Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
91 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54936 )
Cartas ( 21059)
Contos (12122)
Cordel (9541)
Crônicas (21128)
Discursos (3109)
Ensaios - (9910)
Erótico (13133)
Frases (39891)
Humor (17552)
Infantil (3560)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5413)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135633)
Redação (2874)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4195)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Erótico-->Onde Tudo É -- 05/02/2009 - 11:36 (Dolores Marques) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O sol enche-me os poros da pele ainda húmida, estendo os braços num abraço à praia em jeito de arrastar todos os grãos finos de areia, colocá-los sob o meu corpo ampliando-o num gesto pleno de comunhão. Se o mundo fosse uma praia deserta, eu deitava-me nele e povoava-me com os sonhos idílicos de verão. Um clima ameno, aconchegante, mãos suaves e delicadas a afagar-me o rosto, a sugar-me o gotejar tépido do meu corpo ainda com sabor a mar. A liberdade de movimentos espraiada neste contínuo areal abocanhada pelo sol quente que me inunda o corpo, está num momento de rendição que se veste da cor do desejo, e é colocada na minhas mãos.

Curvo-me perante ti, olhas-me como quem quer penetrar os sonhos do mundo sem saber como pegar-lhe, baixo-me e estendo-me na areia, corpo livre, peitos ao relento, parte do biquini já está estendido ao sol a secar dos múltiplos banhos do mar, que nos oferece agora uma sinfonia calma. A espuma que vem mergulhar na areia fina, toca-nos ao de leve as pontas dos dedos dos pés, desliza sobre as pernas, massajando-nos a pele num só gesto. O mar atraiçoa-se neste vai-e-vem constante que chora baixinho neste fim de tarde, as tuas mãos percorrem-me o corpo quente e o sol acena-nos ao longe, lembrando que está na hora de bater em retirada. Sinto na baixo ventre a humidade que se solta da profundidade da areia, volto-me de face para o sol para que se entranhe no meu corpo, até ao ponto onde tudo é, as tuas mãos avançam procurando a nudez plena, quente e inquietante, numa viagem onde tudo acontece.

O prazer de ter ali só para mim condensa-se num odor forte que desconheço, olho a ondulação forte para sentir através dela a sensação de um olhar penetrante que me incendeie os sentidos e me encha nos momentos abrasivos de uma humidade que me escorra pelo corpo, e me faça transbordar as margens secas, onde a corrente se abasteça e culmine num sopro quente do desejo. Os teus olhos viajam além de nós e fecham-se devagar, só o prazer dos corpos se identifica com o calor que nos afaga a alma, bailamos ao som da música que nos traz o vento e em comunhão com a crista da liberdade, somos as vozes criadas num momento de eternidade.

Ouço-te nos murmúrios do tempo, e as estrelas que se perdem num céu sem nuvens, caem na desgraça e adormecem nos jardins imaculados do templo.



(Do meu próximo livro - a editar)



http://rituaisdomomento.blogspot.com/
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui