Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
86 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56831 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10014)
Crônicas (22151)
Discursos (3133)
Ensaios - (8956)
Erótico (13388)
Frases (43357)
Humor (18383)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138029)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4770)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Forrinhos sem alforria -- 05/11/2013 - 15:44 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O Senhor Leão encerrou solenemente sua preleção desejando-nos boa sorte e nos

distribuindo os pacotes individuais que continham a mercadoria a ser vendida:

pequenos forrinhos de plástico que imitavam as guarnições.

Éramos uns dez, entre moças e rapazes, os aspirantes a vendedores. Era hora de

botar mãos - ou bocas - à obra. Não sem antes de firmarmos uma promissória de

150 cruzeiros novos que nos responsabilizava perante o consignatário.

De volta para a pensão onde eu me hospedava, que ficava no Bairro Santo Antônio,

uns quinze blocos distante da Affonso Penna, resolvi fazer o percurso a pé por um

par de razões - além dos sapatos que eram bem turrões: poderia refletir sobre

como colocar em prática os sábios ensinamentos do Mestre Leão e economizar os

trocados da passagem do lotação.

Sem lírios de campo pra considerar, dei uma espiadela nos forrinhos: eram por

demais pequenos, pouco graciosos, mas laváveis. Seriam também vendáveis?

As estratégias de abordagem é que me preocupavam um pouco - mais. Eu já havia

vendido limões, ainda menino, no meu povoado, quatro por um Tamandaré, mas

eram de qualidade, conquanto amargos, digo-lhe a verdade; havia vendido

bananas que, embora compradas aos cachos e por nós consumidas às pencas,

ainda resistiam e se apodreceriam se não fossem passadas pra frente, demais,

eram vistosas, cheirosas e gostosas. Daquelas bananas maçã que não

empedravam. De comércio ainda, havia vendido umas garrafas de fundo de

quintal, cuja limpeza me deu um trabalho danado, mas ao cabo, fora premiado:

cinquenta centavos, no bar do Teco, que logo transformei num par de reluzentes

bolinhas de gude.

Agora, os forrinhos ali, sobraçados. E meus dezoito anos já completados -

responsáveis até para assinar a promissória do Senhor Leão. Era estudante

iniciante de Letras, diploma de alemão, teria a temer o rugido do Leão?

De locubração em locubração, cheguei à pensão. Tinha a tarde à minha frente, a

cama ali rente. E foi no sono que caí, leituras da linguística, do Deutsche

Sprächlehre für Ausländer podiam esperar. E minha estratégia de vendas se faria,

inicialmente, na minha cidade, bom campo de treinamento, para depois tomar de

assalto a capital.

Fui pro interior no primeiro fim de semana, aproveitaria pra comer bem, ter roupa

lavada e comerciar. De minhas primeiras invectivas, não precisei de muito para

convencer minha mãe e tia Rita das virtudes do novo produto. Dali pra frente,

porém, foi que emperrou o trem. Gente conhecida, vizinha ou mais distante não

achou toada em minha conversa e menos ainda na mercadoria persa.

Na volta à capital, pude perceber quanta falta faz a fala, sobretudo pra quem se

cala. Alemão parecia mais fácil. Já não me lembro agora se devolvi os forrinhos

restantes ao emérito Prof Leão ou se ele vem tentando executar a promissória. São

trinta e nove anos de história. Quem resiste, impermeável, e com o mesmo

descolorido original é o forrinho de mamãe, que chegou a entronizá-lo sob o nosso

oratório.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 74 vezesFale com o autor