, baixando a cueca e finalmente se deparando com o membro do qual Marcela havia lhe falado e que, ao ser liberado, atinge seu rosto e permanece rijo, como se a encarasse de forma desafiadora, fazendo-a esboçar uma expressão de gula, apreensão e espanto, perguntando-se como a amiga pôde realmente ter agasalhado aquele colosso.

- Puta que pariu, é um jumento... – Refeita do espanto ela toma o poderoso membro com a mão, passando a masturba-lo. Para efeito de medi-lo utiliza as duas mãos para fazê-lo, ficando boquiaberta com o que vê.

- Meu, dá pra bater punheta pra você com as duas mãos! – E Rafael sorri ao ver o espanto e a tara da garota que manipula seu membro com as duas mãos da mesma forma que um normal poderia ser perfeitamente acariciado apenas com uma. Então ela volta a tomar o enorme cacete com apenas uma das mãos e o leva a boca, mamando com vontade, beijando a cabeça, lambendo o saco avantajado e passando pelo corpo do membro até chegar novamente à ponta, acariciando ocasionalmente as coxas grossas do amante, que sorri e a segura pelo cabelo.

- O corno do meu namorado tem o pau muito menor que o seu, diz ela, voltando a masturbar Rafael. Perto disso aqui o dele parece de brinquedo... – Ele a interrompe para puxá-la pelo braço e deitá-la de bruços, beijando seu bumbum e deitando sobre seu corpo logo em seguida. Embora goste da sensação dos beijos que vão subindo das nádegas até a nuca, ao sentir o cacete descomunal passando pelo rego ela se assusta, olhando por cima do ombro com uma expressão de medo contido:

- Não vai pôr no meu cu, eu não tô pronta pra tudo isso ainda...

- Relaxa, diz Rafael, virando Audrey de frente, batendo com o pau na entrada da fenda agora quente e úmida, como se esperasse ansiosamente pela penetração de seu tacape. Ele, então, posiciona a cabeça, penetrando vagarosamente, provocando um ruído e fazendo-a gemer de forma contida no início para, em seguida, voltar a ofegar e gemer mais alto, incapaz de conter a dor, embora esta seja pequena comparada ao prazer que logo tem início quando ele começa a mexer os quadris para frente e para trás, com as pernas dela em seus ombros e segurando sua cintura, olhando nos olhos azuis de Audrey enquanto ela se acaba e lambe os lábios, delirando a cada ida e volta do membro que a alarga cada vez mais.

Ela não podia acreditar que o pau de Rafael havia entrado completamente dentro dela. A sensação de entupimento se somava a orgasmos alucinantes e a um prazer que não era deste mundo enquanto ele passa a meter cada vez mais rápido e forte e ela geme, soltando palavrões, palavras sem nexo, segurando no travesseiro e às vezes tocando no peito do amante, que a encarava e sorria.

- Soca, filho da puta, enfia esse cacetão gostoso em mim... – Ele cessa a penetração e a coloca de quatro, batendo com o corpo do pau contra seu clitóris para, em seguida, reiniciar a penetração, agora com maior facilidade devido à dilatação da fenda, segurando a cintura de Audrey e invadindo seu sexo sem piedade. Agora numa posição de maior submissão, ela abraça o travesseiro e, como se o prazer se multiplicasse cada vez mais, ela volta a misturar seus gemidos com palavras cada vez mais desprovidas de pudor:

- Me come, meu pintudo, soca a vara em mim... deixa eu ser sua puta, sua cachorra, sua vagabunda... – Sorrindo, Rafael atinge a nádega de Audrey com um tapa, que parece leva-la a um clímax ainda maior e a mais uma sequência de estocadas que, somada à sensação do membro pulsando em sua vagina fazem com que ela pressione a boca contra o travesseiro na tentativa de abafar os gritos de prazer.

- E se seu corninho te visse comigo agora, o que você ia dizer pra ele, diz Rafael, chegando perto do ouvido de Audrey.

- Ia mandar ele sentar ali no canto e prestar atenção pra ver como um homem de verdade fode, responde ela, ofegante, para em seguida voltar a gemer enquanto ele segura sua cintura e aumenta a velocidade, novamente levando-a à loucura. Finalmente, ele não se contém mais, liberando todo o seu prazer dentro da garota, que sente os jatos abundantes de esperma invadirem seu útero, gerando um calor dentro dela que a leva a mais um orgasmo. Ela respira, espalha-se na cama, e Rafael vai diminuindo aos poucos o ritmo dos movimentos até, finalmente, tirar o membro mais mole, mas ainda de tamanho respeitável, de dentro da Audrey. Os dois se deitam, ela com a cabeça descansando no peito do rapaz, para, logo em seguida, começar a sentir o esperma escorrer de dentro de si pelas coxas.

- Sabe o que eu ia fazer se meu namorado estivesse aqui agora?

- O quê?

- Ia falar pra ele chupar minha boceta. Agora, escancarada, cheia de porra sua, pra esculachar mesmo, porque ele tem pau pequeno e não trepa direito.

- Ele não te faz gozar?

- Ah, não chega nem perto do que você fez, não tem como comparar. O cara mete, fica um tempo ali, mas o negócio fica só nisso. Não sei como te explicar.

- Entendi. – Ela desce a mão até o membro, agora em descanso, mas ainda assim com uma consistência e um tamanho que indicam que não permanecerá dessa forma muito tempo.

- Meu, olha pra isso, o negócio nem saiu de mim, acabou comigo e já tá ficando duro outra vez...

- Pronta pra mais uma? – Audrey acaricia o membro e o sente crescer cada vez mais em sua mão, num espetáculo que ela nunca havia presenciado com amantes anteriores. Embora tentada a sentir de novo dentro de si aquele cacete, que a levou a níveis de prazer até então desconhecidos, ela reconhece o cansaço e até mesmo uma dor ainda aguda em sua cavidade, que a levam a duvidar se conseguiria repetir o ato num intervalo tão pequeno. Sem responder, então, ela simplesmente se posiciona e volta a chupar carinhosamente aquela tora que passa a crescer dentro de sua boca de forma que um calor quase insuportável volte a acender o desejo e faz com que seu sexo volte a desejar uma vez mais sentir o amante dentro dele. Aproveitando-se, então, que Rafael se encontra deitado, ela se ajeita de forma a sentar-se sobre o membro cavalar que logo passa a desaparecer dentro da rachadura, que se abre cada vez mais, enquanto ela volta a se acabar, agora sobre ele, colocando suas mãos sobre o peito de Rafael, que segura suas nádegas e a ampara, levando-a a subir e descer com mais facilidade e rebolar vagarosamente, aproximando-se do rosto dele que volta a mamar os seios um de cada vez, lambendo os mamilos e prendendo-os delicadamente entre os dentes. Em seguida, como se dominado por uma excitação maior, que não pudesse suportar, ele se levanta, apoiando Audrey pelas nádegas e passando a manipula-la para cima e para baixo, proporcional ao comprimento do pênis gigantesco e de forma a fazê-la gemer de forma incontida. Ela não se pergunta como ele arruma disposição ou força para desempenhar tal proeza, haja visto que seu raciocínio já foi subjugado pelo prazer alucinante. Seus orgasmos molham o corpo do pau e ela delira, para logo em seguida ser colocada de novo sobre a cama, ele permanecendo de pé. Audrey, então, se ajoelha no chão, e volta a sugar como uma ventosa o cacete avantajado de Rafael, como uma verdadeira devota da luxúria a qual ele a levou a se entregar. Chupando e masturbando-o como uma possessa ela encara o amante e os dois sorriem, e ela não se faz de rogada ao se dirigir a ele uma vez mais:

- Vai, goza na minha boca, dá leitinho pra sua puta beber. Vai, meu cavalão, vou beijar o corno mais tarde com o gosto da sua porra na boca... – ela abraça as coxas de Rafael e as acaricia, depois torna a segurar a rola com as duas mãos, lançando-se alucinadamente contra ela na busca alucinada pelo gozo do amante que, logo em seguida, ejacula loucamente em sua boca, fazendo-a beber cada gota do esperma espesso e abundante que é lançado por sua garganta. Ela continua a chupar depois que ele goza, lambendo a cabeça por último e então finalmente, se levantando, olhando nos olhos do rapaz com um sorriso e, depois, novamente olhando para o colosso que segura com uma mão, enquanto este repousa mais uma vez, mas ainda assim com um tamanho capaz de causar temor.

- Meu, cê acabou comigo. Isso aqui não existe.

- Bom que você gostou.

- Assim, a Marcela disse que você acabou com ela, mas nunca falou que tinha sido desse jeito. Pensei até que tava enfeitando, inventando estória... Falei “para, só se o cara fosse o super-homem...”. E pelo jeito você é, rs. – Ela beija Rafael e, em seguida, os dois se vestem.

- Você já vai embora?

- Melhor ir com um pouco de folga, né, vai que daqui a pouco alguém chega aí... – Rafael interrompe a descida quando vê que uma mulher se encontra no sofá, examinando alguns documentos sem olhar para os dois quando chegam à sala de estar.

- Mãe? Cê já tá em casa?

- Vim mais cedo hoje. Não tinha audiência e eu tava com dor de cabeça, acabei de chegar. Quem é seu amigo?

- Ah, mãe, esse é o Rafael. Estuda comigo. Veio pra me dar uma ajuda com a lição de inglês, já tava de saída.

- Entendi. Beleza, Rafael, tudo de bom. Volte sempre, diz a mulher, dando a mão ao rapaz.

- Prazer é meu, dona...

- Elaine.

- Isso... – Rafael sente algo de diferente na mão da mulher quando esta está para soltá-la. Algo na forma como ela a afasta, visível e levemente acariciando a mão do jovem e olhando-o de forma nada discreta nos olhos, sem sendo possivelmente notada por Audrey antes de ela leva-lo até a porta.

- Tchau, te vejo amanhã, diz Audrey, sorrindo e piscando o olho.

- Tchau, até.

Rafael caminha para casa. Provavelmente, amanhã, vai ter virado notícia novamente. Como já havia pensado antes, mulheres dificilmente guardam segredo sobre alguma coisa, ainda mais quando se trata de seus homens. Não pensará nisso por ora, neste momento só pensa em chegar em casa e tomar outro banho. A noite logo vai chegar e hoje ele quer ir ao shopping com Tuta e Marcão, seus dois melhores amigos...

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 30 vezesFale com o autor