Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
38 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56743 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10007)
Crônicas (22137)
Discursos (3131)
Ensaios - (8937)
Erótico (13379)
Frases (43221)
Humor (18341)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2602)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137961)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2388)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4730)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Ex-matador de passarinhos -- 27/12/2017 - 09:16 (AROLDO A MEDEIROS) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Ex-matador de passarinhos

Aroldo Arão de Medeiros

Giovani Bellettini, ou simplesmente Gigio, teve uma infância pobre. Seria melhor enfatizar que a família era paupérrima. O pai, meeiro, não era dos bons porque a ingenuidade deixava que lhe passassem a perna em todos os serviços que conseguia. O tempo correndo e Martinho, pai de Gigio, com as dificuldades para prover comida à grande prole, oito filhos, foi adoecendo. Já não queria, capinar, roçar, nem adubar a terra. Pescava de vez em quando, quando lhe dava na telha. Sofreu alterações patológicas das faculdades mentais. Resumindo, surtou. Internado uma vez em um hospital psiquiátrico, nunca mais foi o mesmo.
Gigio fazia o que Rogério Skylab canta em Matador de passarinho, com um significado bem diferente. O motivo era matar a fome dos irmãos e pais.

Aqui tem João-de-Barro, Pintassilgo, Pintarroxo,
Pica-pau e Colibri
Aqui tem Canário-belga, Araponga, Assum preto,
Curió e Bem-te-vi
Aqui tem tanta Andorinha, Cambaxirra, Quero-quero,
Rouxinol e Juriti
Que servem de tiro ao alvo
Para espantar o tédio
E o vazio do existir

Matador de passarinho

Tico-tico me perdoa mas me vem uma vontade,
Não posso me segurar

Matador de passarinho

Beija-flor tu és tão lindo
Mas chegou a tua hora
Não beijarás mais ninguém

Gostava de matar Araponga, João-de-Barro e Tico-tico. De todos o que mais apreciava era matar rolinha. Hoje essa espécie se adaptou muito bem ao meio urbano. É a espécie nativa mais comum em boa parte das grandes cidades brasileiras. Conhecida também como rola, pomba-rola ou rolinha-comum.
Gigio tornou-se adulto, conseguiu emprego e resumidamente, estabilizou-se na vida. Tem uma boa condição, com bastante trabalho e cultiva um hábito que para muitos pode parecer estrambótico, sustenta as rolinhas que vivem e, até parece, convivem com ele.
Gasta em torno de trinta quilos de sementes e quirela de milho por mês. Suas amigas frequentam todos os dias os comedouros e a laje: para elas, mesa grande e farta.
Como tem algumas árvores no terreno, colocou porongos, ou cabaças, com furos para servirem de ninho.
O melhor local para as rolinhas se multiplicarem é uma ameixeira.
Estão para nascer entre dez e quinze novas amigas. Não deixa ninguém apanhar ameixas, que já estão apodrecendo, para não importunarem as mães e os rebentos que hão de vir.
Lembra do passado quando ouve a sequência de ”uú-uú-uú”, e lhe vem um nó na garganta.


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui