Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
83 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56831 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10014)
Crônicas (22151)
Discursos (3133)
Ensaios - (8956)
Erótico (13388)
Frases (43357)
Humor (18383)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138029)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4770)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Crônicas de Cingapura II -- 26/08/2013 - 06:31 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Março foi um marco, tocando o barco. Chegamos à edição número 60. E não é um mero cê senta e

espera: são cinco anos, ou um lustro, dessa faina em que muito se esmera. E sem contar os décimosterceiros. Bela marca, afinal o SingBrasil, singrando mares e alegrando lares, atravessou a crise de 97,

sobreviveu o trauma da Copa de 98, não tremeu diante da virada do milênio e está aí enxuto feito um

pirulito antes cair na boca da criança e virar palito. Vão aqui nossos agradecimentos e felicitações aos

idealizadores, pioneiros e continuadores e, sobretudo, aos leitores, sem os quais esta obra não se faz.

Pois março se foi, com suas turbulentas águas, os seus comprometidos idos, a passos bem corridos.

Se o grande César não tivesse achado que a previsão oráculo era primeiro de abril, não só não Cai o

Júlio, bem como a mulher Calpurnia não teria caído em prematura viuvez e, talvez, com um pingo

de sensatez e, para não manchar as suas togas de sangue, a senatorial gangue - romana - poderia ter

perpetrado um menos torpe atentado. O painel das violações seria uma das opções?

Passemos aos gladiadores modernos: recomeçou a temporada de Fórmula Um. E logo após aquela

monumental cavalgada na Austrália, o nosso Rubinho, rubro que nem um quiabo, quis dar cabo desse

burburinho do diabo. E se mandou resoluto para a Malásia. Largou em terceiro, deu partida fulminante,

saltou logo adiante, e se pôs a ditar o ritmo da dança, com voltas e mais voltas firmando a liderança.

Mas parece que foi aí que bateu aquela conhecida biela do desespero: cadê o Schummi, o primeiro?

Ato contínuo, nosso velocista-mór foi atacado da velha pneumania. Foi pros boxes. E passado o

Schumacher, ao invés de se sentir aliviado, deu-se o Rubinho conta de que fora o outro, o da Williams,

aquele acelerado, e não o colega-patrão, dele irmão. Aí, sem rei nem roque, a reboque, nosso ás foi

atrás, reagiu e tanto foi que pisou que o motor não aguentou, explodiu. Tava mesmo fundido. Deu

pena ver nosso herói desconsolado, debruçado no guard-rail, chorando pitangas, antes de arregaçar as

próprias mangas, mas quando soltas já eram as frangas. E as línguas. Essa dor, no entanto, logo passa,

e a corrida não perdeu de todo a graça: na compensação veio o pontinho do estreante Massa. E já

sabemos que em Interlagos, com tudo pago, pelo menos um brasileiro vai subir no pódio, o Pelé. Pois

é.

E à medida que Saddam, sem dar sinal do que lhe passa pela teia, consulta a sua ampulheta e vê escoar

o restinho da areia, anda feia a coisa no Oriente Médio, que uns dizem Próximo, e muitos querem ver

distante. E não é pra menos. Na alternância incessante de explosões humanas e pesadas represálias

dos tanques israelenses a esperança de paz ensanguentada é que, passada prá trás, imobilizada, jaz. A

situação chega ao paroxismo de veterinários israelenses receitarem valium para os animais domésticos.

Enquanto os palestinos - homens, mulheres e meninos - mesmo que aos tanques abram alas, recebem

balas. De castigo e vigiado, que fará Arafat? Esse Ariel escaparia de um pinel?

Vamos pra África: o Zimbabwe realizou eleições e Mugabe teve o seu mandato renovado. O

processo eleitoral foi altamente contestado tanto pela oposição quanto pela imprensa internacional. A

comunidade das nações resolveu suspender e congelar contatos e alguns programas de assistência, mas

o que pareceu irônico foi um tal George, que não é o santo, mas é texano daqueles de bota de cano,

condenar as fraudes e exigir novas eleições. E aGore? Quem viveu os tempos de regime militar no

Brasil há de se lembrar da pergunta clássica - e irrespondida até hoje - de um tal Francelino Pereira, exgovernador da gente mineira: em que mundo estamos?

Havendo tocado em santidade, ou na sua falta, faço aqui uma retificação a uma passagem de crônica

anterior: nossa primeira Santa não será a irmã Dulce da Bahia, e sim a Madre Paulina, de Santa

Catarina e nascida na Itália. Não sei como confundi a revelação do Cardeal português que se ocupa das

Causas dos Santos no Vaticano, mas uma coisa que pode não ser certa é pelo menos plausível: como já

há muitos santos italianos, uma a mais tanto faz. Já uma brasileira, ainda que pia e ordeira poderia ser

temerário. Afinal, esta nação descoberta por Cabral é ainda muito jovem. Mas, cabeça erguida. Irmã

Dulce ainda terá sua vez. Demais, nada de prantos, a Bahia é de todos os Santos.

Vamos a algo mais profano. Aqui, pelo menos temos melhor chance: vem aí a Copa e a alma brasileira

de chuteiras clama por vengeance: meninos de Filipão, chassez la France!
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 55 vezesFale com o autor