Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
93 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56832 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10014)
Crônicas (22152)
Discursos (3133)
Ensaios - (8956)
Erótico (13388)
Frases (43357)
Humor (18384)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138031)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4770)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Erótico-->Fim de jogo? -- 18/10/2013 - 04:37 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Era nosso time em campo. Na quadra, pra melhor situar. E como se disputava

aquele torneio de futebol de salão entre colégios divinopolitanos, partidas noturnas,

na central praça de esportes da cidade!

E o São Geraldo, formado por seminaristas e alunos externos entrou para sua

primeira partida. Nosso adversário era o São Tarcísio, dos irmãos Cônsoli, um

goleiro e outro notório artilheiro.

Sem credenciais físico-técnicas para emparelhar-me com os colegas maiores

alinhados para aquela contenda, coube-me remoer minha amargura num dos

cantos externos da quadra, apinhada de torcedores, curiosos e outros remoedores,

de si, também ciosos.

Minha maior irritação veio quando no segundo tempo, já perdendo de 2 a 1

botaram o Derley, aluno do externato - que mais farol do que jogo fazia - para

salvar a nossa pátria. Por que não se lembraram de mim, pensei eu, e, na certa

tantos outros assim... Mas já era o fim.

E no entanto, enquanto o drama se desenrolava, ao longo daqueles quase

inexoráveis 40 minutos de peleja eis que, da platéia, sinto um corpo se emparelhar

ao meu, no semi-breu. Meus frescos 16 anos, ou eram quinze, a castidade

prometida e renovada a cada oração, nada podiam contra aquela proximidade

avassaladora. De olho em cada bola perdida, braços cruzados, estendi a ponta

dos dedos da mão esquerda, por detrás de meu cotovelo direito, onde o toque-
choque, mágico, fágico, era possível - e inevitável: um meio seio, veio, em cheio.

Apalpei, tremente, adeus a Deus temente. Era a labareda eternamente, queimando

almecorpo da gente. Pernas bambas, mais do que as do Derley, só balbuciar ousei,

pra uma resposta breve mas firme, como aquele peitinho, que viria:

Com´ cê chama?

Maria!

Até que se consumou meu medo: o jogo acabar tão cedo...
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 70 vezesFale com o autor