Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
95 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56831 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10014)
Crônicas (22151)
Discursos (3133)
Ensaios - (8956)
Erótico (13388)
Frases (43357)
Humor (18383)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138029)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4770)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Crônica de Cingapura -- 01/09/2013 - 12:26 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Crônica publicada na Revista “SingBrasil” – Singapura - novembro/2001

Apostei que desta vez iria fechar a coluna antes que se iniciassem as decorações

natalinas da cidade. Afinal eram meados de outubro e o clima de incerteza

globalizada iria acabar atrapalhando vida e  vinda do Papai Noel, tão riscado e

arriscado que anda esse nosso céu. Demais, o bom velhinho, bem barbudinho, 

na companhia serena de suas renas nem de virar alvo está a salvo. Veja a

parafernália de mísseis, obuses, howitzers, bazucas e projetis outros que andam

soltos pelos ares. Dia desses apareceu no jornal um avião então, um

superbomber, que faz lembrar aqueles foguetes de chuvas de lágrimas, que tanto

cativavam nossa imaginação infantil atirando faíscas pra todas quinze bandas. E

no entanto, bastou dar um pulinho ali no Tanglin Shopping Mall pra comprar pouco

mais que um sonrisal e me deparar com uma ereção colossal - decorativa, bienentendu - pra me dar conta que ia avançado o pre-natal. E empatar a aposta, que,

mineiramente, fizera comigo somente. E olhe até chegar ao natal temos ainda

festa das abóboras e máscaras de Halloween, as luzes, ganchos, o braseiro e a fé

ardente do Deepavali, o peru da ação de graças. É mole?E a campanha

internacional de combate ao terrorismo parece ir de vento em popa,  e nada

poupa. Afegãos que há cinco anos enfrentam uma seca braba, acham-se agora

sob uma chuva de petardos. Os bombardeios chamados clínicos são de mortal

precisão. Mas com o seu lado humano de construção e projeção, às vezes

carregam na mão, e se não matam o afegão que não se vê, nem se viu, pegam

mesmo o civil. Pelo jeito os talibãs, cujos hábitos mal chegavam à idade média,

encontram-se já na fase das cavernas e vão acabar reduzidos à idade da pedra.

Lascada. Ou a pó? Falar em pó, instaura-se o pânico na terra de Tio Sam. Tudo

agora por causa do antraz - não confundir com Amtrak, que é trem deles mesmo.

O antraz parece vir de país mais antrazado, desses de araque, que só pensam

em cultivar bactérias em cima de misérias, reservando o melhor lugar para tudo o

que é programa militar. Esse assunto ainda vai dar pó pra não cheirar.

Ciprograme. Entretanto, correr à farmácia agora é como procurar cipro na cabeça

de cavalo. E não pára aí o ciproquó, pó.  Gracejo a parte, é preciso, no entanto,

que se aperte, se combata e se condene toda e qualquer forma de terrorismo, do

fundamentalismo ao obscurantismo, do derrotismo ao triunfalismo. E os líderes da

APEC reuniram-se na China para darem novo rumo, ou ao menos, um aprumo,

nas economias dos países da chamada bacia do Pacífico. Tudo ia passando

despercebido dos olhos do mundo, até que  posaram com aquelas túnicas

chinesas. Nada contra o eventual Versolatto de Shangai, mas, Santo Pai, podiam

ter chamado o Joãosinho Trinta pra carregar menos nas tintas animar a

coreografia daqueles quase trinta chefes de governo. Ainda bem que não

posaram juntos com os/as respectivos/as consortes. Sorte? Imagine que jeito de

china teria a Senhora Putina, ainda conservada, quase menina? Dona Laura,

conservaria sua aura?

Dois a zero, foi o quanto ganhamos do Chile de Salas, rumo à Copa. Mas sem sair

do quarto. Ah, como está sendo dura essa disputa pela quarta vaga. A Argentina

já segurou a sua, Paraguai e Equador só precisam de mais uma rodada para

confirmarem a classificação e nós, ainda com o Uruguai nos calcanhares, por

jardins, matas, paúis e pomares. Enquanto eles pegam o Equador no meio da

cordilheira, temos que subir a serra inteira e com a Bolívia, nas alturas, não fazer

besteira.  E se ficar de Cochabamba, aí é que samba. Temos que chegar até La

Paz e usar todo o gás. Quatro pontos é o que precisamos matematicamente em

dois jogos. Isso se o Uruguai, extremamente econômico na artilharia, não disparar

a fazer gols a riviria. Quer saber mais de nossas chances, fale com o Oswald de

Souza, se ele não tiver virado banqueiro.

No tênis, nosso Guga parece ter perdido o eixo, mas não por desleixo, pois ainda

mantém elevado o queixo. Cinco derrotas seguidas, quatro delas em primeira

rodada de torneios. Mas, nem dá bola, ao que consta, e pelo que contam, teria

entrado na rota do cupido, sonhando colorido, aquele menino comprido. E,

pensando bem, este é o melhor ano de sua fenomenal carreira: ganhou seis

títulos. Agora a luta maior parece ser a conquista do coração de sua musa. Love

game?Rubinho, o velocista, fechou o ano em terceiro lugar. A rigor, só disputava o

vice, já que Michael Schumacher, de ano a ano mais soberano, não perdeu o viço,

nem das vitórias o vício. Desde o início. Na última corrida, em Suzuka, deu no

Rubinho a maluca de fazer três paradas nos boxes, ao invés das duas

convencionais. De pneus novos, fez ultrapassagens arrojadas, deu belas

arrancadas, mas no frigir dos ovos, foi terminar em quinto, mostrando que perto

do Schummi ainda é pinto. Mas e esse Montoya, que embalo, não demora irá

cantar de galo. Vêm aí as eleições legislativas aqui, em 3 de novembro. A

novidade é que a campanha é curta, 17 dias, e os distritos eleitorais foram

redesenhados, fazendo lembrar um pouco o que foi feito com a Arquidiocese do

Cardeal Arns quando a influência dele parecia fazer sombra ao Vaticano. João

Paulo não tremeu, e de sua santidade, se valeu. Com o escasso tempo de

campanha, a oposição menos apanha, e em termos de apresentação de novas

idéias, não há margem nem pro nosso Enéias. Há quem duvide que o PAP

(Partido da Ação Popular, que ganhou todas até agora) não pape mais esta?

Enquanto isso, na terra em que florescem as laranjeiras e canta o sabiá, a corrida

eleitoral também começa a ganhar contorno antes que entre no forno. No ninho

tucano muita agitação mas ainda falta definição. Sobe Serra, desce Serra, o bom

cabrito não, erra.O PT sem novidade, é Lula, com sua persistência de mula, que

vai pra quarta candidatura. Emplaca, ou empaca? No PMDB, Itamar em

trapalhadas se mete. Será que ainda eriça o topete? O Ceará apresenta dois precandidatos: Tasso e Ciro. Será que o Padim Ciço, que não é santo, irá aguentar

tanto? O PFL é que fica na moita, achando toda essa gente muito afoita, afinal

quem nunca foi oposição há de perder tempo com eleição? E tem mais: Brizola,

Benedita, Roseana, o Salim Maluf, o Quércia, o Suplicy e tantos outros, salvo

engano. Deixemos para o ano?
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 54 vezesFale com o autor