Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
74 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54805 )
Cartas ( 21052)
Contos (12086)
Cordel (9483)
Crônicas (21048)
Discursos (3105)
Ensaios - (9892)
Erótico (13118)
Frases (39763)
Humor (17540)
Infantil (3559)
Infanto Juvenil (2307)
Letras de Música (5410)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135479)
Redação (2869)
Roteiro de Filme ou Novela (1034)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4164)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Enxugo as Lágrimas -- 09/10/2008 - 21:45 (Dolores Marques) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Não te entendo, quando dizes não! Dás voltas e reviravoltas entre passos de danças acrobáticas e retiros que te engrandecem em plainos abandonados.
Só tu e eu num espaço, num tempo que se prende com factos de um passado, (penso eu) e que de uma forma, ou de outra nos encostamos, sabendo que os mesmos terão alicerces, constituição de auroras férteis, ocupando um lugar eleito, mesmo que sirva a qualquer vazante de marés estagnadas, rejeitadas pelos estercos definhados neste mar, onde falta o calor do verão.

No princípio era assim, entre as cores de uma paisagem, um por do sol e um passeio junto ao mar. De mãos dadas ou não, o que importa é a veracidade das palavras, o que pensamos sobre isto e aquilo. Mas os gestos soam com alguma exactidão, as cores assomam-se na profundidade de um olhar e uma névoa gasta de tristeza que se arrasta nesta frieza, percorre o comprimento deste vão que temos dentro das nossas mãos.

Os vãos que se erguem nas muralhas junto ao cais. Olhamos esta imensidão, este mar que nos acolhe, nos dá algo que não sabemos se queremos, neste divagar de incertezas, nestes medos emparedados junto às ondas que rebentam e nos salpicam a cara que descai nos solavancos da ilusão. Pertinentes mudanças nos enlaçam neste dia sem algum calor que nos fecunde, nos abrace nos aconchegos da triste e dolorosa mágoa. Nos transforma desafiando os valores que construímos na mente com bandeiras desfraldadas e alguma consternação.

Foi-se embora com um beijo! Um abraço é outra cor junto ao coração. Esse, coitado sofre pelos corredores sombrios sem um pingo das cores do verão.

Estou em casa!
Refiz as malas. Procurei-te nas horas, nos momentos coloridos pela tua mão. A cena terminou, sem os sabores e cores que pintam em breves traços a ausência que se dispõe na mesa desta sala que aguarda pelos aromas de um Outono morno.
Deixaste nas sombras da noite, laivos de dor...emoção.
Enxugo as lágrimas, desfaço as malas, inicio de uma prece entre um sim e um não.




De livro a editar "às Escuras Encontro-te"
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui