Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
95 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56319 )
Cartas ( 21150)
Contos (12564)
Cordel (9932)
Crônicas (22051)
Discursos (3130)
Ensaios - (9100)
Erótico (13317)
Frases (42755)
Humor (18172)
Infantil (3689)
Infanto Juvenil (2487)
Letras de Música (5460)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137630)
Redação (2904)
Roteiro de Filme ou Novela (1050)
Teses / Monologos (2384)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4591)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->UM POVO DIFERENTE... -- 15/05/2019 - 13:58 (GERMANO CORREIA DA SILVA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

UM POVO DIFERENTE...


Era uma vez um povo que vivia em um lugar muito distante das civilizações que ora povoam esse mundo que conhecemos, que estava em constantes conflitos com os habitantes de um planeta que tinham o modo de viver meio parecido com os que vivem no nosso planeta Terra.

Lá nesse mundo surreal não havia violência de nenhuma natureza entre as pessoas de um mesmo universo. Pessoas carentes de recursos básicos para sua sobrevivência, nem pensar. Governantes eleitos através do voto, que se enquadrassem na condição de corruptos ou de corruptores, lá nunca existiu, muito menos eventuais governados que vivessem à espera de benesses oferecidas por seus governantes naturais e espontâneos, tentando com isso fazê-los se perpetuarem no poder.

O povo desse lugar imaginário era trabalhador aos extremos e uma boa parte de tudo o que produzia tentava vender para as comunidades vizinhas e estas, por sua vez, também trabalhavam exaustivamente nas suas áreas produtivas para oferecerem o que havia de melhor, por um preço razoável, para esse povo do mundo surreal, se utilizando, para tanto, de uma transação comercial meio parecida com aquela que o povo do mundo moderno chama de balança comercial favorável. 

A carga tributária que os contribuintes de lá pagavam era baixíssima e as pessoas assalariadas ganhavam razoavelmente bem. Já os de cá sofriam horrores com os altos tributos pagos, diuturnamente, e não recebiam salários compatíveis com os gastos tributários que recaiam sobre si. Havia entre eles uma acomodação natural, adaptada à aferição das receitas e despesas do modo de vida de cada um em particular.

Certo dia, após consultar os deuses de outros universos mais evoluídos social e economicamente falando, alguém do universo que tinha o povo menos beligerante teve a ideia de pleitear a união dos dois povos que viviam em conflito, mas para isso seria necessário a realização de um plebiscito. Através dele seria escolhido um líder master o qual teria a missão de unir os dois universos e sanear os problemas políticos, sociais e econômicos que os afligiam. 

Depois de muitas rusgas e intrigas internas entre os dois povos, o plebiscito foi aceito e realizado, mas para a surpresa geral dos participantes dos dois universos o resultado terminou empatado. 

A realização de um novo plebiscito fora descartada tão logo a proclamação do resultado oficial fora anunciada. Nenhum dos dois povos queria sair da zona de conforto em que se encontrava, muito menos queria tentar se adaptar ao modo de viver do povo do universo vizinho e vice-versa. 

Muitos anos já se passaram depois da ocorrência desse dia especial na vida dos povos desses dois universos conflitantes que tentaram mudar drasticamente suas formas de viver. 

Entretanto, pelo pouco que se sabe a respeito deles, ou seja, pelas poucas notícias que se tem de lá, sabe-se que eles continuam vivendo entre trancos e barrancos. Não há entre eles um sistema socioeconômico e político previamente definido, mas eles têm procurado viver de acordo com a mentalidade ideológica copiada de outro universo, que eles entendem seja um pouco mais evoluído, política e economicamente falando.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 15Exibido 78 vezesFale com o autor