Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
91 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54936 )
Cartas ( 21059)
Contos (12122)
Cordel (9541)
Crônicas (21128)
Discursos (3109)
Ensaios - (9910)
Erótico (13133)
Frases (39891)
Humor (17552)
Infantil (3560)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5413)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135633)
Redação (2874)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4195)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Eternidade de Um Momento -- 05/10/2008 - 19:43 (Dolores Marques) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Sou a eternidade de um momento, a minha alma espreita através da minha janela afortunada e penso-te neste fim de tarde, em que o Outono aspira os cheiros da humidade na terra coberta de folhagens secas que vagueiam sem destino. Aquieto-me neste silêncio enamorado, e verdejante como as ervas tenras, despojo-me da aridez de uma alma acorrentada para um novo recomeçar, absorvendo o ar sustentado pelos sons primaveris.

Anuncia-se a minha sede de um amor que brota da terra quente, e lentamente se vai transformando na esperança de um florir singelo nas madrugadas, que exalam as essências doces de um remanescente leitoso. O teu olhar inspira-me a serenidade de um amor sem pressas, o teu corpo encontra-se já colado ao meu, sem a dureza que sombreia os cumes mais desejáveis. O sol penetra neste fim de tarde, a maciez de um véu transparente e esconde-se na linha do horizonte. Este céu que sobrevoa a praia, é um vitral semi-transparente, de onde se podem ver bandos de gaivotas que iniciam a sua caminhada, oscilando sobre estes corpos que se querem sós.

Extinguem-se os movimentos e os desejos na sua pequenez, e surge uma nova dimensão do ser nos momentos em que nos encontramos no silêncio da alma. Olho ao longe o sol que se despe, deixando resquícios das cores que representam a sua altivez.O meu olhar foca-se agora nas ondas que dançam ao sabor de um vento ameno com cheiro a maresia, e esta agitação amplia-se no ar, na construção deliberada de uma estrada que se perde no longínquo. Somos num momento que se estende no infinito, e os corpos que ficaram, anulam-se num céu serpenteado. Trespassamos as marés que se encontram para além destes muros esbranquiçados.Indiferentes, as gaivotas deixam no colorido azul, auréolas e sinfonias, num momento em que o amor segrega agora uma energia quente, que abalroa as ondas e se expande no mar.



De livro a editar "Às Escuras Encontro-te"
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui