Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
50 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54786 )
Cartas ( 21052)
Contos (12082)
Cordel (9480)
Crônicas (21040)
Discursos (3104)
Ensaios - (9893)
Erótico (13117)
Frases (39763)
Humor (17540)
Infantil (3558)
Infanto Juvenil (2307)
Letras de Música (5410)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135496)
Redação (2869)
Roteiro de Filme ou Novela (1034)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4164)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->As sete faces do poema -- 09/11/2002 - 08:06 (Sidnei Olivio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

(As sete faces do...)

POEMA AUSENTE (ou que me falta)









(em consideração ao ensaio poético de Horácio Costa:
“Seis Pontos Para o Próximo Poema”)



I.
Meu melhor poema
é este que me falta: o que jamais foi escrito

No entanto, ele existe ditado pelo silêncio
Ele vive sem palavras no entanto, me falta

E me faz falta, portanto, falta escrevê-lo
a despeito da sua existência
sem a vívida palavra:

O poema, falta escrevê-lo (de fato)
mesmo que não venha sê-lo de fato um poema
Mas falta escrevê-lo – simplesmente –
porque ele se oferece pela ausência

Falta escrevê-lo para não impedir
o absoluto do que é
em sua essência
ou seja, falta escrevê-lo




II.

Falta escrever o poema
que, conciliado com a falta
partilhe o tempo
e recrie a comunhão

Que deposite as armas
que reze aos mortos
e que peça perdão





III.

Sobre a lâmina da linguagem
na utopia da poesia
falta escrever o poema
que, reconhecida a falta
admita o acaso
e que, sempre direcionado ao silêncio
e à sua própria indeterminação
alcance um significado:
sua verdade de agora

Falta escrever o poema
que transmita a verdade
em preto e branco
nada mais do que a verdade
de agora



IV.

Entrincheirado e ensimesmado
entre as armadilhas das línguas
falta escrever o poema
que, embora temeroso do vazio (a falta)
empunhe, de vez, a palavra
(ausente ou ainda inexistente)
e preencha a folha ávida
num só fôlego
de uma vez por todas

Falta escrever o poema
para registrar o momento
engajado na poesia
engajada na luta
engajada na vida
de inabaláveis ideologias






V.

Único e plasmático
e falto e brilhante e definitivo
sem pragmatismos
falta escrever o poema
que destaque da alma
a página do lirismo:
desvelado brilho
no universo das estrelas





VI.

Constantemente reinventado
pela falta
e subseqüente à ética
no fluxo das idéias
falta escrever o poema
que testemunhe fatos
que revele fotos
que desoculte feitos

Que passe a limpo
os rascunhos depositados
na gaveta da história

Que admita, por fim
a glória poética
e devore o futuro


VII.

Assim, com todo o zelo
da mirífica paisagem

Com a plena imagem
em cada cena
que na mente se abre
sob os olhos-luzes da ribalta
tudo é ainda desejo
pois ainda o poema me falta
como quem espera
por um beijo
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui